Como 18 bilionários fazem investimentos de impacto

GettyImages/AnadoluAgency
Aplicações em iniciativas de preservação ambiental ou saúde estão entre os focos

Resumo:

  • O termo “investimento de impacto” é definido como a injeção de recursos em empreendimentos que dão bons rendimentos e têm um impacto social ou ambiental positivo;
  • É uma estratégia que foi abraçada por muitos, incluindo bilionários, estrelas pop e atletas;
  • Algumas das iniciativas buscam, por exemplo, aumentar pesquisas para a melhora da qualidade de vida da população;
  • Outros bilionários investem em empresas de educação, saúde e renovação urbana;
  • Em muitas ocasiões os lucros das empresas são reinvestidos para melhorar as operações de impacto social.

Investir sabiamente o seu dinheiro está na moda. Criado em um evento da Fundação Rockefeller Foundation em 2007, o termo “investimento de impacto” é definido como a injeção de recursos em empreendimentos que dão bons rendimentos e têm um impacto social ou ambiental positivo. É uma estratégia que foi abraçada por muitos, incluindo bilionários, estrelas pop e atletas. Em abril, havia mais de 1.340 organizações gerindo US$ 502 bilhões em ativos de investimento de impacto no mundo todo, de acordo com a Global Impact Investing Network, que mapeia iniciativas do setor. Isso é mais que o dobro do total do ano passado.

LEIA MAIS: O app chinês que faz do e-commerce um ato social

A Forbes reuniu alguns dos investidores de impacto mais notáveis. Para construir a lista, os repórteres pesquisaram todos os bilionários dos Estados Unidos, bem como membros da lista de atletas da Forbes, celebridades mais bem remuneradas, celebridades mais bem-sucedidas e mulheres de sucesso mais bem-sucedidas. Para se qualificar, esses investidores de impacto deveriam estar no ramo há um ano ou mais, com capital implementado ou investimentos pessoais, e ser respeitados no campo. A lista foi examinada por um painel que incluiu editores Forbes e dois especialistas em investimento de impacto.

Veja na galeria a seguir quem são os maiores investidores de impacto:

  • Bill e Melinda Gates

    Patrimônio: US$ 106 bilhões

    Áreas de impacto: saúde, pobreza

    Na última década o casal tem feito investimentos de impacto por meio da fundação que leva o nome dos dois. Eles investiram cerca de US$ 2 bilhões em 70 iniciativas e empresas que se dedicam principalmente à saúde e à pobreza. No ano passado, apoiou o aplicativo Indonesian e o site Haladoc, que conecta pacientes e médicos para consultas online, e a firma indiana CropIn, que usa dados para analisar colheitas. Também foram investidos US$ 55 milhões na empresa alemã BioNTech, que está trabalhando para desenvolver vacinas e imunoterapia para o HIV e a tuberculose. Os lucros dos investimentos são repassados para a fundação.

  • Alice e Jim Walton

    Patrimônio: US$ 103 bilhões

    Área de impacto: educação

    Proponentes de longa data das escolas charter (escolas públicas que adotam a lógica da gestão privada), os irmãos estão liderando um programa que vai emitir US$ 300 milhões em títulos para ajudar as instituições a investir em instalações novas ou renovar suas estruturas. O objetivo é o financiamento de baixo custo para reduzir o montante que as escolas gastam em instalações de proteção. “Esse esforço vai permitir que recursos que foram gastos em instalações sejam voltados para as salas de aula, de volta aos professores e de volta para onde deveriam estar: com os estudantes”, disse Alice Walton em comunicado.

  • Mark Zuckerberg e Priscilla Chan

    Patrimônio: US$ 69,6 bilhões

    Área de impacto: educação

    O cofundador do Facebook e sua mulher, Priscilla Chan, investiram US$ 110 milhões em mais de uma dúzia de startups por meio da Chan Zuckerberg Initiative (CZI), uma empresa de responsabilidade limitada que apoia empresas sem fins lucrativos e faz concessões para organizações sem fins lucrativos. No ano passado, a CZI investiu no provedor de software de assistência infantil Brightwheel e na plataforma de recrutamento de graduação Handshake. Também aumentou sua participação na Andela, uma plataforma de recrutamento que liga empresas de tecnologia a equipes de engenheiros que trabalham remotamente e em tempo integral da África.

  • Steve e Connie Ballmer

    Patrimônio: US$ 51,7 bilhões

    Área de impacto: diversificada

    O ex-CEO da Microsoft investiu pesado em serviços de educação, saúde e assistência social em 2018. Em maio daquele ano, Ballmer e sua mulher, Connie, ao lado da Prudential Financial, colocaram US$ 30 milhões no Fundo Comunitário de Resultados, que financia serviços de saúde e sociais em nível estadual e municipal, que também produzem retornos financeiros. O fundo investiu, por exemplo, em um programa de desenvolvimento de força de trabalho para cerca de 2.000 adultos na área de Boston com conhecimento limitado de inglês. Também no ano passado, os Ballmers investiram US$ 59 milhões na Social Solutions, uma empresa de software que ajuda organizações a digitalizar arquivos e conduzir análises de dados para as comunidades que ajudam.

  • Michael Dell

    Patrimônio: US$ 32,3 bilhões

    Áreas de impacto: educação, internacional

    Em um movimento semelhante ao da Fundação Gates, a Fundação Michael e Susan Dell fez investimentos em empresas com fins lucrativos cujas missões são alinhadas com os objetivos de sua fundação, quaisquer lucros são direcionados para a fundação. Nos Estados Unidos, investiu US$ 1 milhão na BetterLesson, uma empresa de tecnologia educacional que possibilita que professores talentosos compartilhem seus recursos online. Na Índia, emprestou quase US$ 1,3 milhão para a Blowhorn, uma financiadora microfinanceira com base em Mumbai, e para a Invested in Kings Learning, que oferece instruções online e offline sobre inglês.

  • Laurene Powell Jobs

    Patrimônio: US$ 21,3 bilhões

    Área de impacto: diversificada

    Como fundadora da entidade filantrópica, de investimento e advocacia Emerson Collective, Laurene se junta a empresários, políticos e advogados para promover a mudança social. A Emerson Collective apoiou a Ellevation, startup de software focada no ensino de inglês, a OpenGov, software de orçamento do setor público, e a rede de sensores ambientais Atreme. Ela também está no conselho da Rise Fund, que trata de assuntos em impacto social e ambiental. No final de 2018, a Emerson Collective adquiriu a Pop-Up Magazine Productions, da revista “The California Sunday Magazine”, para continuar seu investimento em jornalismo que busca a verdade e promove ações.

  • Ray Dalio

    Patrimônio: US$ 18,7 bilhões

    Áreas de impacto: saúde, tecnologia

    Com sua família, o fundador do maior fundo hedge do mundo, o Bridgewater Associates, colocou quase US$ 100 milhões em investimentos de impacto. Dalio foca particularmente em tentar “encontrar formas de ajudar a causa dos oceanos”, por meio de financiamento de documentários, por exemplo. Ele também apoia o Fundo Global de Investimento em Saúde, que fornece financiamento para medicamentos e vacinas para doenças que ocorrem de forma desproporcionada em países mais pobres, e o fundo de inclusão Accion Frontier, que investe em empresas que oferecem serviços financeiros para clientes em mercados emergentes.

  • Eric e Wendy Schmidt

    Patrimônio: US$ 14,2 bilhões

    Área de impacto: ambiente

    Por meio da Schmidt Family Foundation, que pertence a sua família, o ex-presidente do Google Eric Schmidt e sua esposa, Wendy, investiram cerca de US$ 50 milhões na busca do “uso mais sábio de energia e recursos naturais”. A fundação participou de rodadas de financiamento de startups como a Atica, que coleta e analisa dados climáticos relacionados à poluição do ar, e a BlocPower, uma empresa com sede no Brooklyn que ajuda comunidades menos privilegiadas da cidade de Nova York a melhorar a eficiência energética de seus prédios e casas.

  • Pierre Omidyar

    Patrimônio: US$ 13,1 bilhões

    Área de impacto: internacional

    Por meio do Omidyar Group, o fundador do eBay investiu mais de US$ 700 milhões, incluindo US$ 116 milhões em 2018, em startups que trabalham pela igualdade de renda e gênero e assistência médica acessível. Organizações do Grupo Omidyar lideraram a rodada de investimentos no início de 2018 para a Kaleidofin, uma plataforma de poupança digital indiana que trabalha com clientes de baixa renda, a maioria mulheres. Em março, a companhia apoiou a Healofy, uma plataforma de mídia social indiana, onde futuras mães compartilham preocupações e recebem conselhos.

  • Dustin Moskovitz e Cari Tuna

    Patrimônio: US$ 11,6 bilhões

    Área de impacto: diversificada

    O fundador da Asana e cofundador do Facebook, Dustin Moskovitz, e sua esposa, Cari Tuna, levaram sua fundação Good Ventures para além das doações. Assim como a Fundação Gates e a Schmidt fazem, qualquer lucro dos investimentos de impacto da Good Ventures volta à instituição. Em 2016, ela investiu na Impossible Foods, uma alternativa de carne vegana. No início deste ano apoiou a empresa de saúde Sherlock Biosciences, que está trabalhando para detectar facilmente vírus humanos.

  • Christy Walton

    Patrimônio: US$ 8,5 bilhões

    Área de impacto: ambiente

    Ao perceber que os peixes do mundo estão desaparecendo rapidamente do oceano (décadas de sobrepesca causaram a extinção de muitas espécies), Christy lançou o fundo de investimento Cuna del Mar, em 2011. Ela apoia empresas que estão trabalhando para desenvolver um suprimento sustentável de frutos do mar, como a Earth Ocean e a Sol Azul Maricultivos.

  • John Doerr

    Patrimônio: US$ 7,5 bilhões

    Área de impacto: diversificada

    Um dos primeiros financiadores de tecnologia limpa, Kleiner Perkins é agora um investidor no G2VP, um fundo de “cleantech” de US$ 350 milhões. Doerr diz que o investimento de impacto significa apoiar empreendedores “extraordinários” que podem mudar o mundo em escala. Em maio, ele apoiou a Mos, com sede em San Francisco, um portal de aplicativos para a ajuda financeira estudantil que conta com assessores financeiros. Ao longo dos anos, também investiu na empresa de células de combustível Bloom Energy e na plataforma de matemática DreamBox.

  • Diane Hendricks

    Patrimônio: US$ 7 bilhões

    Área de impacto: renovação urbana

    Após uma onda de perdas de emprego atingir Beloit, no Wisconsin, pela diminuição da manufatura no coração da América, Diane agiu para reviver a pequena cidade de 37 mil habitantes. A partir de 2009, ela transformou um antigo campo da fábrica em um moderno espaço de trabalho, com uma incubadora de startups com aproximadamente mil funcionários. Além disso, reformou e abriu um centro de convenções e um clube de campo para atrair executivos de negócios. “Quero que esta cidade seja empolgante, como costumava ser”, diz Hendricks, que lançou quatro novas empresas no outono de 2018: um hotel boutique, um bar de tacos e coquetéis, um bistrô e uma cafeteria.

  • Marc e Lynne Benioff

    Patrimônio: US$ 6,5 milhões

    Áreas de impacto: ambiente, saúde

    Marc Benioff, CEO da empresa de software Salesforce, e sua esposa, Lynne, investiram na empresa de reciclagem e redução de resíduos Rubicon e na startup de garrafas de água biodegradáveis Cove. Eles também investiram em startups de saúde e bem-estar como a Carrot, que tem por objetivo ajudar milhões de pessoas em todo o mundo a parar de fumar, e a Zipline, que oferece remédios que salvam vidas por drone em lugares como Ruanda. Enquanto isso, a Salesforce lançou um fundo de impacto de US$ 50 milhões em 2017 que investiu em empresas como a Ellevest, uma plataforma de investimento que busca trazer a igualdade de gênero para o mundo dos investimentos, e a Angaza, que ajuda os fabricantes e distribuidores a tornar produtos de energia limpa mais acessíveis.

  • Dan Gilbert

    Patrimônio: US$ 6,5 bilhões

    Área de impacto: renovação urbana

    Gilbert e suas empresas, que ele chama de “para além do lucro”, destinaram US$ 5,6 bilhões para a revitalização do centro de Detroit, que inclui um plano para trazer 24 mil postos de trabalho para a cidade. Seu primeiro passo foi mover a sede da Quicken Loans para a cidade e tentar convencer alunos recentemente graduados a dar uma chance para o lugar. Desde então, ele investiu em projetos industriais como a montadora de carros QLINE e comprou dezenas de edifícios. Em maio, a Jack Gaming vendeu o Hotel Greektown Casino-Hotel por US$ 1 bilhão depois de tê-lo comprado por US$ 600 milhões em 2013; os lucros da venda do cassino renovado serão direcionados para a revitalização de Detroit, segundo a empresa.

  • George Roberts

    Patrimônio: US$ 6,1 bilhões

    Áreas de impacto: questões cívicas, pobreza e inequidade

    Roberts, que fundou a empresa de private equity KKR na década de 1970, criou o empreendimento filantrópico REDF (Roberts Economic Development Fund) em 1997 com o objetivo de gerar empregos. Desde então, ele emitiu bolsas para mais de 175 empresas sociais. Em 2017, a REDF lançou um programa de financiamento de impacto que visa a implantação de US$ 5 milhões em capital até 2020. Seu primeiro empréstimo foi para a Wash Cycle Laundry, um serviço de lavanderia com fins lucrativos na Filadélfia focado em empregar desabrigados ou ex-presidiários.

  • Jeff Skoll

    Patrimônio: US$ 5 bilhões

    Área de impacto: ambiente

    Skoll, que construiu uma fortuna como o primeiro presidente do eBay, está comprometido em investir em empresas que combatem as mudanças climáticas. Ele faz isso por meio da Capricórnio Investment Group, que tem US$ 5 bilhões em ativos dele mesmo, da Fundação Skoll e de outras pessoas de alto valor. A Capricorn foi uma das primeiras investidoras de capital de risco na Tesla, fabricante de carros elétricos, e também apoiou a Joby Aviation, que está criando táxis aéreos de propulsão. Em junho, a Capricorn investiu US$ 40 milhões em um novo fundo de investimento, a Encourage Solar Finance, que investirá em bancos de pequeno e médio porte e da Índia para ajudá-los a fornecer financiamento a pequenas empresas para instalações solares em telhados.

  • Paul Tudor Jones

    Patrimônio: US$ 5 bilhões

    Área de impacto: diversificada

    “Se você quer mudanças sociais e ambientais verdadeiras, se você vai tentar melhorar a qualidade de vida de todas as coisas vivas neste planeta, tem de começar com o local de trabalho das pessoas”, diz Jones, um gestor de fundos hedge de longa data que fundou a JUST Capital em 2013, um grupo de pesquisa que classifica cada empresa no Russell 1000 por seu impacto sobre as comunidades, funcionários, clientes e outros agentes ao redor. A JUST Capital anunciou uma parceria com a Goldman Sachs para lançar um fundo de câmbio negociado em junho de 2018, que mantém ações de empresas que performaram na metade superior da sua área indústrial, classificadas pela JUST. Jones investiu no fundo, que tem US$ 133 milhões em ativos e se valorizou mais de 8% desde seu lançamento.

Bill e Melinda Gates

Patrimônio: US$ 106 bilhões

Áreas de impacto: saúde, pobreza

Na última década o casal tem feito investimentos de impacto por meio da fundação que leva o nome dos dois. Eles investiram cerca de US$ 2 bilhões em 70 iniciativas e empresas que se dedicam principalmente à saúde e à pobreza. No ano passado, apoiou o aplicativo Indonesian e o site Haladoc, que conecta pacientes e médicos para consultas online, e a firma indiana CropIn, que usa dados para analisar colheitas. Também foram investidos US$ 55 milhões na empresa alemã BioNTech, que está trabalhando para desenvolver vacinas e imunoterapia para o HIV e a tuberculose. Os lucros dos investimentos são repassados para a fundação.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).