Como a Barùkas quer usar a castanha de baru para reflorestar o cerrado

ReproduçãoForbes
Darin Olien, caçador de superalimentos, encontrou a castanha de baru enquanto analisava frutas de palma na Amazônia brasileira

Resumo:

  • O caçador de superalimentos Darin Olien ficou fascinado quando ouviu falar da castanha de baru, nativa do cerrado brasileiro;
  • Ele, então, criou a Barùkas, que vende nos EUA, além de São Paulo e Brasília.
  • O CEO da empresa é o brasileiro Rodrigo Figueiredo;
  • Uma das ideias é usar os baruzeiros para ajudar a recuperar o ecossistema do cerrado.

Cerca de cinco anos atrás, Darin Olien, um caçador de superalimentos, estava analisando variedades de frutas de palma na Amazônia brasileira. Foi quando ele soube pela primeira vez sobre uma noz altamente nutritiva que cresce no cerrado.

Ele ficou intrigado com a pesquisa enviada a ele por um brasileiro chamado Rodrigo Figueiredo, que trabalhava para exportar a castanha, que cresce no baruzeiro, resistente à seca e nativo da região.

Quando Olien provou a noz marrom pela primeira vez, ficou impressionado com o sabor, uma mistura entre amendoim e amêndoa. Depois de enviá-la a um laboratório para análise, ele confirmou que era uma riquíssima em proteínas, fibras, micronutrientes e antioxidantes, com menos gordura e calorias do que muitas nozes populares.

“A primeira lâmpada empreendedora que acendeu é que não há barreira para o paladar americano comer isso”, diz Olien. “Esta noz rica em nutrientes era tão saborosa.”

“Fui rapidamente tomado pelo espírito do caçador de superalimentos”, diz Olien. Quando ele viajou para o cerrado, foi arrebatado pela devastação que viu. “Esta savana está sendo destruída. Derramei lágrimas ao ver.”

Olien se juntou a Figueiredo e dois outros parceiros, Seth Tuckerman e Justin Tanner, para fundar uma empresa social com fins lucrativos que visa comercializar a noz. O nome da marca dado para a noz conhecida como baru foi Barùkas. Os cofundadores sonham em reflorestar o ecossistema local com árvores de baruzeiro e criar uma fonte de subsistência para as populações locais que colhem a noz.

O Cerrado, cujas florestas, campos e savanas cobrem um quinto do Brasil, é muito menos familiar para quem está de fora do que a Amazônia devastada pelo fogo. Mas a região está sofrendo desmatamento a uma taxa ainda mais alarmante: cerca de 50% da terra já foi desmatada para gado, soja e milho.

O ecossistema também é a região com a maior biodiversidade do mundo, lar de mais de 1.600 espécies de aves, répteis e mamíferos, incluindo a onça-pintada e a arara-azul, em perigo de extinção, segundo o World Wildlife Fund. Cerca de metade de suas 10 mil espécies de plantas não são encontradas em nenhum outro lugar do mundo. Da perspectiva da mudança climática, o cerrado também é importante. Suas árvores de raízes profundas podem sequestrar cerca de 118 toneladas de carbono por acre, o que equivale a uma vasta floresta subterrânea. Ambientalistas chamam o cerrado de “uma das regiões mais ameaçadas e superexploradas do Brasil”.

LEIA MAIS: Como a Rothy’s redefine a sustentabilidade na produção de sapatos

As forças por trás do desmatamento não são fáceis de combater. Mas determinação e pensamento voltado para os negócios podem fazer a diferença na restauração desse ecossistema vital.

A Barùkas é financiada por um fundo de caridade criado por Tuckerman, um empresário em série aposentado que já havia trabalhado com Olien para desenvolver um shake de proteína de superalimentos. Ele e sua esposa investiram todos os recursos da venda de US$ 100 milhões de seu empreendimento mais recente, um programa nutricional de perda de peso, para a caridade, diz ele.

A empresa se compromete a plantar uma nova árvore baruzeiro em estado selvagem por cada 2,3 quilos de nozes que vender. Seu objetivo a longo prazo é plantar 20 milhões de árvores Baruzeiro nos próximos cinco a dez anos para restaurar a paisagem natural do Cerrado.

ReproduçãoForbes
“Seu objetivo a longo prazo é plantar 20 milhões de árvores Baruzeiro”

Com sede em Carlsbad, Califórnia, a Barùkas é liderada pelo CEO Figueiredo. Atualmente, vende nozes e uma mistura que inclui os frutos da árvore, naturalmente secos e torrados em tiras.

Atualmente, todas as nozes da Barùkas são coletadas de árvores silvestres por moradores da região, mas em dez anos (o tempo que leva para as árvores amadurecerem) os cofundadores esperam coletar das árvores cultivadas.

A Barùkas vende seus produtos online por meio de seu próprio site e da Amazon, bem como em varejistas de alimentos naturais nos EUA. Dado o suprimento limitado de nozes até que as novas árvores amadureçam, eles estão se concentrando em construir parcerias fortes. Tuckerman diz que gostariam de encontrar uma grande cadeia de café para vender suas nozes em embalagens tamanho snack.

Qual o sabor do baru? Simplificando, é delicioso. Minha família ficou apaixonada pela nova e estranha noz, que é macia na língua e um pouco mais dura e crocante do que uma amêndoa. No futuro, Tuckerman diz que espera introduzir uma manteiga de nozes, leite de nozes e outros produtos.

VEJA TAMBÉM: 10 experiências turísticas com animais

Os moradores devem concordar com regras, como não sacudir as árvores e deixar pelo menos um terço das nozes no chão, para que possam plantar novos baruzeiros. Eles recebem um salário justo por seu trabalho.

“Estamos apenas cuidando de nossos negócios tentando fazer o certo por essas comunidades”, diz Tuckerman.

Os cofundadores têm trabalhado com universidades locais para encontrar as melhores variedades da árvorepara plantar. Eles também estão incentivando os pecuaristas locais a plantar as árvores em suas propriedades, proporcionando sombra ao gado e incentivando o crescimento das gramíneas necessárias para o pastoreio. A árvore de Baruzeiro é um fixador de nitrogênio, fornecendo fertilizante para si e para a vegetação circundante. A empresa assina contrato com os guardas florestais, prometendo comprar os frutos e nozes das árvores que plantam.

“Não podemos criar mais demanda do que oferta nos próximos dez anos”, diz Tuckerman. Existem cerca de um milhão de baruzeiros espalhadas pelo Cerrado, mas encontrá-los é um desafio.

É claro que os fundadores não esperam ficar ricos nesse negócio, mas eles esperam que, eventualmente, seja auto-sustentável e, mais importante, que fará a diferença no ecossistema do cerrado e no bem-estar de seus habitantes. Por enquanto, continua sendo um empreendimento altamente idealista, que requer uma visão de longo prazo e um duradouro senso de missão.

Desconhecido, o baru já fez parte das dietas indígenas, deve ser comercializado de maneira eficaz e a produção deve ser padronizada para atender às normas de saúde. A empresa já começou a vender as castanhas em São Paulo e Brasília, além dos EUA.

“Mesmo no Brasil, poucas pessoas já ouviram falar”, diz Olien. “O preço da castanha era tão caro que era uma novidade. Agora estamos criando uma economia”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).