10 experiências turísticas com animais

Getty Images
Observação de chimpanzés está entre as experiências de interações com animais

As viagens que incluem experiências de interações com animais têm se tornado cada vez mais populares entre turistas do mundo todo. Afinal, quem não gostaria de nadar lado a lado com simpáticos golfinhos ou pegar um filhote de leão no colo?

LEIA MAIS: Como os anfitriões profissionais se adaptam à demanda por aluguel de qualidade do Airbnb

Mas essa tendência também levanta acalorados debates sobre o bem-estar dos animais e os prejuízos impostos a eles em prol da arrecadação da indústria do turismo. Para juntar as duas coisas, o Airbnb acaba de anunciar a categoria “Experiências com Animais”, com mais de 1 mil atividades com mais de 300 espécies. Mas garante: todas elas seguem as diretrizes da World Animal Protection (Proteção Animal Mundial) para preservar a integridades dos bichinhos e são acompanhadas por biólogos, conservacionistas e amantes dos animais.

Entre os cuidados estão, por exemplo, a proibição de atividades com animais marinhos em cativeiro – exceto em casos em que os esforços de reabilitação são conduzidos sob a supervisão de uma organização sem fins lucrativos validada. Ou a proibição de contato direto com animais selvagens, o que inclui acariciar, alimentar ou cavalgar os mesmos. E, apesar das restrições, quem participou garante que vale a pena e que não melhor maneira de se relacionar com a natureza.

Veja, na galeria de fotos a seguir, 10 experiências de interações com animais oferecidas pela plataforma para viver de consciência limpa:

  • Raposas do Ártico, Isafjorour, Islândia

    Duração: 9 horas
    Grupos de, no máximo, 5 pessoas
    Valor: R$ 836

    Os participantes aprendem sobre os costumes e os habitats da raposa do Ártico – também conhecida como raposa-polar – enquanto caminham em direção aos locais de observação. A espécie é capaz de sobreviver às mais geladas temperaturas do Ártico. Na volta, o trajeto inclui a chance de ver focas, águias, baleias e falcões Gerfaut.

  • Nas montanhas com os chimpanzés, Blue Ridge Mountains, Estados Unidos

    Duração: 2 horas
    Grupos de, no máximo, 10 pessoas
    Valor: R$ 418

    Como os animais vivem em um santuário, os visitantes devem esperar encontrá-los em um ambiente descontraído e pacífico. São quase 25 mil metros quadrados de floresta. Embora não seja possível garantir a observação, quase sempre os primatas dão o ar da graça – principalmente quando o grupo inclui crianças pequenas, que eles adoram. A caminhada pela estrada de cascalho dura cerca de uma hora.

  • Leões, tigres e ursos resgatados, Alpine, Estados Unidos

    Duração: 1h30
    Grupos de, no máximo, 4 pessoas
    Valor: R$ 1.045

    Trata-se de uma experiência inclusiva nos “bastidores”. Um especialista conduz os visitantes pelo santuário, apresentando os grandes felinos (leões, tigres, linces, leopardos e leões da montanha) e os ursos (negros americanos, do Himalaia e pardos) e contando as histórias de seus resgates. Criado em 2002 em uma fazenda histórica, o Lions Tigers & Bears é o lar de mais de 60 animais resgatados de 19 espécies.

  • Experiência apícola e degustação de mel, Edimburgo, Reino Unido

    Duração: 2 horas
    Grupos de, no máximo, 5 pessoas
    Valor: R$ 413

    O anfitrião Andrew – cujo negócio da família é a apicultura – conduz os visitantes pelos apiários e inspeciona algumas colmeias ao mesmo tempo em que aborda aspectos gerais do comportamento das abelhas, sua estrutura social, hábitos de reprodução e ciclos de vida.

  • Caça às trufas, interior da Toscana, Itália

    Duração: 3h30
    Grupos de, no máximo, 10 pessoas
    Valor: R$ 780

    Descendente de quatro gerações de caçadores de trufas, Stefania mantém a tradição viva. A aventura começa nos bosques de Castelfiorentino com a companhia do fiel cão da família. Os visitantes aprendem a encontrar trufas na propriedade, vivendo uma jornada emocional e multissensorial que termina na sala de degustação, com um almoço inteiramente à base da iguaria.

  • Passeio para amantes de felinos, Tóquio, Japão

    Duração: 2h30
    Grupos de, no máximo, 10 pessoas
    Valor: R$ 273

    A visita passa por um dos mais tradicionais santuários de gatos do país, conhecido como o berço do maneki-neko – a estatueta de gato que, acredita-se, traz felicidade. Em seguida, segue um café de gatos, onde os visitantes aproveitarão a hora do chã cercados de felinos resgatados do tsunami de 2011 por todos os lados. Nesse momento, é possível tocar e brincar com os animais. Cada participante ainda poderá criar seu próprio maneki-neko personalizado como souvenir.

  • Cães de Chernobyl, Chernigov, Ucrânia

    Duração: 11h
    Grupos de, no máximo, 3 pessoas
    Valor: R$ 1.555

    O Clean Futures Fund organizou e opera o programa Dogs of Chernobyl, que tratou mais de 1,5 mil animais nos últimos três anos. A iniciativa trata os descendentes de cães que foram abandonados após o desastre na usina nuclear em 1986. Os animais enfrentam uma vida difícil na Zona de Exclusão de Chernobyl, constantemente lutando pelas necessidades básicas como comida, água e abrigo durante os duros invernos ucranianos. Na visita, é possível encontrar e alimentar os animais enquanto se aprende sobre a história e a missão da entidade. Depois de conhecer alguns dos cães, os participantes se dirigem à cidade abandonada de Pripyat, onde mais de 40 mil pessoas viviam antes do desastre. A visita inclui a passagem por locais onde as pessoas foram impedidas de viver por mais de três décadas.

  • Cães guias para deficientes visuais, Coimbra, Portugal

    Duração: 2h
    Grupos de, no máximo, 5 pessoas
    Valor: R$ 115

    A atividade é coordenada por Ana Filipa Paiva, médica veterinária e diretora técnica da ABAADV – Associação Beira Aguieira de Apoio ao Deficiente Visual. A entidade já formou e entregou, desde 1999, mais de 220 cães-guia. Os visitantes são conscientizados do papel social da escola e sua relação com a sociedade. Durante um café ou chá, um representante da equipe técnica conduz os participantes às instalações da escola e explica como é o processo de formação do cão-guia até ser entregue ao seu utilizador. Em seguida, os visitantes são apresentados aos animais em processo de aprendizagem, com os quais vai poder interagir. Na sequência, participam de uma experiência sensorial, que lhes permite sentir a diferença entre a ultrapassagem de uma pista de obstáculos, com os olhos vendados, com a ajuda de uma bengala ou de um cão-guia.

  • Cuidados com o peixe-boi, Porto Rico, Porto Rico

    Duração: 2h30
    Grupos de, no máximo, 6 pessoas
    Valor: R$ 372

    Os visitantes experimentam a rotina do Centro de Conservação de Peixes-Boi de Porto Rico, um centro de reabilitação desses mamíferos aquáticos, ajudando na preparação da dieta e conhecendo a área de atendimento veterinário. A entidade concentra-se na conservação por meio de quatro pilares: resgate e resposta ao encalhe; reabilitação e atendimento veterinário; pesquisa populacional; e alcance da comunidade. Também atendem tartarugas marinhas e aves que são encontradas doentes ou feridas.

  • Caminhada da baleia, Imbituba, Santa Catarina, Brasil

    Duração: 3h
    Grupos de, no máximo, 6 pessoas
    Valor: R$ 50

    A caminhada ocorre no coração da Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca, em um lugar escolhido pelos animais para cuidarem de seus filhotes. A Praia da Ribanceira é refúgio das baleias francas, onde elas podem descansar, já que o plano de manejo restringe uma série de atividades que perturbariam esses animais. Com seus enormes costões, a região permite um ambiente ideal para o avistamento das baleias. A proximidade com o animal e a experiência do condutor fazem com que a experiência seja enriquecedora, com momentos únicos para os visitantes entenderem os aspectos ambientais, culturais e históricos locais, além da compreenderem cada movimento da espécie na relação mãe e filho.

Raposas do Ártico, Isafjorour, Islândia

Duração: 9 horas
Grupos de, no máximo, 5 pessoas
Valor: R$ 836

Os participantes aprendem sobre os costumes e os habitats da raposa do Ártico – também conhecida como raposa-polar – enquanto caminham em direção aos locais de observação. A espécie é capaz de sobreviver às mais geladas temperaturas do Ártico. Na volta, o trajeto inclui a chance de ver focas, águias, baleias e falcões Gerfaut.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).