Conheça Mary Jane Gibson, uma das mulheres mais intrigantes do mercado de cannabis

ReproduçãoForbes
“Fui contratada como editora em 2014 e me dediquei a escrever sobre a interseção da cultura do entretenimento e da cannabis”

Resumo:

  • Mary Jane Gibson se aprofundou na indústria da maconha após começar a trabalhar no “High Times”; 
  • Ela também é uma atriz premiada; 
  • Mary Jane conta que, em dez anos, terá um complexo onde plantará sua própria erva e comida e terá jantares lendários.

Ser chamada Mary Jane e trabalhar na indústria legal de cannabis. Fundindo vida e ambição, Mary Jane Gibson tem sorte de ter seu nome relacionado à maconha. Atriz, escritora e ex-editora de estilo de vida, entretenimento e cultura do “High Times”, Mary Jane está viajando pelo mundo acompanhando a legalização do uso adulto de maconha e maconha medicinal desde 2007. Ela é criativa e certamente sabe escrever. Entrevistou personalidades públicas, celebridades e especialistas do setor em vários canais ao longo dos anos e continua a fazê-lo em seu famoso podcast Weed + Grub. A “Complex Magazine” a chamou de “uma das 15 mulheres mais poderosas do setor de ervas”. Acredito que ela é uma das mais intrigantes, e foi por isso que decidi fazer algumas perguntas sobre sua jornada.

FORBES: O que a impulsionou nessa jornada? Gostaria de compartilhar alguns dos destaques até agora?

Mary Jane Gibson: Eu conheci a equipe do “High Times” em 2004. Eles foram o grupo mais interessante de desajustados que eu já encontrei, e fizeram tudo juntos. Passei um fim de semana com eles em um lugar mágico no Catskills chamado Full Moon Lodge, fumando maconha, comendo cogumelos e correndo pela floresta. A partir desse ponto, eu já estive no Burning Man algumas vezes e adorei a contracultura caótica dessas reuniões. Meus novos amigos no “High Times” eram bandidos, contando histórias do underground. Naqueles dias, havia um perigo real de relatar maconha, e a maioria deles escrevia sob nomes falsos. Eu me encaixava como Mary Jane, todo mundo achava que esse era meu pseudônimo, mas era o nome da minha tia-avó.

Comecei a escrever mais para o “HT” quando Colorado e Washington legalizaram a maconha e conheci Michael Kennedy, o lendário presidente e líder do “High Times”. Ele e sua esposa, Eleanora, e a editora Mary McEvoy pensaram em mim para a editoria de lifestyle. Eu encontrei um nicho e trabalhei duro para provar que podia escrever sobre cannabis, assim como qualquer outra pessoa.

LEIA MAIS: Os melhores hotéis de maconha do mundo

Fui contratada como editora em tempo integral em 2014 e me dediquei a escrever sobre a interseção da cultura do entretenimento e da cannabis. Eu dirigi para Atlantic City para entrevistar Margaret Cho. Essa entrevista foi além dos meus sonhos mais loucos. Naquela noite, eu dormi completamente vestida em cima de roupas de cama imundas em um terrível motel à beira da estrada. Logo depois, entrevistei Awkwafina. Eu conheci Laura Jane Grace em um casebre abandonado em Bushwick para uma sessão de fotos nublada. Fumei Peaches em um loft em Bed-Stuy. Foi um momento emocionante a legalização nos EUA e foi especialmente importante para mim cobrir mulheres e folclore gay na cultura da cannabis. Trabalhei com fotógrafos e videógrafos incríveis para fazer isso, como Gretchen Robinette, Urs Mann, Lauren Hurt e Kaitlin Parry.

Agora moro em Los Angeles e escrevo para vários veículos, incluindo “Rolling Stone”, “Leafly” e “DOPE”. Escrevi sobre vapers falsos e legalização da maconha em minha cidade natal no Canadá. Entrevistei Charlie Sheen, os Super Troopers e Melissa Etheridge. É um momento rico e estou emocionada em narrar tudo isso. Recentemente, moderei um painel da “Playboy” sobre a desestigmatização da cannabis. Um sonho que se tornou realidade!

Minha coisa favorita absoluta, no entanto, é o Weed + Grub, meu podcast com Mike Glazer. Fumamos, comemos e trocamos histórias com convidados como David Crosby, Ron Funches, Buck Angel e Laganja Estranja, e é realmente a melhor coisa do mundo.

ReproduçãoForbes
Mary Jane e Mike Glazer estão trabalhando em um livro de receitas e histórias

F: Além de escrever para algumas das publicações mais icônicas do mundo e coapresentar seu podcast Weed + Grub com o comediante Mike Glazer, fiquei empolgado ao saber que você é uma atriz premiada. Por que tipo de personagem você é especialmente atraída? Você faz muito trabalho de narração (ouço muitos de seus ouvintes de podcast falando o quanto gostam de ouvir sua voz)?

MJG: Eu gosto mais de interpretar personagens desagradáveis. Pessoas quebradas, famintas e com raiva. É aí que encontro muita verdade e compaixão. Eu me formei na Escola Nacional de Teatro do Canadá, em Montreal, e depois me mudei para Dublin com meu pai, pelo que pensei que seria um verão, e acabei passando três anos e meio na Europa. Participei de uma série televisiva irlandesa, estudei Beckett e Shakespeare com o BADA em Oxford e entrei para um grupo de teatro em Paris. Então cheguei a Seattle, onde conheci minha querida amiga e colaboradora Nicole Dufresne. Criamos um programa para duas pessoas, o “Burning Cage”, inspirado em um livro sobre experimentos de lavagem cerebral financiados pela CIA no Canadá. Escrevi e me apresentei em outro programa, “Anaphylaxis”3. Naquela época, Nicole havia se mudado para Nova York e decidi fazer as malas e me juntar a ela.

Minha vida mudou para sempre quando Nicole foi baleada e morta no Lower East Side de Manhattan em 2005. Ela era uma escritora e intérprete incrível, uma amiga maravilhosa, e sinto sua falta todos os dias.

Em Nova York, conheci vários atores e artistas maravilhosos e tive a sorte de fazer teatro com algumas das pessoas mais emocionantes da cena. Desde que me mudei para Los Angeles, fiz alguns trabalhos de personagens patetas. Eu adoraria fazer mais trabalhos de dublagem, e estou sempre aprimorando minhas cordas vocais no podcast. 

VEJA TAMBÉM: Drake fará parceria com produtores de maconha de Toronto

F: Onde você se vê daqui a um ano? Dez anos? Quando você era criança, o que queria ser quando crescesse?

MJG: Em um ano, terei alguns shows roteirizados em ação em produção com a Big Fat Content, minha empresa com Mike Glazer. Escreverei histórias sombrias e engraçadas para a TV e terei minha peça pronta para turnê. Vou apresentar histórias emocionantes sobre as notícias mais legais da cultura da maconha. E gravarei Weed + Grub com Mike, é claro. Também estamos trabalhando em um livro de receitas e histórias, que envolve comer muita comida e fumar muita maconha (para pesquisa).

Em dez anos, terei um complexo onde plantarei minha própria erva e comida e terei jantares lendários.

Quando eu era criança, queria ser atriz e escritora. A vida deu algumas voltas loucas, mas estou exatamente onde quero estar.

F: Se você pudesse estar em qualquer lugar do mundo, agora, onde seria? Fazendo o quê?

MJG: Eu estaria na Islândia, em uma primavera quente sob a aurora boreal, comendo torradas com geleia de amora e fumando um baseado com Mike e nosso convidado Oliver Tree depois de gravarmos um episódio de Weed + Grub.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).