Bilionário Oleg Deripaska é acusado pelo governo dos EUA de lavar dinheiro para Putin

GettyImages/ Mikhail Svetlov
Deripaska alegou que as ações dos EUA contra seus negócios levaram à devastação total de sua riqueza, reputação e meios de subsistência econômicos

O governo dos EUA acredita que o bilionário russo Oleg Deripaska tenha vínculos financeiros profundos e secretos com o presidente russo Vladimir Putin. É o que dizem novas alegações registradas pela imprensa recentemente.

O “Financial Times” divulgou hoje (14) que Deripaska, fundador da Basic Element, um grupo industrial russo com interesses em alumínio, energia, construção e agricultura, foi acusado pelo Departamento do Tesouro dos EUA de lavagem de dinheiro em nome de Putin.

LEIA MAIS: Delta vai investir US$ 1 bi para conter impacto de viagens aéreas sobre o clima

O jornal cita uma carta enviada pelo Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros dos EUA aos advogados de Deripaska no mês passado, alegando que em 2016 o bilionário foi “supostamente identificado como um dos indivíduos detentores de ativos e lavagem de dinheiro em nome do presidente russo Vladimir Putin”. O gabinete, um braço do Departamento do Tesouro dos EUA, impôs sanções a Deripaska e suas empresas em abril de 2018.

Um porta-voz de Deripaska não respondeu a um pedido de comentário da Forbes.

O porta-voz de Deripaska, Dmitry Peskov, disse ao “Financial Times” que as alegações de lavagem de dinheiro “não eram verdadeiras”.

O “Financial Times” diz que o Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros está elaborando os motivos de sua decisão de sancionar Deripaska, mas apenas revelará justificativas “não confidenciais”.

No mais recente episódio no conflito de longa data entre EUA e Rússia sobre o que é descrito em uma Ordem Executiva de 2014 como “a Situação na Ucrânia”, o Tesouro dos EUA citou relatos de jogo sujo financeiro para justificar as sanções contra Deripaska e algumas de suas empresas em 2018.

Em abril de 2018, o secretário do Tesouro dos EUA, Steven T. Mnuchin, acusou o governo russo de se envolver em “atividades malignas”, incluindo a ocupação da Crimeia e tentativas de “instigar a violência” no leste da Ucrânia. Acrescentando que “os oligarcas e elites russos que lucram com esse sistema corrupto não serão mais isolados das consequências das atividades desestabilizadoras de seu governo”, visando especificamente Deripaska por “ameaçar a vida de rivais comerciais, escutar ilegalmente um funcionário do governo e participar de extorsão e extorsão”.

Deripaska processou o Departamento do Tesouro dos EUA em março de 2019, alegando que os EUA violaram o “estado de direito”, alvejando-o “simplesmente porque é politicamente conveniente ou publicamente popular fazê-lo”. O processo alegou que “Deripaska, um cidadão da Rússia, se tornou a mais recente vítima das disputas políticas e reação contínua do país à suposta interferência da Rússia nas eleições presidenciais dos EUA em 2016”. E o processo disse que as alegações contra ele “consistem em nada mais que falsos boatos e insinuações e se originam de ataques difamatórios de décadas originados por seus concorrentes comerciais”.

Nesse mesmo processo, Deripaska alegou que as ações dos EUA contra seus negócios levaram à “devastação total” de sua “riqueza, reputação e meios de subsistência econômicos”. Os documentos afirmam que o patrimônio líquido da Deripaska caiu “US$ 7,5 bilhões ou aproximadamente 81%”. A Forbes analisou essas alegações depois que o processo foi aberto e chegou a uma conclusão diferente: o patrimônio líquido de Deripaska caiu cerca de 47%, para um valor estimado de US$ 3,6 bilhões, entre o momento em que ele foi colocado em uma lista de sanções dos EUA e a data em que o processo foi aberto. A Forbes estima atualmente o patrimônio líquido de Deripaska seja de US$ 4,5 bilhões.

LEIA TAMBÉM: Zuckerberg diz que Facebook está pronto para pagar mais impostos, diante novas regras

O processo de Deripaska contra o Tesouro dos EUA também cita –como um exemplo do que seus advogados alegam ser o viés contra ele– um tuíte de 2019 do senador americano Charles Schumer: “Como Oleg Deripaska –um oligarca russo que interfere nas democracias da Europa e América– ter a ousadia de aparecer na Conferência de Segurança de Munique? A conferência fala sobre conter a interferência russa! Amigos da UE: pedimos a imposição de sanções adicionais aos companheiros de Putin”.

Um porta-voz do Tesouro dos EUA não respondeu a um pedido de comentário.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).