Citi e Goldman Sachs realizam primeira transação de ações usando blockchain

Getty Images
Na transação de ações, o blockchain reduz o tempo e os custos da operação

No dia 28 de janeiro, o Citigroup e o Goldman Sachs realizaram silenciosamente o que alguns consideram uma transação histórica: a primeira troca de ações em uma nova plataforma de blockchain construída usando ferramentas originalmente projetadas para o ethereum.

Enquanto essa primeira transação envolveu apenas as dois participantes, outros 13 aguardam na fila. Diferentemente das operações de ações mais tradicionais, que precisam ser constantemente atualizadas de acordo com inúmeras variáveis, incluindo preços de mercado no final do dia, medidas corporativas com desdobramentos na bolsa ou pagamentos de dividendos e taxas de juros que oscilam, a nova plataforma é alimentada pela tecnologia de blockchain da startup Axoni, garantida por empreendimentos, que faz com que todos os participantes, em cada transação, vejam e usem os mesmo dados.

LEIA MAIS: Blockchain 50: as maiores empresas que adotam a tecnologia

Com trilhões de dólares em transações de ações realizados em todo o mundo no ano passado, gigantes financeiros como Citi e Goldman Sachs precisam empregar pequenos exércitos para verificar constantemente – e cruzar – todas as etapas do processo até o fim – às vezes até meses mais tarde. Quando as coisas dão errado – e os números de um banco não correspondem aos de outro – esses exércitos podem perder dias de trabalho e milhões de dólares em cada transação.

“Quando há uma interrupção, e ela pode ser causada por algo tão simples quanto uma digitação errada das datas, cada parte envolvida precisa voltar ao conjunto de dados e passar horas ou dias vasculhando enormes quantidades de informações”, explica Greg Schvey, cofundador e CEO da Axoni. “E agora podemos mostrar isso instantaneamente e de uma maneira que ambas as partes tenham total visibilidade.”

Para obter esse estado contínuo de conciliação, o Citi integrou sua infraestrutura de back-office diretamente a um aplicativo distribuído (ou “dapp”) construído sobre o blockchain Axcore, da Axoni, personalizado para conciliar qualquer número presente nas transações, de acordo com Puneet Singhvi, chefe de infraestrutura do mercado financeiro e líder em blockchain do Citi.

Ao contrário de muitas outras implementações empresariais de blockchain, nas quais o software que ajuda os participantes a concordarem instantaneamente em uma parte da transação (chamada “nó”) é executado pelo poder da computação na nuvem, o Citi optou por executar seus nós em um de seus escritórios físicos. Assim como no bitcoin, para que as transações permaneçam em um estado constante de conciliação, cada participante também precisa executar seu próprio nó. Até a Axoni executa nós especializados que trabalham com os outros nós para ajudar a rede mais ampla a alcançar consenso. Os nós da Axoni, no entanto, são apenas parte dos dados reais da transação, dando a cada empresa suas próprias informações.

Ao contrário do bitcoin, onde qualquer pessoa pode executar um nó e o consenso é alcançado por meio de um processo chamado mineração, apenas participantes convidados ou conhecidos podem fazer parte da plataforma de transações de ações da Axoni, onde outras 13 instituições financeiras aguardam para executar vários nós. Nenhuma criptomoeda é necessária, mas também a rede é menos descentralizada que o bitcoin e outras blockchains públicas. No momento do lançamento, mais de dez nós estavam em execução.

VEJA TAMBÉM: Ripple mira parcerias com bancos no Brasil em 2020 para remessas de recursos via blockchain

No momento, espera-se que os negociadores de ações cumpram as obrigações regulatórias existentes em cada transação, mas, no futuro, os próprios reguladores poderão ter acesso a um nó regulatório exclusivo que concede acesso direto às transações em determinadas circunstâncias, reduzindo ainda mais a documentação e eliminando a necessidade de funcionários e organizações encarregados do processamento.

No modelo atual em que cada participante em uma negociação gerencia seus próprios registros, divergências relacionadas a swaps e derivativos consomem, das equipes de especialistas, pelo menos uma hora em 70% dos casos, de acordo com um relatório trimestral publicado no mês passado pela International Swaps and Derivatives Association (ISDA) e mais de um dia para conciliar as informações em 15% de todas as transações. Isso representa até US$ 1 milhão em perdas em um terço de todas as divergências de dados. Em 2% das divergências, as perdas variam de US$ 1 milhão a US$ 2 milhões por transação, uma grande parte dos retornos do investimento.

“Se você olhar para a maioria dos grandes negociadores, verá que eles terão centenas de pessoas para das conciliações”, diz Schvey. “São equipes operacionais enormes, que gastam uma quantidade enorme de tempo apenas para descobrir em que parte do processo as coisas não funcionaram.” Para Singhvi, “o que você realmente está substituindo são ligações telefônicas, planilhas do Excel, e-mails etc. Se você tem divergências, quanto mais cedo você se preocupar, menos riscos do ponto de vista financeiro e operacional.”

No entanto, o relatório da ISDA também alertou que a incerteza sobre exatamente onde os dados estão domiciliados está tornando pouco claro qual a jurisdição responsável, o que poderia dificultar a ampla adoção. Como possível solução, a entidade ajudou na criação de um artigo com a startup R3 recomendando que os usuários de um livro de contabilidade distribuído concordem em ficar vinculados por uma “lei comum da plataforma”. Para ajudar no processo, chamado de “modelo de domínio comum para ações”, a Axoni compartilhou seu modelo de troca de ações e seu modelo de negociação com a ISDA e está trabalhando para ajudar a padronizar o processo de contabilidade distribuída.

“Com isso, está se criando um nível de padronização em todo o setor de maneira que cada entidade, que pode ter suas próprias estruturas de dados internas, agora possa realmente proporcionar consistência, aumentando ainda mais a eficiência”, diz Singhvi. Está em jogo um total de pouco mais de US$ 3,142 trilhões em transações, de acordo com dados fornecidos pelos bancos centrais globais ao Bank of International Settlements, com sede em Basileia, na Suíça.

A história da plataforma de transação de ações começou em novembro de 2017, quando o Citi se juntou a outros investidores na Axoni, incluindo a Goldman Sachs, JPMorgan e Thomson Reuters para testar uma versão piloto do blockchain. Batizada de Axcore, essa versão é um blockchain autorizado – o que significa que ninguém pode construir sobre ela – que foi desenvolvida pela startup, que tem sede em Nova York e foi parte da lista Fintech 50 da FORBES. Depois de levantar um total de US$ 36 milhões, a empresa, avaliada em US$ 171 milhões, de acordo com o Pitchbook, construiu a plataforma de transações de ações sobre a Axcore, da qual detém a propriedade intelectual, e depois concede acesso aos usuários por um valor não divulgado.

Diferentemente da blockchain pública da ethereum, que chega a um consenso usando uma rede global de computadores, a Axcore foi criada desde o início para permitir que os participantes que já se conhecem façam negócios com menos intermediários. Embora a Axoni tenha parado de chamar a implementação atual do Axcore de “fork”, ou cópia, do ethereum, a empresa fez parceria com a startup de desenvolvedores de blockchain Truffle em abril de 2019 e atualmente está usando uma versão aprimorada das ferramentas da empresa, originalmente projetadas para o público do blockchain do ethereum, para mover US$ 10 trilhões do armazém de informações comerciais da Depository Trust and Clearing Corp. para a Axcore e construir a nova plataforma de transações de ações. Agora que a plataforma conduziu com sucesso sua primeira troca, a Axoni começará, em breve, a ativar outros nós na Axcore gerenciados por clientes adicionais.

“A capacidade de processar dados em sincronia, de ponto a ponto entre instituições e ter bancos de dados nativos entre si é apenas um grande primeiro passo em direção a um futuro que eu acho que muitas pessoas estão procurando no mercado de capitais”, afirma Schvey. “E, para essas grandes empresas com as quais estamos trabalhando – até mesmo para a maior parte do mundo -, esse é um avanço substancial nessa direção.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).