Diane Von Furstenberg e Amazon se unem no mês da mulher

GettyImages/ Bennett Raglin / Correspondente
A parceria entre Diane von Furstenberg e a Amazon busca mostrar o poder das empresas fundadas por mulheres

Na noite de 20 de fevereiro, Diane von Furstenburg esteve na Biblioteca do Congresso em Washington, DC, durante a 11ª Gala anual do DVF Awards em homenagem a mulheres extraordinárias, que incluiu a juíza da Suprema Corte Ruth Bader Ginsburg e a super modelo Iman que, como ela diz, “tiveram a coragem de lutar, a força para sobreviver e a liderança para inspirar”. O tema da noite foram as mulheres que elevaram outras mulheres, mas o trabalho de von Furstenburg neste assunto mal tinha começado.

Na manhã seguinte, ela estava de volta a Nova York, preparando as bases para sua nova iniciativa em defesa das mulheres: o #InCharge, uma parceria com a Amazon.

LEIA MAIS: As mulheres mais poderosas do Brasil em 2020

Como parte da colaboração (a primeira desse tipo para a Amazon, que nunca havia feito parceria para promover negócios de propriedade de mulheres), von Furstenberg aparecerá na página inicial da Amazon em 8 de março, Dia Internacional da Mulher, para mostrar diversas e inspiradoras pequenas empresas administradas por mulheres e compartilhar sua missão #InCharge.

“Estar #InCharge (expressão que significa “no comando”, em português) é primeiro um compromisso conosco”, diz von Furstenberg. “É ser honesto conosco. É respeitar e confiar em nosso caráter, sabendo que ele é, para sempre, o lar e o núcleo de nossa força.”

A inspiração por trás do #InCharge deriva de um simples contato por e-mail que von Furstenberg fez entre duas amigas alguns anos atrás. Depois de fazer a introdução, uma das mulheres voltou a dizer que o e-mail havia mudado sua vida e a trajetória de seus negócios. Foi então que von Furstenberg percebeu o poder de sua própria plataforma e como um gesto rápido poderia ter um impacto tão significativo.

“O movimento #InCharge é uma plataforma, um lugar para se reunir, para usar nossas conexões individuais para ajudar todas as mulheres a serem as mulheres que desejam”, diz Furstenberg. “Pensei que seria divertido trabalhar com a Amazon, que é uma plataforma grande para expor as pessoas às histórias inspiradoras de mulheres donas de negócios ​​que começaram e tiveram um sucesso significativo, [em parte] graças à Amazon.”

Como parte da parceria, a Amazon lançou uma página #InCharge, onde os consumidores podem ler histórias inspiradoras de donas de empresas e comprar seus produtos. Também é possível comprar itens de uma coleção cápsula exclusiva, bem como livros de uma lista de leitura com curadoria de von Furstenberg, disponível durante o Mês da História da Mulher.

LEIA TAMBÉM: 7 coisas nas quais as mulheres fortes acreditam

Entre as fundadoras, destacam-se as ex-concorrentes do “Shark Tank”, Sarah Ribner, da marca de desodorantes naturais Piper Wai, e Andrea Sreshta, da empresa de lanternas solares LuminAID. Outras fundadoras incluem nomes como Obia Ewah, da linha natural de tratamento capilar OBIA Naturals; Molly Hayward, da empresa de cuidados femininos orgânicos Cora; e Adva Levin, do estúdio de design de voz Pretzel Labs.

As empresas pertencentes a mulheres são uma parte vital da economia dos EUA. Entre 2014 e 2019, o número de empreendimentos femininos subiu 21%, para quase 13 milhões, e as receitas aumentaram 21%, para US$ 1,9 trilhão, de acordo com o relatório 2019 da American Express sobre o estado de empresas pertencentes a mulheres. Além disso, o número de trabalhadores americanos empregados por essas empresas cresceu 8%, para 9,4 milhões.

Mesmo assim, a captação de recursos ainda está entre os maiores obstáculos que as fundadoras enfrentam atualmente.

Apenas 3% do financiamento foi destinado a empresas fundadas por mulheres no ano passado, segundo análise do site Crunchbase. Esse índice é significativamente menor do que o citado anteriormente pela empresa Pitchbook Data, de 10%.

“Definitivamente, esse foi um grande obstáculo para mim”, diz Ribner, da Piper Wai, que vendeu mais de US$ 3 milhões desde o lançamento de seus produtos na Amazon, há três anos. “Se eu ouvia um ‘não’ seguido de feedback, considerava uma vitória porque gosto quando os investidores são diretos. Foram os ‘sim’ seguidos de silêncio que foram os mais difíceis de lidar.”

Apesar de ganhar mais de US$ 1 milhão na Amazon desde 2012 e ver crescimento a cada ano, Ewah, da OBIA Naturals, diz que também enfrentou obstáculos. “A parte mais desafiadora de administrar meu negócio como fundadora é conseguir respeito. Quando eu comecei este negócio, muitos dos meus amigos pensaram que eu estava enlouquecendo e tendo uma crise de meia idade. Eles não me levaram a sério até que outras pessoas o fizeram e então o apoio veio”, diz ela. “As pessoas não pensavam que eu sobreviveria após o primeiro ano no mercado, mas estamos comemorando oito anos de negócios em junho.”

Shreshta, que lançou e desenvolveu a LuminAID como estudante, também enfrentou desafios de financiamento. “Você precisa ser realmente criativa ao tentar financiar os negócios no começo”, diz ela. “O que precisávamos era de recursos e orientações corretos para nos ajudar a dar o próximo passo.” Shreshta e a cofundadora Anna Stork finalmente chegaram ao “Shark Tank” em 2015, assinando um acordo de US$ 200 mil em troca de 15% da empresa com o investidor e empreendedor bilionário Mark Cuban.

Ele ajudou a LuminAID a entrar no sucesso da Amazon, ajudando as fundadoras a entender como tirar proveito da plataforma. “Ele nos ajudou com tudo, desde práticas recomendadas, aprender como converter clientes, até mesmo no que fazer quando houver um retorno de produtos”, diz Shreshta.

“É bem simples e direto”, diz Cuban. “Queremos estar onde os clientes estão e ajudar nossas empresas a ter sucesso. Existem nuances para cada plataforma e tentamos ajudá-las a maximizar suas margens brutas. ”

Hoje, a LuminAID possui mais de 2.000 avaliações na Amazon e registrou três anos consecutivos de crescimento de 100% ano a ano.

A promoção de pequenas e médias empresas é uma grande parte da missão da Amazon, mesmo quando os críticos argumentam que as grandes tecnologias sufocam a concorrência e a inovação. Desde 1999, as vendas brutas de mercadorias físicas de terceiros (compostas principalmente por pequenas e médias empresas que vendem nas lojas da Amazon) cresceram para US$ 160 bilhões. Pequenas e médias empresas foram responsáveis ​​por US$ 2 bilhões em vendas durante o último “Prime Day” e 58% das vendas da empresa no ano passado, de acordo com uma carta recente aos acionistas.

“Lançamos a marca na Amazon em 2018 e foi uma jogada realmente natural para nós”, diz Hayward, da Cora. “Uma das coisas que priorizamos foi tornar a compra conveniente para nossas clientes, e colocar nosso produtos onde elas faziam compras. Vimos um aumento imediato nas vendas (especialmente com os recursos de inscrever e salvar). Sempre existe a relação de perde e ganha quando você trabalha com uma plataforma ou varejista, mas nunca sentimos o custo de estar na Amazon.”

“A Amazon se esforça continuamente para ser o melhor parceiro do mundo para pequenas empresas”, diz Nicholas Denisson, vice-presidente de pequenas empresas da Amazon. “Como parte da celebração do Dia Internacional da Mulher, estamos entusiasmados em colaborar com Diane von Furstenberg e sua iniciativa #InCharge para mostrar algumas das milhares de mulheres empresárias que trabalham conosco”.

As histórias poderosas dos desafios que essas intrépidas líderes empresariais enfrentam (e continuam a enfrentar) estão no centro da iniciativa #InCharge de von Furstenberg.

E TAMBÉM: Os indicados ao Oscar mais bem pagos de 2020: o ano das mulheres

“Algo que DVF disse que foi particularmente significativo para mim foi como podemos enfrentar uma situação em que parece que temos uma desvantagem inerente e, olhando o desafio de um ângulo diferente, transformá-lo em uma vantagem”, diz Levin, que fundou a Pretzel Labs em 2017, depois de perceber como as crianças estavam envolvidas com a Alexa (assistente virtual da Amazon). “Foi quando percebi que a voz seria uma revolução que muda fundamentalmente a maneira como interagimos com a tecnologia”.

O movimento #InCharge é, na verdade, sobre o relacionamento que você tem consigo mesmo, diz von Furstenberg. “Você pode perder tudo, mas nunca perderá seu caráter, que é realmente o núcleo de sua força. É assim que você se torna #InCharge. E depois de #InCharge, você tem voz. Depois de ter voz, é seu privilégio e dever ajudar outras pessoas a estarem no comando também.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).