Governadores enviam carta a Bolsonaro pedindo recursos para enfrentar pandemia

Pedidos também incluem alongamento dos prazos e carência de empréstimos do BNDES para micro, pequenas e médias empresas.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Valter Campanato/Agência Brasil

João Doria afirmou que o pedido é para aqueles que precisam de ajuda e proteção social neste momento

Acessibilidade


Governadores dos 26 Estados e do Distrito Federal enviaram hoje (26) uma carta ao presidente Jair Bolsonaro, na qual pedem que o governo federal disponibilize recursos às Unidades da Federação para o combate à pandemia de coronavírus, assim como alongamento dos prazos e carência de empréstimos do BNDES para micro, pequenas e médias empresas, entre outras medidas.

Na carta, os chefes dos Executivos estaduais pediram ainda a suspensão por um ano dos pagamentos das dívidas dos Estados com a União e com organismos internacionais de crédito e o pagamento das parcelas relativas à Lei Kandir.

LEIA MAIS: SP, BA, PR e MA conseguem liminares do Supremo para suspender dívidas

“Vinte e seis governadores estiveram reunidos ontem, virtualmente, e hoje o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, assinou a carta também. Portanto, agora, a totalidade dos governadores do Brasil assinou carta que está sendo encaminhada neste momento ao presidente Jair Bolsonaro com a solicitação de recursos para os Estados para priorizar, exatamente, os microempreendedores, as pequenas empresas e os mais vulneráveis, aqueles que precisam de ajuda e proteção social neste momento”, disse o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em entrevista coletiva.

Cópia da carta encaminhada pelo governo paulista à imprensa não contava com as assinaturas dos governadores de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), e de Rondônia, Coronel Marcos Rocha (PSL). A assessoria de imprensa do governo paulista, no entanto, informou que Zema e Rocha endossaram a carta, mas que, na versão enviada, ainda não constava os nomes de ambos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Alguns dos pedidos que estão na carta já haviam sido feitos pelos governadores ao presidente, assim como diretamente por Doria a Bolsonaro na véspera (25), durante reunião do presidente com governadores do Sudeste, na qual os dois trocaram farpas.

Na carta a Bolsonaro, os governadores reiteraram que seguirão “adotando medidas baseadas no que afirma a ciência, seguindo orientação de profissionais de saúde e, sobretudo, os protocolos orientados pela Organização Mundial de Saúde (OMS)” no combate à pandemia de Covid-19, doença provocada pelo coronavírus.

Este anúncio vem depois das duras críticas de Bolsonaro a medidas adotadas pelos chefes dos Executivos estaduais que restringiram a circulação de pessoas, na tentativa de conter a propagação do vírus.

Nos últimos dias, Bolsonaro afirmou que os governadores são “exterminadores de empregos” e trabalham com o conceito de “terra arrasada”. O embate provocou um isolamento do presidente em relação aos governadores, inclusive com o rompimento com Bolsonaro anunciado na véspera pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM).

VEJA TAMBÉM: Doria pede suspensão de dívidas dos Estados por 1 ano

Os signatários da carta pediram a aprovação pelo Congresso Nacional do chamado Plano Mansueto, de promoção do equilíbrio fiscal dos Estados.

A carta afirma ainda que a pandemia deve ser tratada com “bom senso, empatia, equilíbrio e união” e termina fazendo um apelo a Bolsonaro.

“Por fim, rogamos uma vez mais ao presidente Jair Bolsonaro que some forças com os governadores na luta contra a crise do coronavírus e seus impactos humanitários e econômicos. Entendemos que este momento exige a participação de todos os Poderes, de todas as instâncias federativas e de toda a sociedade. Juntos teremos mais força para superar esta grave crise.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: