SP, BA, PR e MA conseguem liminares do Supremo para suspender dívidas

Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Todas as decisões foram dadas pelo ministro do Supremo, Alexandre de Moraes

Os Estados de São Paulo, Bahia, Paraná e Maranhão conseguiram liminares nos últimos dias do Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender por seis meses o pagamento da dívida desses entes regionais com a União em razão de dificuldades de caixa decorrente da pandemia do novo coronavírus.

Com o aval do Judiciário, eles passaram a usufruir, desde já, de um benefício que a equipe econômica afirmou que estenderá a todos os Estados em função dos impactos na atividade do Covid-19.

LEIA MAIS: Doria pede suspensão de dívidas dos Estados por 1 ano

Na segunda-feira (23), o governo federal anunciou a suspensão do pagamento das dívidas, por um prazo de seis meses, dando aos Estados brasileiros um alívio de R$ 12,6 bilhões. Para valer, contudo, a investida depende de aprovação de lei complementar no Congresso.

O primeiro Estado a obter uma decisão favorável do STF foi São Paulo no domingo (22). No dia seguinte, foi a Bahia. Ontem (25), foram o Paraná e o Maranhão que obtiveram liminares. Todas as decisões foram dadas pelo ministro do Supremo, Alexandre de Moraes.

“A pandemia de Covid-19 (Coronavírus) é uma ameaça real e iminente, que irá extenuar a capacidade operacional do sistema público de saúde, com consequências desastrosas para a população, caso não sejam adotadas medidas de efeito imediato”, afirmou o ministro, nas decisões.

Moraes convocou uma audiência virtual com a União e os Estados beneficiados pela liminar para discutir o assunto.

Relator do chamado Plano Mansueto, de ajuda a Estados, o deputado Pedro Paulo (DEM-RJ) afirmou que a suspensão das dívidas pode ser proposta via emenda ao seu parecer.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).