BoE não imprimirá dinheiro para financiar luta contra coronavírus

BoE aumentou seu programa de compra de títulos em recorde de £ 200 bilhões

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
SOPA Images
SOPA Images

Bailey diz que uso de financiamento monetário prejudicaria a credibilidade no controle da inflação

Acessibilidade


O Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) não recorrerá à impressão irreversível de dinheiro para financiar um aumento nos gastos do governo, enquanto tenta proteger a economia britânica da crise dos coronavírus, disse seu presidente Andrew Bailey neste domingo.

O BoE, no mês passado, aumentou seu programa de compra de títulos em um recorde de £ 200 bilhões, semelhante aos movimentos do Federal Reserve e do Banco Central Europeu, enquanto os bancos centrais de todo o mundo lutam para limitar uma recessão profunda.

VEJA TAMBÉM: “Nós vamos vencer”, diz Rainha Elizabeth sobre o surto de coronavírus

No dia seguinte, o ministro das Finanças, Rishi Sunak, anunciou que o Estado britânico pagaria 80% do salário dos trabalhadores temporariamente demitidos pelas empresas, na esperança de fazê-los voltar ao trabalho rapidamente quando a crise diminuir.

Essa etapa histórica fez parte de uma série de medidas emergenciais que custarão ao governo pelo menos £ 60 bilhões, em um momento em que também sofrerão uma queda nas receitas tributárias.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Bailey, reconhecendo que o mundo enfrenta um “momento de grande incerteza”, disse que se oporia a quaisquer pedidos para que o BoE imprima dinheiro simplesmente para ajudar o governo.

“O uso de financiamento monetário prejudicaria a credibilidade no controle da inflação, diminuindo a independência operacional”, disse Bailey em um artigo publicado pelo Financial Times.

“Isso também resultaria em um balanço insustentável do banco central e é incompatível com a busca de uma meta de inflação por um banco central independente”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: