Ocupação em voos da Gol recua a 71,6% em março

Getty Images
Getty Images

No dia 28 de março, a Gol anunciou uma diminuição de 92% dos voos domésticos e interrupção temporária dos voos internacionais

A taxa de ocupação total dos voos da Gol caiu para 71,6% em março, de 79,3% um ano antes, em meio ao recuo de 29,7% na demanda e declínio de 22,2% na oferta, segundo dados prévios de tráfego no mês passado divulgados hoje (6), afetados pela pandemia de Covid-19, que pode levar a novos ajustes.

No mercado doméstico, a taxa de ocupação caiu para 72,8% (ante 79,8% um ano antes), com declínio de 27,4% na demanda e retração de 20,4% na oferta. Entre 1 e 13 de março, antes das primeiras medidas da companhia relacionadas ao coronavírus, a ocupação nos voos domésticos era de aproximadamente 82%, disse a Gol.

LEIA MAIS: Gol e Azul fazem corte drástico em oferta de voos

A queda na taxa de ocupação dos voos internacionais da área foi ainda maior, para 63,8%, de 76,2% em março do ano passado, com um tombo de 42,9% na demanda e baixa de 31,7% na oferta.

“Ao longo do mês de março, a malha aérea da Gol foi ajustada, tanto no mercado doméstico quanto no internacional, para atender à diminuição da demanda de clientes, à medida que os brasileiros adotam medidas responsáveis de distância social e evitam viagens durante a pandemia de Covid-19”, afirmou.

No dia 16 de março, a Gol reduziu os voos domésticos em 50% a 60% e os voos internacionais em 90% a 95%. A partir de 28 de março, a malha foi reformulada, em ajuste que representou uma diminuição de 92% dos voos domésticos e interrupção temporária dos voos internacionais.

“Novos ajustes serão feitos para garantir aderência da oferta aos novos patamares de demanda”, afirmou.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).