Latam inclui subsidiária brasileira em pedido de recuperação judicial

Rodrigo Garrido/ Reuters
Rodrigo Garrido/ Reuters

Empresa disse que continuará operando normalmente durante processo de recuperação judicial

A Latam Airlines, a maior companhia aérea da América Latina, disse hoje (9) que incluiu sua unidade no Brasil em seu pedido de recuperação judicial, acrescentando que concluiu uma proposta de financiamento perante um tribunal de Nova York.

“A decisão da Latam Airlines Brasil de ingressar no Chapter 11 é um passo natural diante do prolongamento da pandemia de Covid-19, que facilitará seu acesso à proposta de financiamento do DIP (Devedor em Posse). Durante todo o processo, a subsidiária brasileira continuará voando normalmente”, afirmou.

LEIA MAIS: Latam pede recuperação judicial nos Estados Unidos

A Latam está captando recursos através do DIP depois de pedir recuperação judicial sob o Chapter 11 da lei de falências dos EUA no final de maio.

“A tranche A totaliza US$ 1,3 bilhão e foi comprometida pela Oaktree Capital Management e suas afiliadas. Esta proposta deve ser revisada e aprovada pelo tribunal de Nova York nos próximos dias”, afirmou em comunicado.

O financiamento obtido é adicional aos US$ 900 milhões (tranche C) da Qatar Airways e pelas famílias Cueto e Amaro.

A tranche C inclui uma expansão de US$ 250 milhões que pode ser subscrita por outros acionistas no Chile, uma vez que seja aprovada pelo tribunal.

A empresa acrescentou que, com esses recursos, espera que não seja necessário exigir apoio financeiro dos governos da região. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).