Negócios de Trump podem se beneficiar de derrota na eleição

Por conta da quebra de alguns contratos e do fim de sua participação televisiva, o presidente termina seu mandato com US$ 1 bilhão a menos do que no dia da posse.

Dan Alexander e Chase Peterson-Withorn
Compartilhe esta publicação:
AlexWong/Getty Images
AlexWong/Getty Images

Trump termina seu mandato com US$ 1 bilhão a menos do que no dia da posse

Acessibilidade


Donald Trump viu sua corrida presidencial em 2016 como uma espécie de ferramenta de marketing para o seu negócio. “Você sabe, de certa forma, isso dá valor à marca”, disse o líder republicano em setembro de 2015, refletindo sobre sua liderança inicial nas pesquisas. “Eu não falo sobre isso.”

No entanto, ele falou sobre isso. Não apenas com a Forbes, mas com sua equipe, incluindo o ex-advogado Michael Cohen. “Trump costumava dizer que essa campanha seria o maior infomercial da história política”, Cohen testemunhou perante o Congresso. “Ele nunca esperava vencer a primária. Ele nunca esperou ganhar a eleição geral. A campanha para ele sempre foi uma oportunidade de marketing.”

LEIA TAMBÉM: Durante mandato, Donald Trump vendeu US$ 118 milhões em propriedades imobiliárias

A política realmente provou ser uma oportunidade de marketing para Trump —mas não tão lucrativa assim. Ao concorrer, Trump basicamente garantiu que não continuaria ganhando dinheiro com o programa televisivo “O Aprendiz”, que foi ao ar de 2004 a 2015 e deu a ele US$ 214 milhões. Nos primeiros dias da campanha de 2016, os parceiros de licenciamento de produtos do então candidato se distanciaram depois de alguns comentários polêmicos sobre os imigrantes mexicanos. Pouco antes de assumir o cargo, Trump abandonou dezenas de negócios em potencial. Quando ele estava na Casa Branca, os lucros despencaram em propriedades, como o resort de golfe Trump National Doral, em Miami. Ele agora vale cerca de US$ 2,5 bilhões, US$ 1 bilhão a menos do que no dia da posse.

Tudo isso coloca o presidente em uma situação interessante. Sim, ele perdeu a eleição, de acordo com todos os principais veículos de notícias, o que significa que, em breve, perderá outras vantagens presidenciais, como exercer poder sobre os credores e receber proteção de promotores federais. Mas, ele ganhará algo também: a oportunidade, nos próximos anos, de recuperar seus milhões. Não é um prêmio de consolação ruim.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O próprio Bill Clinton demonstrou uma maneira de lucrar depois de deixar o cargo. Quando o 42º presidente deixou a Casa Branca, em 2001, ele estava basicamente sem dinheiro, devendo milhões em honorários advocatícios. Clinton rapidamente encontrou uma maneira de ganhar dinheiro fazendo palestras, cobrando inicialmente US$ 125 mil para um discurso em uma sede da Morgan Stanley em 5 de fevereiro de 2001, apenas 16 dias depois de deixar o cargo. Ao final de 2015, Clinton ganhou cerca de US$ 106 milhões apenas falando. Trump pode claramente atrair grandes multidões. Por que não cobrar dinheiro para isso?

Como uma segunda opção, há o campo literário. Clinton ganhou cerca de US$ 38 milhões entre 2001 e 2015 trabalhando como autor, inclusive com seu livro de memórias “My Life”. O atual chefe dos Estados Unidos não é conhecido por suas proezas literárias, mas já lançou mais de uma dúzia de livros, tornando-se um dos bilionários mais publicados dos EUA. Considerando tudo o que viu no cargo, Trump deve ter muito material novo para publicações.

Na televisão, Trump também parece ter possibilidades virtualmente infinitas. Ele poderia, teoricamente, voltar ao reality show. Talvez houvesse uma oportunidade de julgar aprendizes políticos? Ou ele poderia apresentar um programa de notícias. É quase certo que Trump fará com que suas opiniões sejam ouvidas —por que não ser pago por isso? Existem até rumores de que a família do presidente considerou comprar ou criar sua própria estação.

Trump sabe tão bem quanto qualquer pessoa que o sucesso na televisão pode levar a outras oportunidades. Talvez alguns parceiros de licenciamento de produtos tenham interesse em seu nome novamente. Os líderes empresariais estrangeiros já indicaram que estariam ansiosos para fechar novos negócios. “A torre estará pronta para a marca Trump”, disse um dos ex-parceiros de negócios do presidente à Forbes em 2017, “se a marca Trump estiver pronta para voltar à torre.”

Essas oportunidades estariam esperando por Trump, independentemente de quando sua presidência termine. Mas, como qualquer investidor lhe dirá, o dinheiro amanhã vale mais do que a mesma quantia quatro anos depois. Especialmente para um homem de 74 anos que não tem a eternidade para aproveitar sua fortuna.

Trump, ao contrário de Clinton, deixará o Salão Oval como dono de um negócio que vale bilhões. Mas a presidência prejudicou sua marca. Com uma dose de otimismo, Trump pode se espelhar em outro ex-presidente, George W. Bush. Quando Bush deixou a Casa Branca em 2009, seu índice de aprovação era de apenas 34%, 12 pontos pior do que Trump está atualmente, de acordo com a Gallup. Nove anos depois, em 2018, uma pesquisa da CNN mostrou que 61% dos americanos pensavam favoravelmente em Bush. Em um período mais curto, a favorabilidade de Barack Obama saltou de 59% no dia em que ele deixou o cargo para 66% em 2018.

VEJA MAIS: Os 10 bilionários que mais enriqueceram durante o governo Trump

9Um reboot de reputação ajudaria as propriedades mais voltadas para o consumidor, como o Trump National Doral, onde os lucros —medidos como ganhos antes de juros, impostos, depreciação e amortização– caíram de US$ 13,8 milhões em 2015 para US$ 4,3 milhões em 2017. Se o presidente recuperar, digamos, 75% dos ganhos que desapareceram em seu primeiro ano como presidente, isso somaria outros US$ 7,2 milhões por ano. O mesmo princípio se estende ao hotel Trump, em Chicago, onde o lucro caiu de US$ 16,6 milhões em 2015 para US$ 1,8 milhão em 2018, segundo documentos obtidos pelo “Washington Post”.

Perder a eleição também pode ajudar o portfólio de condomínios de Trump em Nova York. Em um prédio na esquina da 59th Street com a Park Avenue, onde o presidente possui cerca de 17 apartamentos no valor total de US$ 100 milhões, os valores caíram cerca de 32% de 2015 a 2019. Os preços de venda de outros apartamentos de luxo em Manhattan, entretanto, aumentaram 15% durante o período. Não é difícil discernir o motivo: o presidente, que obteve apenas 14% dos votos em Manhattan nesta eleição, é amplamente odiado em sua cidade natal. Se o desdém diminuir ao longo dos anos e Trump adicionar, digamos, 10% do valor de sua propriedade na Park Avenue, isso aumentaria seu patrimônio líquido em cerca de US$ 10 milhões.

A presidência deu a Trump a oportunidade de se beneficiar dos fundos do contribuinte. Isso não vai necessariamente desaparecer quando ele deixar o cargo. Em seus primeiros cinco meses como presidente, ele visitou suas propriedades o suficiente para que o Serviço Secreto gastasse US$ 254 mil em seus negócios, de acordo com documentos obtidos por um grupo sem fins lucrativos chamado Property of the People. Não está claro exatamente quanto dinheiro do governo fluiu para o império Trump desde então. O Serviço Secreto, que também protege ex-presidentes, deve continuar a frequentar os negócios de Trump depois que ele deixar a Casa Branca, especialmente porque ele declarou seu clube de Mar-a-Lago como residência oficial. Se o Serviço Secreto gastar um quarto da taxa que gastava nos primeiros meses da presidência de Trump —e o presidente viver 93 anos, como seu pai— a agência pode acabar pagando mais US$ 2,9 milhões para suas propriedades.

A vitória de Trump em 2016 não foi completamente ruim para seu negócio, o que significa que uma derrota em 2020 também não será totalmente boa. Para começar, perder abrirá a possibilidade de que os promotores federais possam indiciar Trump, que foi protegido por uma opinião legal que sugere que presidentes em exercício não podem ser processados ​​por crimes federais. O presidente também terá que lidar com o promotor distrital de Manhattan e o procurador-geral do estado de Nova York, que estão investigando as finanças de Trump.

Além de questões jurídicas, existem algumas propriedades que podem sofrer com sua derrota. Seus condomínios em Nevada, por exemplo, onde o presidente é mais popular do que em Nova York. Quem sabe se isso vai continuar quando Trump deixar o cargo? Ele também presumivelmente perderá clientes no hotel em D.C., incluindo alguns lobistas e autoridades estrangeiras em busca de influência.

Grande parte da pressão que os negócios de Trump enfrentam tem a ver com dívidas. Em seu hotel em D.C., o presidente garantiu uma hipoteca de US$ 170 milhões do Deutsche Bank. Esse empréstimo vence em 2024. É apenas uma parte dos mais de US$ 1 bilhão inclinados contra a carteira do presidente. Os credores de Trump esperam que seus negócios valham cerca de US$ 900 milhões de 2021 a 2024.

Alcançar essa quantidade de dinheiro provavelmente exigirá alguma combinação de venda de ativos e refinanciamento. Um parceiro de empréstimo natural seria o Deutsche Bank, que atualmente atua como credor do presidente em dívidas de aproximadamente US$ 340 milhões. Porém, pouco antes da eleição, surgiu um relatório informando que o banco alemão esperava romper os laços com Trump, algo que seus executivos acreditavam que seria mais fácil de fazer se ele não fosse mais presidente. Felizmente para Trump, ele pode ter menos problemas para encontrar outros credores no próximo ano, uma vez que esteja livre do enxame de preocupações éticas que vem com o transporte de um negócio multibilionário para a Casa Branca.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: