Perdas na safra 2021/22 podem ficar acima de 20 mihões de toneladas de soja

A produção de soja estimada atualmente pela Cogo está abaixo do recorde de 137,3 milhões de toneladas da safra passada.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Produção de soja
Produção de soja

A safra de inverno (segunda) está estimada em 88,7 milhões de toneladas

Acessibilidade


A estimativa de safra de soja do Brasil 2021/22 sofreu nova revisão devido a problemas relacionados à seca nos Estados do Sul e em Mato Grosso do Sul, com a produção do país ficando 20,7 milhões de toneladas abaixo das previsões iniciais (ou -14,2%), de acordo com relatório da Cogo Inteligência em Agronegócio.

Segundo a consultoria, a colheita de soja do Brasil está estimada em 125 milhões de toneladas, 6 milhões abaixo de projeção de 131 milhões de toneladas apontada pela Cogo no mês passado, que já considerava parte das perdas.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

E novas revisões não estão descartadas, à medida que a colheita evolui, disse Carlos Cogo, em relatório enviado à Reuters.

Além da Cogo, outras consultorias privadas anunciaram revisões para baixo nas safras de soja e milho esta semana. O volume estimado pelo analista, de 125 milhões de toneladas, está entre os mais baixos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A atual projeção contabiliza as quebras consolidadas até 31 de janeiro e está também muito abaixo dos volumes divulgados no mês passado por órgãos oficiais, como a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que apontou ainda um recorde de 140,5 milhões de toneladas.

A Conab deverá atualizar seus números no próximo dia 10.

A produção de soja estimada atualmente pela Cogo está abaixo do recorde de 137,3 milhões de toneladas da safra passada (2020/2021).

A consultoria também revisou dados para a primeira safra de milho, cuja quebra ante a projeção inicial está estimada preliminarmente em 7,7 milhões de toneladas (-26,4%), para 21,5 milhões de toneladas.

Para a produção total de milho nas três safras nacionais de 2021/2022, a projeção da consultoria foi revisada de 120,8 milhões de toneladas em novembro para 112,2 milhões de toneladas, uma redução de 7,1%.

A safra de inverno (segunda) está estimada em 88,7 milhões de toneladas, com 2 milhões de toneladas na terceira.

“A confirmação de uma safra recorde de milho em 2021/2022 dependerá da segunda safra”, disse Cogo.

Segundo os dados, o recorde para a colheita total de milho foi visto em 2019/20, com 102,6 milhões de toneladas.

Cogo disse ainda que, diante da redução da safra de soja, a tendência é de preços em alta.

“Com as quebras no Brasil, os prêmios estão positivos e em alta nos portos brasileiros”, comentou.

Com a redução nas estimativas para o milho e soja, disse Cogo, a atual projeção para a safra brasileira de grãos e oleaginosas do país em 2021/2022 é de 270 milhões de toneladas, uma perda de 30 milhões de toneladas (-10%) ante a expectativa inicial.

Compartilhe esta publicação: