Lockdowns contra Covid-19 na China mantêm analistas de safras longe dos campos

Compartilhe esta publicação:

PEQUIM (Reuters) – Traders e corretores de grãos na China, segundo maior produtor de milho do mundo, estão lutando para fazer previsões para a safra do cereal deste ano, já que as restrições contra a Covid-19 impedem viagens para as principais áreas de cultivo para avaliação.

Acessibilidade


A safra de milho da China é uma das mais observadas do mundo, depois que o mau tempo e a escassez de oferta fizeram os preços dispararem no ano passado.

As importações de milho em 2021 triplicaram em relação ao ano anterior, e os compradores também estocaram trigo e outros grãos do exterior para substituir o caro milho doméstico, elevando os preços globais.

Mas este ano, uma dúzia de comerciantes, corretores e consultores contatados pela Reuters disseram que não conseguiram fazer suas habituais visitas de inspeção de safras ao cinturão de grãos do nordeste da China para avaliar o progresso do plantio.

Os passeios de uma semana de duração, normalmente organizados desde o início da estação de cultivo na China, fornecem informações para especialistas avaliarem a saúde de uma colheita e preverem o tamanho e a qualidade de uma colheita.

Mas com grande parte da China sob alguma forma de bloqueio, enquanto tenta conter a disseminação da Covid-19, as viagens estão suspensas, inclusive para dezenas de analistas baseados principalmente nas principais cidades de Pequim e Xangai.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Você tem que levar muitas coisas em consideração. Testes diários de Covid, se você vai conseguir sair da estrada, em quais hotéis você pode ficar, qual rota você pode tomar. É muito arriscado”, disse um analista em uma consultoria que cancelou as viagens de safra deste ano para plantio de milho e colheita de trigo.

O analista se recusou a ser identificado em razão da sensibilidade de falar sobre a política de zero Covid da China.

Um lockdown de semanas em importantes províncias produtoras de grãos no nordeste atrasou o fornecimento de fertilizantes na primavera e fez com que alguns agricultores não pudessem plantar milho a tempo.

CHAMADO A AGRICULTORES

O plantio da primavera tem sido “suave em geral”, de acordo com a mídia estatal, que disse nesta semana que os produtores terminaram 90% do plantio de milho da primavera e 50% do de soja — mais rápido do que no ano passado em 1,8 ponto percentual.

O Ministério da Agricultura disse na quinta-feira que espera que a área plantada de milho caia 1,8% na safra 2022/23, já que alguns agricultores mudaram para a soja, embora a produção seja um pouco maior do que há um ano com base em bons rendimentos.

(Por Hallie Gu e Dominique Patton)

Compartilhe esta publicação: