O que o bilionário por trás do filme “Contágio” está fazendo para impedir novas pandemias

Getty Images
Getty Images

Jeff Skoll fez uma parceria com a Warner Brothers para lançar “Contágio”, ele esperava alertar o mundo sobre os perigos de uma pandemia

Há nove anos, a produtora de filmes Participant Media de Jeff Skoll fez uma parceria com a Warner Brothers para lançar “Contágio”, um filme sobre uma pandemia global que começou com o vírus de um morcego. Uma empresária americana (interpretada por Gwyneth Paltrow) chegou em casa depois de uma viagem à China e, sem saber, espalhou a nova e mortal doença. Enquanto muitos viam o filme como pura ficção científica, Skoll tinha segundas intenções. Ele esperava que a obra ajudasse a criar apoio para o financiamento dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, e também alertar o mundo sobre os perigos potenciais de uma pandemia global.

Skoll, 55 anos, tornou-se bilionário há pouco mais de duas décadas, como resultado das ações que recebeu como primeiro presidente do eBay. Ele deixou o eBay em 2001 e, desde então, coproduziu mais de 100 filmes e programas de TV, todos com temas socialmente relevantes, incluindo o documentário sobre mudanças climáticas “Uma Verdade Inconveniente”, com Al Gore; o documentário sobre agricultura industrial “Food Inc.”, a minissérie “Olhos que Condenam” e o vencedor do Oscar de melhor filme em 2016, “Spotlight”, sobre as investigações do “The Boston Globe” sobre abuso sexual infantil por padres católicos.

VEJA TAMBÉM: Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, e fique por dentro de tudo sobre empreendedorismo

Embora sua paixão por fazer filmes praticamente tenha parado temporariamente devido as ordens de isolamento social da Califórnia, seu filme de 2011, “Contágio”, tornou-se o hit obrigatório da pandemia em casa –é o título mais vendido do momento até o momento neste ano, de acordo com a Warner Brothers, distribuidora do filme –que não diz o número de vezes que o filme foi alugado ou vendido. No final de março, a produtora Participant, o roteirista de “Contágio” Scott Z. Burns, e o diretor Steven Soderbergh trabalharam com Matt Damon, Kate Winslet, Laurence Fishburne e outros membros do elenco para produzir anúncios públicos de serviço sobre como lavar as mãos e ficar em casa.

Além de apoiar um filme sobre uma pandemia, Skoll tem financiado a preparação e a prevenção de pandemias desde 2009 –seis anos antes do conhecido aviso de Bill Gates sobre elas, em uma palestra do TED–, através da fundação Skoll Global Threats, ao qual ele prometeu US$ 100 milhões. O fundo também se destina a mudanças climáticas, escassez de água, armas nucleares e conflitos no Oriente Médio.

Desde o início deste ano, Skoll contribuiu com US$ 200 milhões adicionais para sua fundação –dos quais US$ 100 milhões foram anunciados no final de abril e serão destinados ao combate à Covid-19. Ele investiu os outros US$ 100 milhões no início deste ano, disse à Forbes, acrescentando que não se preocupou em divulgá-lo. “Não vejo isso como uma fonte de dinheiro”, explica Skoll. “Essa é uma alocação de recursos para uma área que conhecemos bem. E isso é uma emergência.”

Recentemente expandida, a Fundação Skoll prometeu quadruplicar suas doações neste ano para US$ 200 milhões. Os novos beneficiários em 2020 incluem algumas das pessoas mais pobres de Los Angeles e o programa de rastreamento de contatos que está sendo lançado em toda a Califórnia. “Este é o dia ruim para o qual todos estávamos poupando”, diz Skoll sobre suas doações. “Se não agora, quando?”

Ele trabalha até 20 horas por dia em sua cozinha em Beverly Hills –em uma ligação no início de junho, ele brinca que é seu “centro de comando”, equipado com dois iPads, um MacBook e alguns dispositivos bluetooth–, conversando com as pessoas em todo o mundo, tomando o pulso da pandemia e pesquisando indivíduos, organizações e empresas com novas ideias. “Apenas a ciência, o aprender sobre o vírus –quase todos os dias há revelações novas que não sabíamos”, diz Skoll.

A pesquisa de pandemias que a Skoll começou a financiar através do Skoll Global Threats Fund resultou em uma organização sem fins lucrativos chamada Ending Pandemics em janeiro de 2018, com uma doação inicial de Skoll. “É sobre detecção precoce e resposta rápida”, diz o Mark Smolinski, presidente da Pandemics.

LEIA MAIS: Amazon lançará fundo de US$ 2 bilhões para investir em energias limpas

Skoll soube do novo coronavírus no início de dezembro, quando tudo começou. “Tínhamos colegas em Wuhan. Tínhamos a ideia de que uma doença zoonótica migrou para os seres humanos”, diz ele. Em janeiro, ele e sua equipe começaram a se preocupar com países com vínculos comerciais com a China –principalmente na África, onde alguns dos empreendedores sociais que a Fundação Skoll apoia, estavam trabalhando.

No início de fevereiro, a Fundação Skoll fez sua primeira doação relacionada ao Covid-19: US$ 3 milhões para a African Field Epidemiology Network, um grupo que trabalha com o Centro Africano de Controle e Prevenção de Doenças para ajudar a coordenar a resposta à pandemia nos países africanos e para aumentar a vigilância e a detecção. A Fundação Bill & Melinda Gates doou para o mesmo grupo na mesma época. Começando com essas duas bolsas, diz o diretor do centro de pesquisa da África, John Nkengasong, “conseguimos mandar pessoas rapidamente a Addis Abeba [para treinamento] e enviá-las para a Nigéria e Camarões. Conseguimos ampliar o diagnóstico.” Seguiram-se também mais fundos de outros lugares, incluindo a Fundação MasterCard, Alemanha, Suécia, Reino Unido e EUA.

Em março, ele fez uma doação à fundação Southern African Center for Infectious Disease Surveillance e a um grupo similar na África Oriental. Um resultado: Moçambique, que tinha a infraestrutura para testar Covid-19, mas limitava o dinheiro para comprar testes, conseguiu os fundos necessários e aumentou os testes em quatro vezes, segundo Smolinski.

O passo seguinte da fundação Skoll foi criar rapidamente um fundo para seus atuais e antigos donatários –principalmente para os empreendedores sociais. Sessenta e quatro organizações no mundo receberam doações de US$ 50 mil. “Achamos que eles precisariam de financiamento de emergência”, explica Skoll.

Embora a Fundação Skoll tenha tradicionalmente apoiado empreendedores sociais que trabalham em países de baixa renda, nos últimos meses, fez algumas doações mais perto de casa. Uma vez que o estado de Los Angeles foi gravemente afetado pela pandemia, Skoll procurou o prefeito de Los Angeles, Eric Garcetti, para oferecer assistência. No final de abril, sua fundação fez um presente de US$ 2 milhões para o Mayor’s Fund em Los Angeles, que presta assistência em dinheiro às famílias mais atingidas pelo Covid-19.

Skoll também se conectou com o governador da Califórnia, Gavin Newsom, e sua consultora sênior em inovação social, Kathleen Kelly Janus. A Skoll Foundation está doando US$ 8 milhões para apoiar a resposta da Califórnia à Covid-19, começando com US$ 4,1 milhões para a campanha de conscientização pública sobre rastreamento de contatos, que Janus diz que “será realmente fundamental para impedir uma segunda onda da Covid-19”.

A equipe de Smolinski, que já havia feito parceria com Harvard e o Hospital Infantil de Boston para criar um rastreador de relatórios de sintomas chamado Flu Near You (ou Gripe Perto de Você) em 2012 para mostrar tendências de gripe em bairros e cidades, e lançou o Covid Near You no início de março. O aplicativo permite que as pessoas relatem anonimamente se estão se sentindo saudáveis ​​ou não, com informações do código postal, como uma maneira de rastrear epicentros atuais e potenciais.

LEIA MAIS: “Hamilton”, de Lin-Manuel Miranda, se torna uma das peças mais lucrativas da Broadway

A Ending Pandemics fez parceria com governos e autoridades de saúde pública em 36 países (incluindo o Brasil) –dos quais 11 países usam sistemas de vigilância que Smolinski diz estarem “atualizados”. Um deles é o Camboja, um país de 14 milhões de pessoas, onde todas as quatro empresas de telecomunicações suportam um aplicativo móvel gratuito que recebe informações sobre doenças e fornece informações. As ligações passaram de 600 por dia antes da pandemia para 15 mil, e a grande maioria dos casos de Covid-19 no país foram identificados pela linha direta, diz Smolinski. O Camboja, país que aceitou um navio de cruzeiro que ninguém mais queria, até agora tem apenas 129 casos e nenhuma morte, acrescenta ele.

Por meio do Audacious Project, um grupo filantrópico com cerca de 30 membros lançado pelo curador de conferências do TED Talk Chris Anderson, com Jeff Skoll, Richard Branson e outros, eles estão apoiando o Partners in Health, com sede em Boston, que respondeu à crise de Ebola em 2014. A doação multimilionária para o Audacious Project permite que a Partners in Health compartilhe sua experiência em rastreamento de contatos durante o próximo ano com aproximadamente 19 departamentos de saúde pública nos EUA. “Começamos ajudando o estado de Massachusetts a montar um sistema de rastreamento de contatos, e todo mundo queria para saber o que estávamos fazendo ”, diz Joia Mukherjee, diretora médica da Partners In Health. “Esse financiamento nos permitiu expandir nossa equipe. O que esperamos é que o dinheiro estadual e federal seja entregue.” Mukherjee aplaude a abordagem de Skoll à filantropia. “Jeff sempre foi um pensador de sistemas, e isso foi transformador para a Partners In Health”, diz ela.

Skoll também contribuiu com financiamento para um ambicioso projeto global chamado Global Infectious Disease Epidemiology Network (GIDEoN) liderado pelo epidemiologista da Universidade da Columbia, Ian Lipkin, que dirige o Centro de Infecção e Imunidade da universidade. Lipkin alinhou o equivalente aos Institutos Nacionais de Saúde de 12 países, incluindo Índia, Brasil e China, e juntos compartilharão informações sobre surtos e amostras de doenças. Com o GIDEoN, Lipkin explica, “estamos tentando melhorar a capacidade de detectar agentes infecciosos e toxinas, principalmente nos países em desenvolvimento”.

Embora Skoll esteja comprometido com a filantropia global há quase duas décadas, ele agora tem uma razão ainda mais pessoal para se envolver na luta contra doenças mortais. Enquanto trabalhava com o Ebola em 2014, ele contraiu uma doença tropical rara que levou dois anos para ser diagnosticada. Ele tirou uma licença médica de 18 meses e está se sentindo melhor agora.

Apesar de muitos desafios, Skoll é otimista, mesmo em relação a pandemias. Sim, o número de casos provavelmente aumentará à medida que os estados dos EUA se abrirem novamente, diz ele. Mas ele espera que um tratamento para a Covid-19 –um medicamento existente– possa funcionar e ser ampliado para distribuição em algum momento nos próximos meses. “Espero que possamos implementar as soluções nos próximos meses. Eu vejo um caminho para isso”, diz ele.

Quanto a futuras pandemias, Skoll vê um lado positivo. “Existem tantos vírus zoonóticos que migram de animais para humanos. A maioria deles desaparece e se transforma em algo menos letal. Não acho provável que tenhamos uma nova pandemia terrível tão cedo, diz Skoll. “Se alguma coisa foi útil, o mundo está de olho agora.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]rbes.com.br).