PIB chinês vem fraco e não surpreende

Getty Images
PIB chinês recuou, mas não surpreendeu

Os principais índices de ações chineses encerraram perto da estabilidade após a divulgação do PIB, o Produto Interno Bruto, daquele país. O dado era aguardado também por investidores em todo o mundo.

Segundo o escritório nacional de estatísticas chinês, o indicador subiu, no ano passado, 6,1%. O crescimento veio com uma desaceleração dentro das expectativas, depois de ter registrado 6,6% em 2018.

LEIA TAMBÉM: Ibovespa oscila e fecha com alta

No quarto trimestre de 2019, o avanço do PIB chinês foi de 6,0%. Apesar das medidas de estímulo à Economia adotadas pelo governo, a guerra comercial com os Estados Unidos impactou o crescimento da China.

Nas bolsas asiáticas, índice Shangai Composite (China) subiu 0,05% aos 3.075 pontos, Shenzen (China) caiu 0,12% aos 10.954 pontos, Nikkei (Japão) avançou 0,45% aos 24.041 pontos e Kospi (Coreia) teve valorização de 0,11% aos 2.250 pontos.

Nos EUA, os índices futuros têm alta e na europa, as principais bolsas também operam no positivo.

Aqui no Brasil, o pregão de ontem (16) foi marcado por forte oscilação do Ibovespa diante da carregada agenda econômica do dia e com fuga de investidores para os mercados de câmbio e de ativos estrangeiros.

Hoje, a FIPE, Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, divulgou a inflação medida pelo IPC, que subiu 0,41% na segunda quadrissemana de janeiro, mostrando recuo em relação à primeira quadrissemana, quando apontou inflação de 0,78%.

****

Luciene Miranda é jornalista especializada em Economia, Finanças e Negócios com coberturas independentes na B3, NYSE, Nasdaq e CBOT

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).