11 dicas para ser um bom líder em meio à crise do coronavírus

Getty Images
Getty Images

Em meio a um cenário de crise, um bom lider precisa se reinventar e se adaptar para manter o controle sobre a organização

A realidade da vida pós-Covid-19 ainda não tem muita forma e as consequências da pandemia para negócios, organizações, economia e sociedade vão se arrastar pelo restante de 2020 e além. No momento, precisamos realmente de liderança inteligente, orientada por valores e focada. Lembre-se do velho ditado: “Crise não constrói caráter, revela.”

Há 18 meses, eu e meu amigo John Hillen publicamos um livro sobre liderança intitulado “What Happens Now?” (“O que Acontece Agora?” em tradução para o português). O argumento principal da obra é que os líderes, mesmo (e especialmente) os bem-sucedidos, devem se reinventar e mudar a si mesmos ou correm o risco de perderem o controle sobre seus negócios. Independentemente do quão eficaz tenha sido ontem, descobrirá que hoje e amanhã provavelmente haverá novas e diferentes exigências para liderar. Caso não consiga se reinventar e se adaptar, você e sua organização irão parar e falhar.

VEJA MAIS: Tudo sobre o coronavírus

Não existe um manual para a liderança quando as apostas são altas e certamente não existe um guia de o que fazer diante de uma pandemia do século 21. Todos estão enfrentando ameaças em várias frentes ao mesmo tempo: a si próprio, família, funcionários, clientes, fornecedores e parceiros de negócios, sistemas governamentais e financeiros e potencialmente o tecido social. Mesmo o reitor da Harvard Business School só pode oferecer algumas boas ideias para as empresas que enfrentam essa nova realidade, mas nenhuma solução mágica.

Logo, o que fazer se for responsável por uma equipe, organização ou empresa? Veja, na galeria de imagens a seguir, algumas sugestões:

  • 1. Informe-se

    Isso significa ir além de apenas assistir ao noticiário da TV. Não se deixe levar pelo sensacionalismo e não o projete nos outros. Uma boa fonte para monitorar é o relatório diário de situação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

    Getty Images
  • 2. Reconheça as mudanças

    Nos negócios, as coisas mudam diariamente ou até de hora em hora. A realidade de hoje é diferentes do que na segunda-feira e muito diferent da semana passada. Seja flexível, adaptável e esteja disposto a fazer escolhas difíceis. Ninguém tem uma bola de cristal, mas leia as implicações macroeconômicas do seu negócio, indústria e setor para que possa tomar melhores decisões.

    Getty Images
  • 3. Atente-se à segurança de todos pelos quais é responsável

    Certifique-se de ter protocolos e expectativas comerciais claros e os ajuste conforme necessário. Trabalhar em casa é apenas o primeiro passo: o que mais precisa acontecer em sua organização para que os indivíduos se sintam seguros, engajados, informados e úteis? Um dos meus clientes, talvez o CEO mais “durão” de todos e líder de uma empresa global agressivamente orientada para vendas, passou os primeiros 20 minutos de seu discurso na semana passada ressaltando que o que mais importava para ele era que seu pessoal se sentisse fisicamente e psicologicamente seguro. Isso não é algo delicado; fazer os funcionários se sentirem dessa forma é um dos seus trabalhos mais importantes como líder.

  • 4. Crie um plano claro para sua organização

    Vários de meus clientes CEOs insistiram na importância de “pensar globalmente e agir localmente” –isto é, esboçar planos de forma mais detalhada possível a longo prazo (pelo menos até o final do terceiro trimestre) reconhecendo que haverão muitas mudanças, mas, ao mesmo tempo, concentrar-se extremamente em seu plano de ação, semana a semana e até mesmo dia a dia. As coisas estão mudando em um ritmo inacreditável. Crie um conjunto tático de etapas para essa nova maneira de trabalhar, pense estrategicamente, conduza (e reconduza) o planejamento do cenário –Planos B, C e D– e esteja disposto a se adaptar rapidamente. Se você já se perguntou como é realmente o “VUCA” (acrônimo inglês que significa volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade), é isso.

  • 5. Certifique-se de impulsionar sua equipe

    Você não está sozinho, não deve tentar ser um super-herói e, como observou um dos meus mentores, “todos nós somos mais inteligentes do que qualquer um de nós”. Reúna sua equipe para garantir o alinhamento de planos, prioridades e contingências de modo a envolvê-los no planejamento desse cenário. Trabalhe com os integrantes para diferenciar os “realmente importantes dos meramente urgentes” –e ajude-os a fazer o mesmo com seus times. Pergunte como eles e suas famílias se sentem a fim de ajudar a garantir que todos estejam utilizando sua inteligência emocional para liderar e gerenciar da maneira correta. Mesmo em tempos “normais”, trabalhar com equipes remotas apresenta desafios extras e essas são ótimas sugestões para fazer os grupos virtuais funcionarem.

  • 6. Invista em comunicação

    Como meus amigos e clientes me ouvem dizer com frequência: “Nenhum executivo já foi criticado por excesso de comunicação”. Você deve se comunicar com credibilidade, otimismo e ser realista, mas positivo. Com a maioria das pessoas trabalhando remotamente, configure várias e novas maneiras de manter contato. Como líder, preste atenção ao seu estilo e estratégias de diálogo, seja deliberado e o mais “visível” possível. Defina o tipo e a frequência de comunicação certos para sua organização (talvez um pequeno town hall semanal seja eficiente), seja claro e específico com suas mensagens (o que os indivíduos precisam ouvir?) e não tenha medo de repetir os principais temas. Ajude as pessoas a se concentrarem no que elas podem controlar: não é um momento ruim para praticar uma liderança estóica.

  • 7. Seja criterioso em sua comunicação formal com toda a empresa

    Churchill não fazia discursos de rádio diários, mesmo no auge da Segunda Guerra Mundial, e você também não deve. Embora os CEOs e outros líderes empresariais devam garantir que a comunicação geral da empresa seja aumentada, eles não devem exagerar nas ligações pessoais ou nos e-mails com cópia para toda a empresa. Ao invés disso, deve-se analisar regularmente os relatórios diretos nas mensagens que transmitem de fato o que a companhia está fazendo e como o pessoal deve responder, inclusive conforme as circunstâncias mudam. Todos os líderes da organização devem contar a mesma história, com confiança, compaixão e otimismo: de que maneira se manter seguro, trabalhar coletivamente e garantir que todos estejam focados no que é mais essencial para a empresa e seus clientes.

    Getty Images
  • 8. Encontre novas maneiras de criar conexões

    Comunique o máximo que puder, especialmente informalmente, e certifique-se de que os funcionários possam contar com você: nada é pior do que um líder que desaparece quando a situação se torna difícil. Esteja disponível e se sinta à vontade para falar sobre preocupações pessoais e profissionais. Se sua organização não usa videoconferência, agora é a hora de implementá-la. Muitas ferramentas são gratuitas (Skype, WhatsApp) e alguns dos principais players do setor (por exemplo, Microsoft e Google) estão atualmente oferecendo ferramentas de conferência corporativa em resposta à Covid-19. Muitos dos meus clientes passaram a realizar essas reuniões virtuais regularmente nos últimos anos –e quando conseguir se adaptar a elas, descobrirá que pode melhorar o senso de engajamento e diálogo. Se você é novo na condução de chamadas ou reuniões por vídeo, reflita sobre essas dicas para o ajudar a se sentir mais confortável.

    Getty Images
  • 9. Lembre-se de ser autêntico

    Não esqueça por que as pessoas passaram a confiar e seguir você e aproveite a sua personalidade natural para criar calma e foco. Em tempos de crise, os indivíduos anseiam pela aproximação familiar. Agora não é um bom momento para mudar seu estilo: não é necessário ser como oficiais do exército para ser um líder eficaz em tempos de crise. Não esconda más notícias. Seja honesto, inclusive dizendo “eu não sei” se não souber. Você não precisa saber todas as respostas –mas reserve um tempo para entender o que seus funcionários estão perguntando e qual o motivo dessas perguntas.

    Getty Images
  • 10. Acima de tudo, administre a si mesmo

    Você é um ser humano e está estressado como todo mundo –e provavelmente de maneiras que nem imagina. Não deixe chegar ao seu limite. Reserve um tempo para garantir que esteja o mais preparado e concentrado possível. Mantenha-se equilibrado: exercite-se, coma adequadamente e reserve um tempo para ficar com quem é importante. Sua família e amigos precisam de sua atenção e liderança tanto quanto seus funcionários e clientes.

    Getty Images
  • 11. Seja líder

    Seus funcionários se lembrarão por muito tempo como foram tratados durante essa crise. Nada gera mais lealdade e engajamento dos funcionários do que pensarem: “Meu chefe se importa comigo como ser humano”. Como líder, é preciso tratar a crise do coronavírus como um momento decisivo para você e sua organização.

    Getty Images

1. Informe-se

Isso significa ir além de apenas assistir ao noticiário da TV. Não se deixe levar pelo sensacionalismo e não o projete nos outros. Uma boa fonte para monitorar é o relatório diário de situação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).