Qual é a probabilidade de você cometer um erro que vai acabar com sua carreira?

Getty Images
Getty Images

Funcionários de longa data com uma carreira impecável que, no calor do momento, cometeram um grande erro

Shari era uma profissional experiente em finanças. Ela estava sentada jogada na cadeira de meu escritório, objeto de uma pesquisa minha. “Não sei o que aconteceu”, disse ela. “Eu sou melhor. Esta não sou eu.” E, no entanto, Shari, sentindo uma pressão enorme por seu departamento para impactar positivamente o trimestre, colocou vendas que deveriam ter sido registradas no próximo trimestre dentro dos números do trimestre atual. Isso foi uma violação da política da empresa e das normas financeiras. Não havia dúvidas de que ela havia feito isso, e Shari não tentou negar ou dar desculpas. Foi um erro que acabou com sua carreira.

Todas as investigações que conduzi em minha carreira como executivo-sênior jurídico envolveram funcionários de longa data com uma carreira impecável que, no calor do momento, cometeram um grande erro. Esta parecia não ser exceção. Durante nossa entrevista, Shari desejou ter o momento de volta, não porque ela foi pega, mas porque o que ela havia feito não se alinhava à sua compreensão de quem ela era e em que acreditava ser. Ela parecia honestamente intrigada com seu comportamento. “Como eu pude fazer isso? Não sei o que estava pensando.” A carreira de 25 anos de Shari terminou em desgraça, e seus colegas de departamento enfrentaram dias de treinamento para lembrá-los do comportamento profissional financeiro adequado. Em todas as investigações anteriores –cada uma comovente como essa– chegaria um momento na entrevista em que a pessoa diria, exatamente como Shari: “Não sei o que aconteceu. Este não sou eu.” Essas palavras eram frequentemente acompanhadas de lágrimas. E, porque sabia que essas pessoas eram trabalhadoras, líderes brilhantes e de bom coração, suas palavras soavam verdadeiras.

VEJA TAMBÉM: Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, e fique por dentro de tudo sobre empreendedorismo

Então o que aconteceu? Como boas reputações e décadas de bom trabalho se tornaram pó em um único ato? Como o “eu” se perdeu? Depois de quase 30 anos no mundo dos negócios, sei como é fácil ser tentado a fazer escolhas das quais você se arrependerá mais tarde ou ficar tão distraído que as coisas perdem e os erros são cometidos. E, é claro, esses momentos também ocorrem frequentemente em nossas vidas pessoais. Situações estressantes, distrações, pressões financeiras, concorrência e medo de fracassar são apenas algumas das razões pelas quais podemos ser tentados a tomar más decisões em nossos negócios e vidas pessoais. Dizemos algo ou fazemos algo que mais tarde lamentamos, e também nos perguntamos o que eu estava pensando? A maioria de nós diria que, se tivéssemos algum espaço para pensar sobre a situação, teríamos decidido de maneira diferente. Mas o fato é que geralmente não temos espaço em nossos dias. Estamos lotados demais, cansados ​​e distraídos demais –e isso é um dia normal.

O que posso fazer sobre isso?

Se não soubermos nossos princípios de liderança quando uma decisão difícil surge, temos a fórmula perfeita para uma má escolha. Uma escolha tão diferente de nós que dizemos “Esse não é eu”. Então, como descobrimos, ou redescobrimos, nossos princípios para que eles possam ser como trilhos e motivações em nossas vidas? E uma vez que sabemos o que são, como colocamos nossos princípios de liderança em ação?

Quando estamos em nosso melhor, os princípios de liderança formam a base do nosso comportamento. Os princípios são formados ao longo do tempo e definem as partes mais profundas de nós como seres humanos. Os princípios surgem de dentro para fora, de suas experiências de vida, crenças e entendimentos. Ninguém pode dizer o que eles “deveriam” ser. Por exemplo, os princípios de liderança podem ser “sempre agir com integridade”, “tratar todos com respeito”, “dar tempo à criatividade e à inovação”, “veracidade” ou “advocar pelos outros”. Quando identificamos nossos princípios e nos familiarizamos intimamente com eles, eles nos guiam quando surgem decisões difíceis.

Quando surge uma situação que nos tenta a ignorar os nossos princípios enraizados e em parte, a nossa vida cotidiana, sentimos fisicamente a dissonância. Percebemos sensações físicas como aperto no pescoço, um buraco no estômago ou apenas um mal-estar geral. Nosso corpo está nos lembrando que essa escolha não está alinhada com quem somos. Se ouvirmos, o eu não se perde.

Alguns anos atrás, eu estava ensinando liderança atenta aos profissionais de uma grande empresa. O treinamento foi abrangente, e os líderes estavam lá havia anos. De vez em quando, eu entrava em contato com o grupo para checar sua jornada. Em uma dessas sessões de “aprofundamento”, pude sentir desde o início que havia uma grande tensão na sala. Nós nos acomodamos em uma meditação e então eu abri a parte do diálogo da sessão. A primeira pessoa a falar esclareceu a fonte da tensão que havia notado. Seriam anunciadas demissões nos próximos dias e essas pessoas que teriam que ter essas conversas individuais com os afetados. “Não temos demissões aqui há muito tempo, então esse é um novo terreno para a maioria de nós”, explicou um dos diretores de marketing. “O departamento de RH nos deu instruções para agilizar as reuniões e entregou a cada um de nós um ‘script’ para usar. Nada parece certo.”

LEIA MAIS: 3 perguntas para fazer a si mesmo se estiver entediado com sua carreira

Esses líderes entenderam a necessidade financeira de fazer alterações, mas ninguém pensou que o processo, especialmente o “script”, fosse a maneira hábil de lidar com o problema. Eles pensavam que o roteiro era frio e desprovido de humanidade. Parecia desrespeitoso e não parecia estar alinhado com os princípios que muitos compartilhavam, como respeito e compaixão. Lá estava! Prestar atenção ao seu desconforto com o que eles estavam sendo solicitados a fazer os levou a recuar no processo. Eles acabariam por chegar a modificações não apenas nas palavras que estavam sendo ditas, mas no processo em uso. Os líderes se comprometeram a criar um local seguro para as conversas, reconhecendo o quão difícil era compartilhar as notícias, mantendo-se abertos e apoiando a pessoa durante esse período difícil.

Quais são seus princípios de liderança? Certa vez, um presidente de uma empresa aeroespacial global me disse depois de refletir sobre os seus princípios: “Fui contratado para cargos que me colocam no comando de dezenas de milhares de funcionários e centenas de milhões de dólares e ninguém nunca me perguntou. quais eram meus princípios de liderança”. Sua visão me fez parar e refletir. Contratei muitas pessoas em minha carreira e também nunca perguntei sobre seus princípios. E, na minha própria carreira, nunca me perguntaram. O que mudaria se todos pudéssemos nomear nossos princípios e compartilhar exemplos de como eles nos serviriam? Ou, talvez mais importante, compartilhar as maneiras de como encontramos problemas e quando deixamos circunstâncias externas ou a racionalização interna anularem esses princípios.

Podemos ver exemplos de pessoas fazendo escolhas que parecem desprovidas de princípios quase todos os dias na mídia. E podemos até ouvir as pessoas racionalizando essas escolhas com “todo mundo faz erros” ou “é o necessário jogar o jogo”. Mas passar algum tempo com essa reflexão, rapidamente começa a mostrar que há um custo físico e emocional para viver ou liderar de uma maneira que não está alinhada com nossos princípios fundamentais. E as consequências para nossas carreiras e nossas famílias podem ser significativas.

A parte boa dos princípios

O que é menos falado, e talvez menos conhecido, é a vantagem de conhecer e viver de acordo com princípios. Quando fazemos isso, mantemos nossos princípios em como uma tarefa diária –agendando um tempo para praticar nossa criatividade, reservando tempo para nos conectarmos mais profundamente com as pessoas, tornando o horário das reuniões um local seguro para todos participarem. Os princípios não se limitam a nos impedir de cometer um erro sob pressão, os princípios são uma fonte de energia e esse tipo de energia é contagioso. Quando começamos a introduzir nossos princípios em nosso trabalho e vida pessoal, estamos tocando naquelas coisas que nos nutrem, que nos alimentam e que começam a nos transformar em inspirações.

Nadia, uma gerente de sucesso, redescobriu que um de seus princípios de liderança era o desejo de ajudar a criar condições de igualdade para sociedade. Ela veio de uma comunidade difícil e teve de lutar muito para chegar à faculdade. E ela sempre quis fazer uma diferença lá. Mas a vida a ocupou e a sua carreira a afastou desse princípio. Quando ela foi lembrada durante uma das oficinas do instituto, decidiu manter os olhos abertos para uma maneira de obter sucesso no trabalho e trazer esse princípio com ela. Dentro de alguns meses, ela encontrou uma oportunidade. Ela encontrou uma maneira de levar um programa de alfabetização para uma área desfavorecida, em conjunto com um objetivo comercial. Como resultado, dezenas de milhares de livros bilíngues chegaram às mãos de pré-escolares, muitos dos quais nunca tiveram seu próprio livro. Quando ela compartilhou sua nova ideia com sua equipe, ela o fez com uma emoção tão autêntica que toda a equipe estava imediatamente a bordo. Seguir nossos princípios é uma escolha inspiradora de tomar em nosso trabalho e nossa família.

LEIA MAIS: 9 melhores resorts para férias particulares pós-pandemia

Também temos uma oportunidade de inspirar ainda mais. Normalizar comportamentos e escolhas que parecem sem princípios só serve para aprofundar a segregação e o medo que está crescendo hoje. Redescobrir nossos princípios e trazê-los mais plenamente para nossas vidas nos lembra que estamos conectados. Estamos todos juntos nesta vida e fazer parte de uma sociedade significa que nossas escolhas estão influenciando, para o bem ou para o mal, os outros e as nossas comunidades. A mídia enfatiza mudanças “para pior” e talvez isso nos ajude a ver a necessidade de mudar. Mas há muitas histórias não escritas “para melhor” e elas podem ter um poderoso efeito cascata.

Quando respondemos à pergunta “quais são meus princípios de liderança?”, não estamos apenas ouvindo as palavras e frases que surgem do nosso âmago, somos lembrados de que os princípios têm um papel importante a desempenhar em nossas vidas. Eles são o leme que nos ajuda a navegar naqueles momentos tempestuosos em que podemos nos perder e a nossa auto-estima. E eles são os lembretes das coisas que queremos unicamente trazer ao nosso trabalho, àqueles que amamos e ao nosso mundo. Os princípios nos definem e energizam nossas vidas. A maioria dos grandes líderes é atraída pela liderança porque quer fazer a diferença. E isso é a realidade se você está liderando uma empresa multibilionária, uma sala de aula, sua própria família ou sua própria vida. A base é começar a seguir seus princípios. Todos nós temos. Quais são os seus? E como eles se manifestam?

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyri[email protected]).