Harvey Weinstein fecha pré-acordo de indenização

Segundo o "WSJ", produtor pagará US$ 44 milhões para concluir processos e ressarcir pessoas.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Reuters

De acordo com o “WSJ”, o acordo proposto não afeta o caso criminal pendente contra Weinstein em Manhattan

Acessibilidade


Harvey Weinstein, as mulheres que o acusaram de abuso sexual, os ex-membros do conselho de sua produtora e a Procuradoria-Geral de Nova York chegaram a um pré-acordo de US$ 44 milhões para concluir os processos e indenizar as pessoas que denunciaram o produtor de Hollywood, informou o “Wall Street Journal” ontem (23), mencionando fontes familiarizadas com o assunto.

LEIA MAIS: Julgamento de Weinstein é marcado para maio

O acordo, se concluído, encerrará o processo civil instaurado pela Procuradoria-Geral de Nova York no ano passado que acusa os executivos e o conselho da Weinstein Co de não protegerem os funcionários de um ambiente de trabalho hostil e da conduta sexual inadequada de Weinstein, segundo o jornal.

De acordo com o “WSJ”, o acordo proposto não afeta o caso criminal pendente contra Weinstein em Manhattan, no qual ele é acusado de estupro e outros crimes de teor sexual. Um julgamento sobre o caso está agendado para setembro.

Um representante de Weinstein e da Weinstein Co não respondeu ao pedido de entrevista. O produtor nega as acusações.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Weinstein, que conquistou aplausos e prêmios com sua empresa e outro estúdio, o Miramax, por filmes como “Shakespeare Apaixonado”, “Pulp Fiction” e “O Discurso do Rei”, foi acusado por mais de 70 mulheres, na maioria jovens atrizes e outras trabalhadoras da indústria cinematográfica, de condutas sexuais inadequadas ao longo de décadas.

VEJA TAMBÉM: Estúdio do Harvey Weinstein pede liquidação

À medida que as acusações se somavam, o produtor foi demitido da Weinstein Co, que decretou falência, e ele foi expulso da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood.

O caso ajudou a dar visibilidade ao movimento #MeToo, que expôs assédios e abusos cometidos por diversos homens reconhecidos em diferentes áreas, como o entretenimento e a política.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:
Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Compartilhe esta publicação: