Fundo de investimento em empresas sustentáveis capta R$ 1 mi em seis horas

Divulgação
Thomaz Fortes, responsável pela área de gestão de recursos: expectativa de R$ 30 mi até o final do ano

Com 8 mil pessoas na fila de espera, estreou ontem o Warren Green, primeiro fundo de investimento em empresas sustentáveis da corretora gaúcha Warren. Até meio-dia, horário de fechamento do ativo, a captação já tinha batido R$ 1 milhão. “A expectativa é chegar a R$ 30 milhões até o final do ano”, diz Thomaz Fortes, responsável pela área de gestão de recursos da empresa.

LEIA TAMBÉM: Primeiro fundo de investimento vegano é listado na Bolsa de Nova York

A iniciativa surgiu quando os sócios da corretora perceberam que os clientes tinham interesse em investir em empresas que não tivessem relação com o comércio de carnes e armas, que adotassem práticas sustentáveis e que não estivessem envolvidas em escândalos de corrupção. “Lá fora esse tipo de investimento é uma tendência cada vez mais forte”, explica o executivo. “A cada US$ 4 investidos atualmente nos Estados Unidos, US$ 1 já é em algum produto do tipo”, conta, lembrando que há apenas sete anos essa proporção era de US$ 9 para US$ 1. Segundo ele, o volume total investido em ativos sustentáveis é de US$ 31 trilhões em todo o mundo.

Exclusivo para clientes da Warren, o novo fundo é formado por 70% de ações de empresas brasileiras, 20% de ações e ETFs (fundos de índices negociados em bolsa) de companhias estrangeiras e 10% de BDRs (Brazilian Deposit Receipts ou recibos de ações de empresas estrangeiras negociadas na bolsa brasileira). A taxa de gestão é 0,5% ao ano, o mesmo percentual aplicado nos outros produtos da corretora digital gaúcha, que recebeu um aporte de R$ 25 milhões em 2017, quando foi fundada por Tito Gusmão, Marcelo Maisonnave, André Gusmão e Rodrigo Grunding, de um grupo de investidores liderado pelo fundo de venture capital do Vale do Sicílio Ribbit.

O Green utiliza índices como o Sustentabilidade Empresarial (ISE), Governança Corporativa (IGC), Carbono Eficiente (ICO2) e Social and Governance (ESG), da Reuters, e ações com score alto em meio-ambiente para a seleção das empresas. Entre elas estão o marketplace de produtos artesanais Etsy, a montadora de veículos elétricos Tesla, a produtora de hamburgueres de planta Beyond Meat, Johnson & Johnson, Microsoft e a brasileira Natura, além dos ETFs US Vegan Climate, que reúne empresas veganas, e Cleantech, de energia limpa.

Fortes explica que, por uma série de motivos, lá fora os fundos de empresas sustentáveis tendem a ter uma performance superior aos compostos de ações de companhias tradicionais em 64% dos casos. “Um deles é que essas empresas têm acesso a capital com um custo menor. Além disso, as chances de serem vítimas de acidentes ambientais, por exemplo, são menores, já que cumprem uma série de requisitos. Tudo isso colabora para reduzir o risco financeiro.”

****

O Uber dos aventureiros

Lançada em agosto do ano passado nos Estados Unidos, depois que o brasileiro Pedro McCardell percorreu 25 mil quilômetros de moto entre São Paulo e São Francisco para mapear o ecossistema de aventura de algumas regiões específicas, a plataforma Lyfx anuncia sua chegada ao Brasil. Com um cardápio de mais de 500 opções que agora contemplam 20 países, o aplicativo da startup brasileira – avaliado em R$ 40 milhões no final do ano passado – facilita o acesso a experiências guiadas por habitantes locais. São caminhadas fotográficas, mergulhos, exploração de cavernas, surfe, escalada, rafting ou apenas contemplar aquela cachoeira exótica que só os moradores mais curiosos conhecem. No Brasil, que, segundo McCardell, deve se tornar em breve um dos maiores mercados para a plataforma, existem atualmente 15 experiências disponíveis. A meta é chegar a 200 até o final do ano.

****

Nova casa da Lego

Kjeld Kirk Kristiansen, o bilionário dono da Lego, com patrimônio estimado em US$ 4,7 bilhões pela FORBES, está construindo um novo campus em Billund, na Dinamarca, inspirado nos famosos blocos de plástico. A primeira fase do projeto – que quando concluído terá 54 mil metros quadrados e abrigará 2 mil funcionários da empresa – foi inaugurada em 28 de outubro. Tijolos no estilo Lego aparecem nas pareces externas e dois gigantescos blocos amarelos fazem parte do telhado. Focado na sustentabilidade, o novo prédio recebeu, no teto da garagem, 4.150 painéis solares capazes de fornecer mais de 1 milhão de kWh, metade de toda a energia que será consumida no campus.

****

Expansão acelerada

A Yahsat, operadora com sede nos Emirados Árabes Unidos, anunciou a abertura simultânea de sinal de internet via satélite em 400 novas cidades brasileiras em outubro. Ao todo, a companhia, que atua comercializando seus planos no Brasil há pouco mais de um ano, já atende 1,7 mil municípios do país com velocidades que vão de 6 GB a 40 GB para pessoas físicas e empresas de pequeno e médio portes. Até o final do ano, a expectativa é aumentar em 40% a capilaridade da rede.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).