Novo iPhone revela impressionante decisão operacional da Apple

Companhia pretende desenvolver a tecnologia do módulo de antena 5G do zero.

Gordon Kelly
Compartilhe esta publicação:
Reprodução Forbes
Reprodução Forbes

Apple decidiu retirar a principal tecnologia 5G do iPhone 12 e começar de novo

Acessibilidade


Os planos de 2020 da Apple para o iPhone 12 já estão causando rebuliço por suas funcionalidades e design. Entretanto, as últimas notícias revelaram uma decisão radical, arriscada, mas provavelmente brilhante.

Segundo a publicação especializada “Fast Company”, a gigante decidiu retirar a principal tecnologia 5G do iPhone 12 e começar de novo. O site informou que a Apple se recusou a projetar o módulo de antena 5G fornecido pela Qualcomm por ser muito volumoso para o “design industrial elegante que ela planeja para o novo aparelho”. E disse que a Apple pretendia construir uma alternativa do zero.

VEJA TAMBÉM: iPhone 12 de 6,7 polegadas deve ser mais fino que o iPhone 11 Pro Max

Alguns dias depois, o aclamado especialista da indústria Ming-Chi Kuo revelou algumas notícias decepcionantes sobre os planos da Apple para a tecnologia 5G do iPhone 12. Uma reportagem do site “9to5Mac” diz que a companhia descartou seus ambiciosos planos para incluir até seis amplificadores de potência para redes 5G. Segundo Kuo, isso foi reduzido para apenas um ou dois amplificadores, o que significa o fim do suporte a uplink 2×2 MIMO e um desempenho mais lento da tecnologia 5G. A Apple aposta que os compradores não notarão a diferença, uma vez que a implementação básica do 5G em smartphones pode resultar em aumentos exponenciais de velocidade em relação ao 4G. E, por mais triste que isso pareça na teoria, a Apple provavelmente está certa.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: