Veja o que acontece com suas milhas quando uma companhia aérea declara falência

ReproduçãoForbes
Avianca, Flybe e Virgin Australia são algumas das companhias que entraram em alguma forma de proteção contra falência desde o início de março

Recentemente, a principal companhia aérea da Colômbia, a Avianca, declarou falência. Embora isso possa não parecer notável para muitos viajantes dos EUA, a situação das milhas causou preocupação. Isso porque o programa de milhagem da companhia aérea, o LifeMiles, pode ser lucrativo –desde voos domésticos na United a partir de 6.500 milhas até viagens com alguns dos melhores produtos de primeira classe por menos de US$ 50. O LifeMiles também tem o hábito de vender milhas por um preço que as faz parecer boas demais para ser verdade.

A Avianca não foi a primeira companhia aérea a declarar falência devido à pandemia de coronavírus. A Flybe, a Virgin Australia e as companhias aéreas regionais dos EUA, Transbe Airlines e Compass Airlines, com sede no Reino Unido, entraram em alguma forma de proteção contra falência desde o início de março de 2020. Infelizmente, não serão as únicas vítimas até que tudo se normalize.

LEIA MAIS: Como o coronavírus vai transformar as viagens aéreas

Se você coletou milhões de milhas aéreas em viagens de negócios ou apenas juntou milhas para economizar em uma viagem, provavelmente está se perguntando o que significa a falência de uma companhia aérea para seus planos. Embora cada caso seja único, vamos analisar alguns resultados possíveis.

O status das milhas LifeMiles e Velocity

Das companhias aéreas que declararam falência até agora neste ano, a Virgin Australia e a Avianca são as únicas duas que têm ótimos programas de milhagem. Nos dois casos, o programa é uma entidade legal separada da companhia aérea e nenhum deles entrou em falência.

As notícias foram especialmente ruins no começo para quem possui milhas de passageiro frequente da Virgin Australia Velocity. Em 21 de abril de 2020, a Velocity anunciou uma imediata “pausa nos resgates” por um período inicial de quatro semanas. Embora os membros provavelmente não tenham planos de usar milhas para viajar tão cedo, essa pausa inclui resgates mais amplos, como cartões-presente.

A boa notícia é que essa pausa foi suspensa em 15 de maio. Agora, os membros podem resgatar milhas Velocity para voos domésticos a partir de 1º de setembro de 2020. Melhor ainda, a Velocity está abrindo mão de todas as taxas de alteração e cancelamento de prêmios até 1º de setembro.

A LifeMiles está começando com mais confiança. Horas após a notícia de que a Avianca havia declarado falência, o programa emitiu um comunicado à imprensa e enviou um e-mail aos membros: “LifeMiles permanece forte”

Os membros ainda podem resgatar LifeMiles para voos da Avianca e de parceiros da Star Alliance como antes. A organização ainda está indo além, incentivando os viajantes a continuarem usando o programa: concordou em renunciar às multas por alteração até outubro de 2020. Além disso, enfatiza que a Avianca continuará a honrar os termos do programa de fidelidade LifeMiles. As camadas atuais do status elite foram estendidas até janeiro de 2022.

Os coletores de milhagem podem estar otimistas de que a LifeMiles continuará forte com a falência reorganizacional da Avianca –assim como os programas de milhagem das companhias aéreas dos EUA têm feito nas últimas duas décadas. No entanto, a confiança no futuro de um programa não é garantia de que as coisas vão dar certo.

É o fim: Topbonus da Air Berlin

Dias após a Air Berlin declarar falência em agosto de 2017, seu programa de milhas Topbonus suspendeu todas as atividades de resgate. Uma semana depois, o programa de fidelidade Topbonus também declarou falência.

Assim como no programa Velocity da Virgin Australia e no LifeMiles da Avianca, a Topbonus era uma entidade separada. Como essa entidade pertencia a 70% da Etihad Airways, havia esperança de que o programa fosse salvo.

Em alguns meses, o Topbonus reiniciou os resgates, permitindo que os membros resgatassem milhas para voos da Etihad. Quando o voo final da Air Berlin pousou em outubro de 2017, a Topbonus declarou a seus membros por e-mail que a Topbonus Ltd. e o programa de fidelidade haviam “chegado para ficar.”

No entanto, essa afirmação se mostrou excessivamente confiante. Em abril de 2018, os 4,3 milhões de membros da Topbonus receberam um e-mail informando que seus saldos de milhagem estavam sendo definidos como zero. Disseram aos membros que poderiam “fazer uma reclamação de insolvência” pelo valor de suas milhas.

Os membros puderam enviar uma reivindicação de 0,36 centavos de euro por milha, mas, dois anos depois, a Topbonus ainda não pagou essas reivindicações.

Programa zumbi: JetPrivilege da Jet Airways

Para entender outro exemplo do que pode acontecer às milhas aéreas quando uma companhia aérea declara falência, vamos considerar a Jet Airways e o programa de milhas JetPrivilege. Após anos de perdas, a Jet Airways finalmente entrou em colapso em abril de 2019 e declarou falência em junho de 2019.

VEJA TAMBÉM: Companhias aéreas buscam ajuda emergencial com coronavírus quase paralisando setor

Assim como no programa Topbonus da Air Berlin, o programa de fidelidade da Jet Airways –chamado JetPrivilege na época– era uma entidade legal separada. Além disso, a Etihad também possuía a maioria do JetPrivilege. No entanto, diferentemente do Topbonus, o programa sobreviveu à falha da Jet Airways, embora tenha perdido muito de seu valor.

Enquanto a Jet Airways ainda estava em operação, era possível ganhar e resgatar o JetPrivilege JPMiles com dezenas de companhias aéreas parceiras –Air France, Delta, Vietnam Airways e Virgin Atlantic, por exemplo. Já atualmente, o programa InterMiles, agora renomeado, possui exatamente um parceiro aéreo direto para ganhar e resgatar milhas: a Etihad Airways.

Como alternativa, os membros do InterMiles podem ganhar e resgatar milhas em centenas de companhias aéreas reservando voos por meio de seu portal de viagens. Embora seja melhor do que o programa desaparecer completamente, ele vale muito menos do que já valeu um dia.

O programa InterMiles continua sendo um parceiro de transferência do Citi ThankYou Points (taxa de transferência 1:1) e Marriott Bonvoy (taxa de transferência 3:1 com um bônus de 5.000 pontos por transferir 60.000 pontos).

Negócios como de costume: falências de companhias aéreas dos EUA

Desde 2002, a maioria das companhias aéreas americanas atuais solicita proteção contra falência. Isso inclui a American Airlines (2011) e seu parceiro de fusão US Airways (2004), Delta (2005) e seu parceiro de fusão Northwest (2005), United (2002) e as operadoras de baixo custo Frontier e Sun Country (ambas em 2008). No entanto, todas essas companhias aéreas –e seus programas de milhagem– continuam até hoje, de uma forma ou de outra.

Quando se trata de milhas, as desvalorizações incrementais de prêmios parecem constantes. No entanto, as companhias dos EUA não as desvalorizaram quando os tempos são ruins. As companhias aéreas que lutam para sobreviver têm o prazer de incentivar os viajantes, oferecendo um valioso programa de fidelidade.

De fato, no mesmo dia em que a American Airlines entrou com pedido de falência em 2011, solicitou ao tribunal de falências que lhe permitisse continuar seu programa AAdvantage sem alterações. A empresa argumentou que a continuação do programa era fundamental para manter a lealdade de seus viajantes.

Para melhor ou pior, há um aspecto dos programas de milhagem dos EUA que é diferente dos programas internacionais que discutimos. Embora Velocity, LifeMiles, Topbonus e JetPrivilege sejam entidades legais separadas de suas respectivas companhias aéreas, os sistemas dos EUA fazem parte da própria companhia aérea.

Isso significa que provavelmente não veríamos uma situação de “zumbi” como o JetPrivilege/InterMiles se uma empresa com sede nos EUA declarasse falência. Conforme a companhia aérea segue, o mesmo acontece com o programa de milhas.

No entanto, há um aspecto que diferencia os programas de milhagem dos EUA: o valor de seus programas de fidelidade. Por décadas, as companhias aéreas lucraram bilhões com a venda de milhas para bancos. Por causa dessas parcerias valiosas, alguns analistas de ações acreditam que o valor do programa de passageiro frequente AAdvantage da American Airlines vale muito mais do que o valor atual da empresa com o programa de fidelidade internamente. Analistas chegaram a uma conclusão semelhante sobre os programas da United, Delta e Alaska.

Devido a essas parcerias, é improvável que essas organizações dos EUA desvalorizem suas milhas na situação mais extrema. Mesmo agora, com as viagens aéreas caindo mais de 90%, essas parcerias bancárias são cruciais para elas. A JetBlue vendeu recentemente US$ 150 milhões em milhas ao Barclays, e a United e a Delta estão em negociações para vender milhas a granel para a Chase e a American Express, respectivamente, a fim de levantar dinheiro. Em troca de fornecer às empresas esse bote salva vidas, os bancos provavelmente exigirão que elas mantenham o valor das milhas que acabaram de comprar a granel.

O que isso significa para a Velocity e a LifeMiles

Como você verá nos exemplos acima, não há uma resposta clara sobre o que acontecerá com suas milhas quando uma companhia aérea declarar falência. Às vezes, os programas sobrevivem e os membros retêm o valor de suas milhas. Em alguns casos, elas valem apenas uma fração do valor anterior. E claro, também é possível se tornem totalmente inúteis.

A chave é normalmente a operação continuada da própria companhia aérea. A Air Berlin e a Jet Airways não conseguiram encontrar um investidor para a salvar da falência. Quando a empresa interrompeu as operações, os programas de milhagem perderam o acesso aos parceiros. Sem parceiros, é difícil para os sistemas atrair membros para ganhar milhas com o programa.

E TAMBÉM: Coronavírus: veja como as companhias aéreas estão lidando com a pandemia

A situação é um pouco mais complicada para a Avianca e a Virgin Australia. As operações de voo comercial da Avianca estão totalmente fechadas neste momento, e a Virgin Australia está operando apenas alguns voos domésticos por dia. Normalmente, isso seria um mau presságio para o futuro das duas. Mas, esses são tempos verdadeiramente extraordinários. Com a demanda por viagens caindo, pode ser melhor para o futuro de ambas desligar por enquanto e tentar reiniciar quando o mundo recomeçar.

O que fazer com seus pontos e milhas

Os seres humanos têm uma forte aversão à perda. Ao considerar a perda de nossas milhas aéreas conquistadas com muito esforço, nosso instinto natural é obter algum tipo de valor delas –mesmo que isso signifique resgatá-las por um valor baixo que não tenha relação alguma com viagem, como vales-presente. Alguns viajantes podem se sentir melhor fazendo isso, especialmente com apenas um pequeno saldo em uma conta do programa de fidelidade.

Ainda assim, eu não recomendaria sacar uma grande quantidade de pontos e milhas no momento. Em parte devido a reembolsos de viagens canceladas pela Covid-19, minha esposa e eu atualmente temos milhões de pontos em nossas contas. Em vez de descontá-los, estamos pesquisando gráficos de prêmios e reservas de viagens que esperamos poder realizar ainda este ano e no início de 2021.

No entanto, há uma coisa que eu recomendo fazer agora. Se você ainda não o fez, considere mudar seus gastos com cartão de crédito para cartões que ganham pontos transferíveis –como pontos American Express Membership Rewards, Chase Ultimate Rewards e Citi ThankYou Points. Cada um desses sistemas bancários faz parceria com pelo menos 10 companhias aéreas diferentes.

Ao coletar pontos em um desses, você reduz o risco de qualquer programa de milhagem perder valor. Então, quando estiver pronto para viajar novamente, poderá transferir esses pontos para a companhia aérea que oferece a melhor taxa de resgate para a viagem que você deseja fazer.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).