Coronavírus: veja como as companhias aéreas estão lidando com a pandemia

GettyImages/ Thomas Lohnes / Correspondente
GettyImages/ Thomas Lohnes / Correspondente

As empresas aéreas disponibilizam opções para reagendar ou reembolso de viagens dificultadas pela pandemia de coronavírus no mundo

Desde a chegada do coronavírus ao Brasil, diversas áreas de negócios e da vida das pessoas têm sido afetadas. Até o momento, um dos setores mais prejudicados é o de hospitalidade, em função dos pedidos de isolamento e, principalmente, do fechamento de várias fronteiras e espaços aéreos.

Segundo o Procon-SP, entidade encarregada de proteger os direitos dos consumidores, foram registrados 1.902 atendimentos sobre problemas relacionados ao coronavírus até hoje (16). Destes, 678 foram contra agências de viagens e 546 contra companhias aéreas.

LEIA MAIS: Argentina fecha fronteiras por 15 dias para combater coronavírus

“O consumidor não é obrigado a expor sua saúde a riscos viajando ou indo a eventos onde poderá contrair o coronavírus”, diz o órgão. Para atender a essa recomendação, as empresas devem negociar maneiras de manter seus passageiros seguros, como postergar viagens ou restituir valores já pagos, entre outras possibilidades. Caso se sinta lesado, o consumidor pode procurar o Procon, que intermediará a negociação para tentar chegar a um acordo favorável.

Veja, a seguir, como as companhias aéreas estão tratando os diferentes casos envolvendo o cenário atual:

Latam

A Latam publicou em seu site, na última quinta-feira (12), que reduziu em 30% o volume de voos internacionais devido à baixa demanda e restrições de viagens impostas por alguns governos com o avanço do coronavírus. A medida, segundo a empresa, será aplicada principalmente para voos da América do Sul à Europa e aos Estados Unidos, entre os dias 1 de abril e 30 de maio de 2020.

Para voos com saída ou chegada ao Equador, Argentina, Colômbia, Europa, Israel, África do Sul, Austrália, Nova Zelândia e Peru, é possível reprogramar a viagem sem multas e sem diferença tarifária até o fim de 2020. No caso de outros países, a companhia está permitindo que os clientes façam uma alteração de origem ou destino sem multa, mas sujeita à diferença tarifária e à validade do bilhete.

Viagens internacionais com destino a outras partes do mundo marcadas para entre 6 e 12 de março e não utilizadas podem ser alteradas sem tarifas até 14 dias antes do voo, se feito ainda em 2020.

Azul

A Azul emitiu comunicado em seu site no último domingo (15) pedindo para que os clientes com voos marcados entre hoje e sexta-feira (20) fiquem atentos aos canais digitais da empresa.

Os voos domésticos até 3 de maio poderão ter os destinos alterados sem incidência de taxas desde que o novo voo seja realizado até 31 de maio de 2020. Diferenças tarifárias serão cobradas. Além disso, é possível cancelar o voo, mas o valor não será reembolsado – o passageiro ficará com um crédito para compras futuras, com validade de um ano.

Os voos internacionais com saída ou chegada a Lisboa, Porto, Estados Unidos e América do Sul previstos para março de 2020 podem ser alterados ou cancelados. O cancelamento segue os mesmos moldes dos voos domésticos: reembolso em forma de créditos com validade de um ano. As alterações podem ser usadas, sem taxas, para viagens até 30 de junho de 2020.

A companhia aérea anunciou que, de 25 de março a 30 de abril, irá operar 70 voos diários para 25 cidades, em operações essenciais para aqueles que necessitam viajar.

Delta

A Delta está oferecendo a opção de remarcar datas para passageiros com viagem marcada entre 1º de março e 30 de abril de 2020. A remarcação poderá ser feita, sem nenhum custo, para voos até 31 de dezembro. A empresa fez um guia de como alterar a viagem pelo site (https://pt.delta.com/us/pt/advisories/other-alerts/coronavirus-travel-updates).

LEIA TAMBÉM: Novo coronavírus: veja os eventos cancelados no Brasil

Além disso, clientes que adquiriram bilhetes entre 1º e 31 de março para viagens entre 1º de março de 2020 e 25 de fevereiro de 2021 podem alterar a data da viagem sem nenhum custo adicional, desde que ela seja remarcada até 28 de fevereiro de 2021.

Gol

A Gol anunciou alteração na política de remarcação e cancelamento de viagens nacionais e internacionais válida para voos até 14 de maio de 2020. Elas poderão ser canceladas, mas o valor será restituído em forma de créditos para voos futuros, que devem ser utilizados em um ano a partir da data da compra.

É possível remarcar a data da viagem para qualquer período dentro de 330 dias, a contar da data da compra. Os clientes não precisam pagar taxa de remarcação, apenas a diferença de tarifas, caso exista.

Caso o cliente queira cancelar a viagem e ser reembolsado, estará sujeito a uma taxa, dependendo da regra da tarifa escolhida.

A Gol decidiu cortar sua capacidade total de voos entre 60% e 70% até meados de junho, em resposta à queda da demanda registrada nas últimas semanas disparada pelo pânico em torno da pandemia de coronavírus.

A companhia afirmou que o corte na oferta será da ordem de 50% a 60% no mercado doméstico e de 90% a 95% nas operações internacionais. A empresa ressaltou que o cálculo para os cortes de capacidade foram feitos com base “nas melhores estimativas” e com “as informações autalmente disponíveis” e por isso não descarta fazer revisões na estimativa.

A companhia anunciou em 17/03 que irá cancelar todas as suas operações internacionais até o fim de junho, incluindo destinos como América do Sul, Estados Unidos e México.

A Gol irá disponibilizar 50 voos diários entre o Aeroporto Internacional de São Paulo em Guarulhos (GRU) e as demais 26 capitais brasileiras durante o período de 28 de março a 3 de maio, mantendo suspensas todas as outras operações regionais e internacionais.

Tap

A empresa oferece reagendamento de voos sem o pagamento da taxa de alteração associada em bilhetes emitidos entre os dias 8 e 31 de março de 2020.

A aérea portuguesa recomendou que passageiros com viagens marcadas para depois do dia 31 de maio de 2020 aguardem a evolução da situação do coronavirus. Caso o cenário se mantenha até a data próxima da viagem, entrar e contato com a empresa para se informar sobre alternativas.

A companhia também disponibilizou em seu site um guia de como alterar o voo de maneira online.

Iberia

Em seu site, a empresa espanhola garantiu que equipa suas aeronaves com todos os dispositivos necessários para tratar de passageiros que mostrem sinais da doença durante o voo.

Clientes que compraram passagens até o dia 11 de março para viagens entre 31 de março e 30 de abril podem alterar a data da viagem para até 30 de novembro. Além disso, é possível requerer um voucher do mesmo valor da viagem, que é válido até 31 de dezembro.

British Airways

A British Airways também informou que suas aeronaves estão prontas para qualquer situação com possíveis passageiros que apresentem sintomas durante a viagem, além do reforço na limpeza dos aviões.

As reservas feitas entre 3 e 31 de março podem ser remarcadas sem taxas. O passageiro pode escolher uma nova data (até 12 meses após a reserva inicial) e até modificar o itinerário. O reembolso é feito por meio de um voucher da empresa, com validade de um ano. Clientes que tiveram o voo cancelado podem ser reembolsados ou requisitar uma nova reserva.

Avianca

Os voos internacionais da Avianca com data até 31 de abril podem ter seu itinerário alterado sem penalidades. Para viagens depois dessa data, somente bilhetes adquiridos entre 4 e 31 de março de 2020 podem ser alterados sem multas.

As regras são bem parecidas para os voos domésticos da empresa (ela considera Colômbia, Equador e Peru como voos domésticos): viagens marcadas para até 31 de abril podem ser alteradas sem penalidade. Depois disso, apenas as que foram compradas entre 14 e 31 de março estão isentas.

American Airlines

Para bilhetes comprados até dia 15 de março ou para viagens programadas entre 11 de março e 31 de maio de 2020, a empresa não cobra taxa de alteração, caso o itinerário inclua algum dos países na seguinte lista: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Irlanda, Islândia, Itália, Letônia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Noruega, Países Baixos, Polônia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça.

Além disso, a companhia norte-americana alerta que a remarcação só pode ser feita uma vez e que a viagem deve ocorrer até 31 de dezembro de 2020 ou dentro de um ano a partir da data de emissão do bilhete, o que ocorrer primeiro. O cliente não precisa pagar taxa de alteração, mas será necessário pagar qualquer diferença no preço do bilhete.

Air Canada

A Air Canada permite que os clientes que fizeram uma reserva de voo antes do dia 4 de março, para viagens antes de 30 de abril, remarquem seu tíquete sem custo adicional desde que a nova viagem ocorra ainda em 2020.

Se a opção for pelo cancelamento da reserva, os clientes irão receber também um voucher para escolher uma nova viagem, válido até 31 de dezembro de 2020.

O cancelamento ou a remarcação de viagens podem ser feitos até duas horas antes do voo; Caso a passagem tenha sido comprada depois do dia 4 de março, as mesmas regras de compensação são aplicadas.

Air France

As viagens marcadas até dia 31 de março podem ser remarcadas até 31 de maio sem taxas. A data da nova viagem deve ser até 31 de maio.

E TAMBÉM: Pânico global sobre coronavírus leva dólar a fechar acima de R$ 5 pela 1ª vez

Os cancelamentos e pedidos de reembolso devem ser feitos online, pelo site da empresa. Essa medida só é válida para passagens classificadas como “reembolsáveis” compradas até 31 de março.

Air Europa

Os clientes da Air Europa que compraram passagens até 11 de março para viagens até 30 de abril podem alterar a data ou a rota para até 15 de junho sem nenhum custo extra e independentemente do destino.

O cancelamento da viagem dá direito a um voucher de mesmo valor que deve ser usado até 31 de dezembro de 2020.

A companhia aérea declarou o cancelamento de todos os voos que partem, chegam ou passam pela Itália, um dos países europeus mais atingidos pela pandemia de coronavírus.

Alitalia

Todos os clientes que compraram uma passagem até 3 de abril para viajar de 23 de fevereiro a 31 de maio podem solicitar alteração da viagem para uma data até 31 de dezembro de 2020 ou reembolso por meio de voucher com validade de um ano. Qualquer uma das duas opções deve ser solicitada até o dia 31 de maio.

Os clientes com viagens canceladas podem alterar a reserva para uma nova data até 31 de dezembro de 2020, requerer um voucher de igual valor ao da passagem cancelada válido por um ano ou o reembolso.

Copa Airlines

A Copa Airlines publicou um comunicado em seu site no último sábado (14) com os procedimentos que irá adotar neste momento. A empresa possui planos diferentes dependendo do destino da viagem, mas permite a remarcação de viagens adquiridas antes de 4 de março que aconteceriam entre 3 de fevereiro e 15 de junho.

A data máxima para realizar a alteração de passagens é 15 de junho e o novo itinerário deve iniciar até 1º de dezembro. Seguindo essas datas, a remarcação ou reembolso via voucher de mesmo valor serão isentos de multa, sujeitos apenas a tarifas distintas de data e destino.

Lufthansa

A Lufthansa comunicou que suspendeu voos da Austrian Airlines em resposta ao fechamento de fronteiras de alguns países. Todos os voos da empresa até 28 de março serão cancelados e os passageiros serão remanejados para outras empresas, de acordo com a disponibilidade.

Para clientes que compraram bilhetes antes de 5 de março para uma viagem até 30 de abril, a companhia oferece remarcação gratuita para uma nova viagem até 31 de dezembro.

Clientes com viagens até 30 de abril que compraram a passagem até 12 de março podem efetuar o cancelamento sem a necessidade de remarcar imediatamente. O prazo para remarcar a viagem vai até 1º de junho e a nova data deve ser antes de 31 de dezembro de 2020.

No Brasil, a Lufthansa irá operar três voos semanais para Frankfurt partindo do Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. O objetivo é atender repatriados.

Cabo Verde Airlines

A Cabo Verde Airlines comunicou em 17/03 que irá suspender temporariamente todas as suas atividades de transporte a partir de 18/03 por um período de, pelo menos, 30 dias. O alastramento do coronavírus e proibições temporárias de viagens foram os principais motivos para a decisão.

Sky Airline

Em comunicado de 16/03, a companhia anunciou seu plano de proteção ao passageiro, com o objetivo de poder garantir maior flexibilidade às pessoas afetadas pelo fechamento das fronteiras chilenas. A Sky flexibilizou a política de alterações para todos aqueles passageiros afetados com reservas confirmadas até 31 de março. Todos os passageiros que foram lesados por cancelamentos poderão alterar a data, sem penalidade ou diferença de tarifa, para voar até 30 de novembro.

A alteração de rota ou destino também foi liberada sem multas até 30 de novembro. No caso de passageiros com voos que não foram cancelados, será permitida a alteração de data, destino ou rota, sem multa e pagando a diferença de tarifa para voar até 30 de novembro.

Flybondi

A companhia aérea com sede na Argentina informou, em 18/03, que os voos saindo e chegando ao Brasil estão suspensos a partir de 23 de março (segunda-feira) até o dia 31 de março. A empresa também recomendou que os passageiros conheçam as medidas preventivas que a companhia aérea está executando desde o dia 28 de fevereiro em todo os processo de experiência da viagem.

Os passageiros que desejam remarcar a viagem não precisam pagar nenhuma multa, apenas diferença de tarifa. As alterações devem ser realizadas até 31 de março para voar quando quiser. Caso a opção seja por remarcar a viagem em um outro momento, o voucher com o valor da viagem cancelada chega em até 14 dias. O cliente deve entrar em contato com a equipe de atendimento ao cliente da empresa.

Aqueles que desejam solicitar a devolução das suas passagens com data de voo entre 23 e 31 de março, devem enviar um e-mail para [email protected]

Atualização em 26/03: Em comunicado oficial, a companhia aérea suspendeu todos os seus voos até o dia 30 de abril. A Flybondi pretende reativar suas operações a partir de 1º de maio, embora possam eventualmente reiniciar suas operações e ajustar seu cronograma de vendas, conforme as decisões do governo sobre a situação mudem. A empresa manterá a venda ativa para voos com datas após 30/04.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).