Rússia produz o primeiro lote de vacinas contra Covid-19

Carl-Recine/Reuters
Carl-Recine/Reuters

De acordo com a Rússia, a vacina, a primeira contra o coronavírus a entrar em produção, será lançada até o final deste mês.

A Rússia produziu o primeiro lote de sua nova vacina contra a Covid-19, teria dito o ministério da saúde do país de acordo com a agência de notícias Interfax hoje (15), horas depois do ministério informar o início da fabricação.

Alguns cientistas temem que, com essa rápida aprovação regulatória, Moscou esteja colocando o prestígio do país à frente da segurança em meio à corrida global para desenvolver uma vacina contra a doença.

VEJA TAMBÉM:Governo do Paraná assinará parceria com a Rússia para vacina contra Covid-19, diz diretor de instituto

De acordo com a Rússia, a vacina, a primeira contra o coronavírus a entrar em produção, será lançada até o final deste mês.

Sua aprovação acontece antes de testes que normalmente envolveriam milhares de participantes, normalmente conhecidos como Fase III. Esses testes são geralmente considerados essenciais para uma vacina garantir aprovação regulamentar.

A vacina foi batizada de “Sputnik V” em homenagem ao primeiro satélite do mundo lançado pela União Soviética. O presidente Vladimir Putin garantiu ao público que ela é segura, acrescentando que uma de suas filhas tomou-a como voluntária e se sentiu bem depois.

O Instituto Gamaleya de Moscou, que desenvolveu a vacina, afirmou anteriormente que a Rússia deverá produzir cerca de 5 milhões de doses por mês até dezembro-janeiro, segundo a Interfax. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).