Facebook altera política e removerá conteúdo que negue o Holocausto

Dado Ruvic/Reuters
Dado Ruvic/Reuters

O Facebook, a partir do final deste ano, direcionará as pessoas que procuram por termos associados ao Holocausto ou sua negação a informações confiáveis

O Facebook informou hoje (12) que estava atualizando sua política de discurso de ódio para proibir qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto.

A empresa de mídia social também disse que, a partir do final deste ano, direcionará as pessoas que procuram por termos associados ao Holocausto ou sua negação a informações confiáveis do Facebook.

LEIA MAIS: Comissão do Congresso dos EUA detalha abusos de Facebook, Apple, Amazon e Google

A decisão acontece dois anos depois de o presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, ter dito em uma entrevista ao site de tecnologia Recode que, embora ache a negação do Holocausto profundamente ofensiva, ele não acreditava que o Facebook devesse excluir tal conteúdo.

“Lutei com a tensão entre defender a liberdade de expressão e os danos causados por minimizar ou negar o horror do Holocausto”, disse Zuckerberg, que é judeu, em um post no Facebook na segunda-feira. “Meu próprio pensamento evoluiu quando vi dados mostrando um aumento na violência anti-semita, assim como evoluiu nossas políticas mais amplas sobre discurso de ódio”, disse ele.

O Congresso Mundial Judaico e o Comitê Judaico Americano elogiaram a decisão e disseram que a mudança ocorreu após conversas contínuas com o Facebook.

“Por vários anos, o Congresso Judaico Mundial tem defendido que o Facebook remova o conteúdo de negação do Holocausto de sua plataforma e tem trabalhado com as equipes de política da empresa de mídia social para revisar essas postagens e classificá-las como discurso de ódio segundo os padrões da comunidade da empresa”, disse o Congresso Judaico Mundial em uma declaração.

“A aplicação dessas políticas não pode acontecer da noite para o dia”, disse o Facebook em um post. “Existe uma variedade de conteúdo que pode violar essas políticas e levará algum tempo para treinar nossos revisores e sistemas sobre a aplicação.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).