Beber na frente dos filhos determina se eles vão consumir álcool no futuro?

A maneira como um jovem bebe, ou seja, a sua relação com a bebida, recebe grande influência do modelo dos pais.

Arthur Guerra
Compartilhe esta publicação:
 Sally Anscombe/Getty Images
Sally Anscombe/Getty Images

Pais devem conversar com filhos sobre consumo moderado de álcool e prejuízos de beber além da conta

Acessibilidade


Os jovens estão bebendo cada vez mais cedo. Quase 56% dos adolescentes entre 13 e 15 anos já provaram uma bebida, de acordo com a edição mais recente da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), de 2019.

Será que esses jovens foram influenciados por pais que bebiam quando eles eram crianças? É muito difícil afirmar isso, porque, na adolescência, além da influência dos próprios amigos (o ambiente), há também outro fator em jogo: as mídias sociais.

LEIA TAMBÉM: Bem-estar digital: você ainda vai ouvir falar muito deste termo

A motivação para começar a beber é um tema complexo e ainda pouco estudado, ao menos no Brasil. O que se pode afirmar é que a maneira como um jovem bebe, ou seja, a sua relação com o álcool, recebe grande influência do modelo de consumo de álcool dos pais.

Assim, se os pais passam a mensagem de que beber gera uma alegria excessiva, até falsa, que com o álcool a irritação chega mais fácil, que o tom da voz aumenta, que as discussões e brigas físicas são mais fáceis, que se pode “apagar” ou perder a memória, é provável que, mais tarde, essa criança vá ter uma relação nociva com as bebidas alcoólicas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Mas também é possível que esses comportamentos perniciosos fiquem marcados naquela criança e, mais tarde, ela fuja do álcool.

O que se espera é que os pais possam passar aos filhos que é possível, sim, haver um consumo moderado e ocasional de álcool, bem como, numa conversa franca, ensinar que beber além da conta traz diversos prejuízos para a saúde física e para a vida social e profissional.

O que os pais não devem, nunca, é tentar esconder ou fingir que não bebem. Mais cedo ou mais tarde, os filhos percebem a mentira. Além disso, há coisas que adultos podem fazer e que crianças não podem. Também é preciso considerar que cada cultura tem uma relação diferente com o álcool e não há nada errado nisso.

Eles também não devem fingir que não estão alcoolizados. Há evidências de que em torno dos três anos de idade as crianças já identificam a embriaguez de um adulto.

Elas não conseguem verbalizar que o pai ou a mãe estão embriagados, mas percebem que algo está errado e geralmente se afastam ou se refugiam no quarto.

Crianças que convivem com pais que bebem de forma nociva costumam não querer ir à casa de amigos, porque há uma reciprocidade entre colegas. Quem foi dormir na casa de um depois recebe o amigo para dormir em casa. Essas crianças evitam ir na casa de quem gostam porque, pela lógica da reciprocidade, não querem que um terceiro presencie o que elas testemunham em casa.

Há uma frase que eu gosto de repetir: o exemplo não é a melhor forma de ensinar algo a alguém. É a única forma.

Dr. Arthur Guerra é professor da Faculdade de Medicina da USP, da Faculdade de Medicina do ABC e cofundador da Caliandra Saúde Mental.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: