Preços do petróleo colapsam nos EUA

ReutersAngus-Mordant
ReutersAngus-Mordant

A demanda física por petróleo secou, criando um excesso de oferta global

Os contratos futuros do petróleo nos Estados Unidos foram negociados em valores negativos hoje (20) pela primeira vez na história, com o primeiro vencimento terminando o dia a impressionantes US$ 37,63 negativos por barril, após operadores liquidarem posições de forma massiva em meio ao rápido preenchimento das reservas no centro de distribuição de Cushing, em Oklahoma.

O petróleo Brent, valor de referência internacional, também recuou, mas a fraqueza não foi nem de longe tão grande quanto à do WTI, uma vez que globalmente há mais espaço disponível para armazenamento.

O contrato de maio do petróleo dos EUA fechou em queda de US$ 55,90, ou 306%, a US$ 37,63 negativos por barril, depois de tocar uma mínima histórica de US$ 40,32 negativos. O Brent cedeu US$ 2,51, ou 9%, para US$ 25,57 o barril.

“O armazenamento está cheio demais para que especuladores comprem esse contrato, e as refinarias estão operando a níveis baixos porque não flexibilizamos as ordens de isolamento na maior parte dos Estados”, disse Phil Flynn, analista do Price Futures Group em Chicago. “Não há muita esperança de que as coisas possam mudar em 24 horas.”

VEJA MAIS: Petróleo sente os efeitos do coronavírus

A demanda física por petróleo secou, criando um excesso de oferta global em um momento em que bilhões de pessoas ficam em casa para frear a disseminação do novo coronavírus.

As refinarias estão processando muito menos petróleo que o normal, o que faz com que milhões de barris fiquem “presos” em instalações de armazenamento em todo o mundo. Tradings contrataram navios apenas para ancorá-los e enchê-los de petróleo. Um recorde de 160 milhões de barris está estocado em navios-tanque no mundo.

Já os estoques em Cushing avançaram em 9% na semana até 17 de abril, totalizando cerca de 61 milhões de barris, disseram operadores, citando um relatório da Genscape.

O contrato de junho do WTI, mais ativo, terminou a sessão em nível muito superior ao maio, cotado a US$ 20,43 o barril. O spread entre os dois vencimentos chegou a bater US$ 60,76, o maior da história para dois contratos próximos.

Os preços negativos do petróleo nos EUA significam que, pela primeira vez na história, vendedores têm de pagar aos compradores para que estes recebam os contratos futuros. Não está claro, porém, se isso chegará aos consumidores, que geralmente observam os preços mais baixos sendo traduzidos em valores menores da gasolina nas bombas. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).