Joe Biden será o próximo presidente americano, segundo o mercado de apostas

gettyimagesChicago-Tribune
gettyimagesChicago-Tribune

O mercado de apostas, pela primeira vez, começou a enxergar Biden como o favorito a ser eleito

O presidente norte-americano, Donald Trump, sempre se mostrou preocupado com a sua reeleição. Gostando ou não da pessoa, ele notavelmente entende a importância de criar uma narrativa positiva para garantir os votos necessários. Atualmente, a narrativa não poderia ser mais negativa.

Trump foi um famoso apresentador de televisão, assim, trabalhar com o pensamento de massas é algo natural para ele. Para entender o pensamento que o move, é importante mencionar o documentário “Get me Roger Stone”. O filme retrata os bastidores da campanha de 2016, e vemos em determinado momento o marqueteiro, que é o personagem título, falando “O eleitor médio americano não sabe diferenciar muito bem um reality show das eleições americanas”.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Pensando em 2020 como um reality show, essa é de longe a pior temporada, das quatro em que Trump esteve na Casa Branca.

Vamos olhar primeiro para a economia. As projeções dos dirigentes do Fed, o banco central dos EUA, divulgadas no dia 10 de junho, apontam que a economia deve contrair 6,5% no ano, enquanto o desemprego deve encerrar em 9,3%. Essa era uma das principais bandeiras de seu governo, que manteve o pleno emprego nos últimos três anos e cresceu acima do seu potencial. Ainda que impulsionado por um estímulo fiscal de corte de impostos inadequado para aquele momento. O país seria bem mais beneficiado agora que está em dificuldades.

Os protestos sempre ocorreram, mas a escalada nacional que estamos observando nas últimas semanas afeta demais a popularidade de Trump. Considerando uma média de pesquisas americanas, o presidente conta com 54,7% de desaprovação e 40,9% de aprovação. Com clara tendência de piora recente, como vemos no gráfico.

Fonte: FiveThirtyEight

Ainda falando sobre pesquisas, o candidato democrata Joe Biden sempre liderou. A novidade vem do mercado de apostas, que pela primeira vez começou a enxergar Biden como o favorito a ser eleito, como podemos ver no gráfico.

Fonte:Predict.org Elaboração XP

Uma derrota de Trump quebraria uma tradição que já dura 28 anos, nenhum presidente perdeu a reeleição. A última vez que isso correu foi em 1992, quando Bill Clinton (Dem) venceu George H. W. Bush (Rep).

O risco é real e cada vez maior. O presidente tenta pressionar ao máximo governadores pela reabertura de suas economias, buscando criar um momento positivo. A ideia é mostrar que os esforços pessoais, para garantir pacotes de trilhões de dólares de socorro, salvaram empregos e a atividade.

Em outra frente, seguirá culpando a China por toda a crise gerada no ano. Algo que não tem colado com a população. Diferente da guerra comercial, em que o eleitor basta apenas acreditar nas palavras do presidente. Isso pois não é tão palpável para todos o real efeito da disputa de tarifas na economia. A crise atual é atualizada diariamente em número de mortos.

Em qualquer das frentes, vemos que é bem mais complicado criar um discurso que não seja de minimizar danos recentes.

Joe Biden, em sua estratégia, vem apoiando os protestos, o que é levemente arriscado com o eleitor mais conservador. Ainda acusa o governo atual de apoiar apenas a recuperação de empresas. Por enquanto, está se traduzindo em números, e o aproximando da Casa Branca.

Na virada do ano, a reeleição parecia altamente provável. Do jeito que a narrativa anda, a ideia de uma mudança se torna cada vez mais sedutora.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).