Preços do petróleo sobem após Trump garantir que acordo comercial com China segue intacto

Ines Heinkel / EyeEm/Getty Images
Ines Heinkel / EyeEm/Getty Images

O petróleo Brent subia US$ 0,72, ou 1,67%, a US$ 43,8 por barril, às 8:04 (horário de Brasília)

Os preços do petróleo subiam hoje (23), em uma sessão volátil causada por uma confusão sobre a atual situação do acordo comercial entre Estados Unidos e China.

Os mercados ficaram estressados após comentários inesperados do assessor de comércio da Casa Branca, Peter Navarro, que disse que o duramente conquistado acordo estava “acabado”, embora depois o presidente norte-americano Donald Trump tenha acalmado os nervos ao assegurar que o acordo está totalmente intacto.

VEJA TAMBÉM: Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, e fique por dentro de tudo sobre empreendedorismo

O petróleo Brent subia US$ 0,72, ou 1,67%, a US$ 43,8 por barril, às 8:04 (horário de Brasília). O petróleo dos Estados Unidos avançava US$ 0,74, ou 1,82%, a US$ 41,47 por barril.

Mais cedo, o Brent tocou uma mínima na sessão de US$ 42,21, enquanto o petróleo nos EUA chegou a atingir uma mínima de US$ 39,76.

As relações entre China e EUA atingiram o pior ponto em anos desde que a pandemia de coronavírus iniciadas em solo chinês atingiu os Estados Unidos. Trump e sua administração têm repetidamente acusado Pequim de falta de transparência sobre o vírus.

Mas os preços do petróleo foram apoiados ainda por dados mostrando que a retração histórica na economia da zona do euro teve um novo alívio neste mês, com negócios retomando atividades pela região.

“Olhando a força do mercado físico e a recuperação na demanda global por petróleo, acreditamos que o preço do petróleo ainda tem espaço para avançar”, disse o banco nórdico SEB em nota. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).