Pandemia de Covid-19 custará ao futebol US$ 14 bilhões neste ano, diz Fifa

Cifra foi baseada no cenário atual, em que o esporte está sendo retomado lentamente após um hiato de três meses.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Kim Hong-Ji/Reuters
Kim Hong-Ji/Reuters

Olli Rehn, que chefia o comitê da Fifa criado para lidar com os efeitos da pandemia, afirmou que o futebol na América do Sul foi especialmente atingido

Acessibilidade


A pandemia de Covid-19 deve custar aos clubes de futebol US$ 14 bilhões em todo o mundo, cerca de um terço de seu valor estimado, disse hoje (16) um importante dirigente da Fifa.

Olli Rehn, que chefia o comitê da Fifa criado para lidar com os efeitos da pandemia, afirmou que a entidade, juntamente com consultores financeiros, estimou o valor do futebol de clubes entre US$ 40 bilhões e US$ 45 bilhões em todo o mundo.

LEIA MAIS: Os jogadores de futebol mais bem pagos do mundo em 2020

Segundo ele, a cifra de US$ 14 bilhões foi baseada no cenário atual, em que o futebol está sendo retomado lentamente após um hiato de três meses, mas será um “jogo diferente” se a pandemia não diminuir.

“O futebol foi duramente atingido pela pandemia de coronavírus”, disse Rehn, ex-comissário da União Europeia e agora governador do Banco da Finlândia, à Reuters television.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Isso criou muita turbulência em diferentes níveis, com alguns clubes profissionais enfrentando sérias dificuldades. Também estou muito preocupado com as academias de juniores e as divisões de base.”

Rehn afirmou que o futebol na América do Sul foi especialmente atingido, enquanto a África e a Ásia também são motivo de preocupação.

A Fifa alocou US$ 1,5 bilhão para ajudar a combater os efeitos da pandemia e Rehn disse que 150 das 211 associações solicitaram recursos até agora. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: