IGP-DI desacelera em setembro com arrefecimento no atacado, diz FGV

Em setembro, IGP-DI ficou em 3,30%. No ano, o índice acumula alta de 14,80% e, em 12 meses, o aumento é de 18,44%

Redação
Compartilhe esta publicação:
SEAN GLADWELL/GettyImages
SEAN GLADWELL/GettyImages

Em setembro, IGP-DI ficou em 3,30%. No ano, o índice acumula alta de 14,80% e, em 12 meses, o aumento é de 18,44%

Acessibilidade


O Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) desacelerou em setembro, para 3,30%, após subir 3,87% no mês anterior, refletindo o arrefecimento na inflação ao produtor, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) hoje (7). No ano, o IGP-DI acumula alta de 14,80% e, em 12 meses, o aumento é de 18,44%.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-DI), que responde por 60% do indicador, subiu 4,38% em setembro, uma desaceleração em relação ao salto de 5,44% apresentado em agosto.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O grupo que mais colaborou para a leitura foi o de Matérias-Primas Brutas, que subiu 6,77% em setembro, contra salto de 10,55% no mês anterior, refletindo a desaceleração nos preços de commodities como o minério de ferro, o café em grão e também da carne suína.

Para o consumidor, setembro teve maior pressão da inflação, uma vez que o índice de Preços ao Consumidor (IPC) – que responde por 30% do IGP-DI – subiu 0,82% no mês, após ganho de 0,53% em agosto.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O grupo Educação, Leitura e Recreação, que acelerou a alta de 0,05% para 3,19% em setembro, e o Alimentação, que ampliou 0,81% no mês, para 1,81%, foram os principais responsáveis pelo comportamento do IPC, influenciados fortemente pela disparada nos preços das passagens aéreas, do arroz e do feijão.

Enquanto isso, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) subiu 1,16% em setembro, ante alta de 0,72% no mês anterior. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: