Avanço industrial da China é moderado em dezembro, mostra PMI do Caixin

Hirose Masaki / GettyImages
Hirose Masaki / GettyImages

Pesquisa mostrou que fábricas chinesas dispensaram mais trabalhadores do que contrataram pela primeira vez em quatro meses

A atividade no setor industrial da China avançou em dezembro conforme a segunda maior economia do mundo sustentou sua recuperação para níveis pré-pandemia, mostrou hoje (04) a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) do Caixin/Markit.

O índice caiu a 53,0 de 54,9 em novembro, permanecendo bem acima da marca de 50 que separa crescimento de contração, embora abaixo das expectativas e no ritmo mais fraco em três meses.

Analistas consultados pela Reuters projetavam leitura de 54,8.

O vasto setor industrial da China vem apresentando uma recuperação impressionante do choque do coronavírus graças a exportações surpreendentemente fortes.

O PMI do Caixin é divulgado após um índice oficial da atividade industrial, que se foca mais em empresas maiores e estatais, ter também moderado mas permanecido forte.

“O impacto negativo da pandemia sobre a economia doméstica enfraqueceu mais e a indústria manufatureira continuou a se recuperar. Tanto a oferta quanto a demanda continuaram a melhorar. A demanda externa também aumentou”, disse Wang Zhe, economista sênior do Caixin Insight Group.

A pesquisa também mostrou que os preços dos insumos subiram com força, no ritmo mais forte desde 2017, com os metais especialmente mais caros. As fábricas chinesas também dispensaram mais trabalhadores do que contrataram pela primeira vez em quatro meses, embora a queda tenha sido modesta. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).