Argentina pressiona pelo adiamento do acordo da dívida com o FMI até que a pandemia diminua

A vice-presidente e o presidente da Argentina estão há meses em busca da reestruturação de um empréstimo de US$ 44 bilhões .

Redação
Compartilhe esta publicação:
AnadoluAgency/GettyImages
AnadoluAgency/GettyImages

A vice-presidente e o presidente da Argentina estão há meses em busca da reestruturação de um empréstimo de US$ 44 bilhões

Acessibilidade


A vice-presidente argentina Cristina Kirchner e seus aliados querem adiar um acordo de dívida de US$ 44 bilhões com o Fundo Monetário Internacional (FMI) até que a pandemia diminua, informou o Financial Times ontem (14).

Há cerca de uma semana, o presidente argentino Alberto Fernández disse acreditar que o FMI deveria conceder ao país termos mais flexíveis.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

A Argentina está há meses em negociações com o FMI para reestruturar os termos de um empréstimo buscado pelo antecessor de Fernandez, Mauricio Macri, para enfrentar uma crise econômica que fez a pobreza disparar no país que é um dos maiores produtores mundiais de grãos. (com Reuters)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: