Eletrobras pode mais que dobrar de valor após privatização, projetam analistas

Os papéis PN da Eletrobras operavam a R$ 35 nesta quarta, em alta de cerca de 9% por volta das 11h45.

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Brendan McDermid
REUTERS/Brendan McDermid

Os papéis PN da Eletrobras operavam a R$ 35 nesta quarta, em alta de cerca de 9% por volta das 11h45

Acessibilidade


O eventual sucesso na proposta do governo de privatizar a Eletrobras poderia mais que dobrar o valor das ações da companhia, disseram analistas de bancos em relatórios, embora com ressalvas de que o projeto deve sofrer resistência e ter um caminho difícil à frente no Congresso.

O presidente Jair Bolsonaro entregou na noite de ontem (23) aos presidentes da Câmara e do Senado uma medida provisória sobre a desestatização, que ocorreria por meio de uma emissão de novas ações e diluiria a fatia do governo na elétrica.

“Evidentemente, há um significativo valor adicional a ser destravado se a privatização tiver sucesso. Nesse caso, nosso preço-alvo para ELET6 salta para R$ 75 por ação”, escreveu a equipe do BTG Pactual, sobre as ações preferenciais da empresa.

Os papéis PN da Eletrobras operavam a R$ 35 nesta quarta, em alta de cerca de 9% por volta das 11h45, após subirem mais de 10% na véspera.

“Nosso cenário de análise pós-capitalização (desestatização) sugere um valor hipotético no intervalo entre 58,3/R$ 91,3 por ação para ELET3 (ações ordinárias) e 63,8/R$ 100,2 por ação para ELET6”, projetaram analistas do Goldman Sachs.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os papéis ordinários da Eletrobras subiam 6% nesta quarta, a R$ 34,63.

“No entanto, observamos potenciais desafios para a aprovação da proposta, especialmente uma vez que a companhia ainda não tem um novo CEO indicado”, alertou o Goldman, referindo-se ao anúncio pela companhia no final de janeiro sobre a saída de seu presidente-executivo Wilson Ferreira Jr. em meados de março.

Ferreira assumirá o comando da BR Distribuidora, em decisão tomada, segundo ele, após ver “perda de tração” na privatização da elétrica.

Os analistas do BTG disseram que a retomada da desestatização por MP, e não projeto de lei como antes, tem potencial de acelerar o processo, “mas ainda há riscos de que o texto expire antes de ser aprovado, especialmente considerando a resistência à tentativa anterior (de privatização).

Em suas projeções de preço-alvo para as ações ordinárias da companhia em condições atuais, de R$ 63, o BTG disse levar em consideração uma chance de 50% de desestatização.

“O fato de que o presidente Bolsonaro entregou pessoalmente a MP ao Congresso mostra sinais muito mais fortes de comprometimento do governo em fazer isso acontecer”, destacou.

Já o time de research do Credit Suisse disse que a decisão do governo de avançar com a privatização “é certamente positiva para a Eletrobras”, mas destacou que “ainda precisamos de apoio político para que a proposta seja aprovada”.

“Lembramos a investidores que o governo sofreu anteriormente (para avançar) com a privatização e, consequentemente, acreditamos que é importante ter uma visão mais clara sobre a opinião do Congresso em relação a essa nova MP.”

O projeto de lei sobre a desestatização enviado ao Congresso pelo governo Bolsonaro no final de 2019 não andou, e sequer teve relator indicado.

A MP segue bases semelhantes previstas anteriormente no projeto de lei, com mudanças pontuais que aumentam contrapartidas exigidas da empresa após a operação.

A medida provisória precisa ser votada em 60 dias, prorrogáveis por mais 60, para se tornar lei. Enquanto isso, no entanto, seus dispositivos já vigoram, o que permitirá ao governo contratar o BNDES serviços técnicos relacionados à privatização. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: