Lucro da Louis Dreyfus salta 66% antes de entrada de novo investidor

Resultado do grupo subiu para US$ 382 milhões, de US$ 230 milhões em 2019

Redação
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


A Louis Dreyfus reportou hoje (25) um salto de 66% no lucro líquido de 2020, à medida que uma resiliente demanda por alimentos impulsionou a comerciante global de produtos agrícolas durante a pandemia de Covid-19 e aumentou seu apelo para a ADQ, de Abu Dhabi, que se tornará um novo investidor do grupo.

Os lucros líquidos do grupo subiram para US$ 382 milhões, de US$ 230 milhões em 2019, enquanto os lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) das operações continuadas cresceu para US$ 1,324 bilhões, de 836 milhões.

O grupo citou a resiliente demanda por produtos alimentícios como cereais e açúcar, além de margens atraentes para a soja, associadas ao consumo chinês, além de oportunidades de “trading” em meio à volatilidade dos mercados de commodities.

A demanda enfraqueceu, no entanto, para algodão e biocombustíveis, com a pandemia reduzindo atividades nos setores têxtil e de energia.

A LDC está buscando impulsionar suas finanças por meio de um acordo para a venda de uma fatia de 45% à ADQ. A empresa também fechou um acordo em separado para vender a sua endividada empresa brasileira de açúcar e etanol, a Biosev, para a Raízen.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Trazer a ADQ a bordo nos permite acelerar investimentos como parte de nossa estratégia transformacional”, disse a presidente do conselho e principal acionista, Margarita Louis-Dreyfus, em relatório anual divulgado com os resultados.

Lucros fracos e dívidas em alta nos anos anteriores haviam criado urgência na busca de Louis-Dreyfus por um investidor externo para a companhia.

O valor do negócio com a ADQ, uma estatal de investimentos, não foi revelado. A transação deve ser concluída até meados de 2021.

Mas Louis-Dreyfus disse que o negócio permitirá a ela pagar um empréstimo de US$ 1 bilhão do Credit Suisse utilizado para a compra de fatias minoritárias de membros da família na empresa.

Já a LDC disse que os recursos também contribuirão para o reembolso de um empréstimo de US$ 1 bilhão fornecido à Biosev. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: