Pesquisadores analisam estratégias vencedoras nas ações em 2020

Durante grande parte do ano passado, alguns drivers impulsionaram empresas a superar a pandemia e oferecer ganhos significativos. Entenda quais são

Simon Moore
Compartilhe esta publicação:
XINHUA NEWS AGENCY/GETTY IMAGES
Xinhua News Agency/GettyImages

Durante grande parte do ano passado, alguns drivers impulsionaram empresas a superar a pandemia e oferecer ganhos significativos. Entenda quais são

Acessibilidade


A queda do mercado de ações causada pela Covid-19 em março de 2020 atingiu todos os setores. A maioria dos ativos sofreu quedas abruptas de valor. Isso se estendeu até mesmo àquelas frequentemente consideradas como resilientes pelo mercado. O S&P 500 caiu um terço em pouco mais de um mês. Olhando para trás, pesquisadores identificaram estratégias que ofereciam um certo grau de proteção durante a “carnificina do mercado”. Eles descobriram o tipo de ação que se manteve um pouco melhor durante o primeiro trimestre e ofereceu uma perspectiva de ganhos significativos para o ano como um todo.
Não ESG

Em uma primeira análise, muitos viram os investimentos em ESG como uma estratégia eficaz durante a desaceleração do mercado. Isso faz sentido. Empresas mais bem administradas com foco mais no longo prazo, como aquelas que apresentam bom desempenho nas métricas ESG, podem se manter melhores em tempos de estresse econômico.

No entanto, pesquisas subsequentes desafiaram essa visão. Quando outros fatores que impulsionam os retornos de ações estão em uma rota diferente, o ESG tem um impacto menos perceptível na geração de retornos, foi o que aconteceu durante o primeiro trimestre e todo o ano de 2020. Se o ESG não estava necessariamente gerando retornos para as ações em 2020, o que estava?

Ativos intangíveis

Depois de controlar uma série de variáveis diferentes e examinar centenas de ações, os pesquisadores acreditam que uma das causas inesperadas do desempenho das ações durante Covid é o investimento em ativos intangíveis. Isso se manteve durante o ano todo. Ele também parece um preditor de desempenho das ações muito melhor do que as pontuações ESG, uma vez que outros fatores são controlados.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Portanto, as vencedoras de 2020 foram empresas que investiram não em instalações e máquinas, mas em ativos que são mais difíceis de negociar e avaliar valor, como patentes, pesquisa, tecnologia e branding. É importante ressaltar que o valor desse tipo de investimento foi sustentado. Funcionou no primeiro trimestre de 2020 e se manteve durante o ano como um todo também. Outros fatores também funcionaram, mas com menos consistência.

O dinheiro foi rei, mas não por muito tempo

Durante a crise, o dinheiro era rei. As empresas com mais caixa e menos dívidas resistiram melhor durante o colapso inicial do mercado, embora essa variável só tenha sido realmente relevante durante o choque do primeiro trimestre, importando menos para o ano como um todo, onde ter o endividamento pode até ter ajudado um pouco nos resultados. O balanço financeiro de uma empresa foi um fator menos importante na movimentação das ações em 2020.

Ações de Tecnologia

Durante o primeiro trimestre, as empresas com menos peso de investimentos institucionais se saíram pior, talvez sugerindo que os investidores de varejo estavam mais propensos ao pânico. No entanto, para o ano como um todo esse fator tornou-se menos significativo. Empresas mais jovens e deficitárias, com valuations mais altos, que não pagaram dividendos e tinham mais cobertura de analistas tiveram desempenho superior ao longo de 2020. Ecoando o que os observadores do mercado viram sobre empresas que cresceram com as medidas de distanciamento social. As ações de tecnologia orientadas para o crescimento atraíram a atenção do investidor.

A pesquisa demonstra métodos de regressão estatística, que determina a correlação em vez de causalidade. Uma estrutura útil para análise de mercado, especialmente quando as descobertas podem ser explicadas logicamente como parecem ser neste caso, ajudando a encontrar o conjunto indescritível de ações que serão robustas para a próxima crise e a moldar nossas visões sobre os retornos das ações nos anos subsequentes.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: