Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Samarco

Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Bandeiras do Brasil e da Austrália em frente à entrada da sede da Samarco, joint venture entre Vale e BHP em Mariana (MG)

A Samarco teve deferido o pedido de recuperação judicial protocolado na sexta-feira (9) na Justiça de Minas Gerais, decisão que garante a proteção contra ações de execução de dívidas pelos credores, que são em sua maior parte fundos estrangeiros detentores de títulos de dívida, disse a mineradora hoje (12).

“As operações da Samarco, empresa com mais de 40 anos de história, proporcionam empregos, movimentam a economia local e trazem benefícios para a comunidade, além da continuidade das ações de reparação e compensação de danos”, disse a Samarco, referindo-se ao desastre em Mariana (MG).

LEIA MAIS: Samarco pede recuperação judicial para manter capacidade de operar, diz Vale

Segundo a companhia, uma joint venture entre Vale e BHP, a recuperação judicial não terá impacto nas atividades operacionais e nem nas ações de reparação e compensação conduzidas pela Fundação Renova, instituição que realiza os pagamentos relacionados ao desastre com a barragem de Fundão.

As operações da Samarco foram reiniciadas em dezembro de 2020, com a retomada de um de seus três concentradores para beneficiamento de minério de ferro no Complexo de Germano, localizado em Mariana, e de uma das quatro usinas de pelotização do Complexo de Ubu, em Anchieta (ES), totalizando uma capacidade de produção de 7 milhões a 8 milhões de pelotas de minério de ferro. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).