Recuperação econômica da zona do euro acelera em abril, mostra PMI

NuthawutSomsuk/GettyImages
NuthawutSomsuk/GettyImages

Crescimento foi impulsionado pelo setor de serviços, que se adaptou aos lockdowns e retornou ao crescimento

A recuperação da zona do euro após contração econômica induzida pela pandemia foi muito mais forte do que o esperado em abril, uma vez que o setor de serviços se adaptou aos lockdowns e retornou ao crescimento, mostrou pesquisa.

O PMI (Índice de Gerentes de Compras, na sigla em inglês) Composto do IHS Markit, considerado bom guia da saúde econômica, subiu para a máxima de nove meses de 53,7 ante 53,2 em março, contra expectativa de 52,8 em pesquisa da Reuters. Leitura acima de 50 indica expansão.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“Em um mês durante o qual as medidas de contenção foram apertadas diante de mais ondas de infecções, a economia da zona do euro mostrou força encorajadora”, disse o economista-chefe do IHS Markit, Chris Williamson.

O PMI do setor de serviços subiu a 50,3 de 49,6 no mês passado, superando a expectativa de queda para 49,1. Já as fábricas tiveram seu mês mais ativo desde que a pesquisa começou em meados de 1997. O PMI da indústria subiu a 63,3 de 62,5 em março e expectativa de 62,0. O subíndice de produção chegou à máxima da pesquisa de 63,4, ante 63,3.

“Gastos reprimidos, acúmulo de estoques, investimentos em novo maquinário e otimismo crescente sobre o cenário ajudaram a alimentar o recorde na produção e novas encomendas”, disse Williamson. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).