Apple e Berkshire Hathaway ignoram o blockchain, enquanto gigantes abraçam a tecnologia

Getty Images
Getty Images

Estariam as companhias lideradas por Tim Cook e Warren Buffett deixando uma revolução tecnológica passar por elas?

Das 10 maiores empresas de capital aberto do mundo, oito possuem atuação direta ou indireta no ramo de blockchain – construindo uma ampla gama de produtos que usam a tecnologia de razão distribuída, popularizada inicialmente pelo bitcoin. Mas o mais impopular é o fato de que Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, e a Apple, de Tim Cook, não fazem parte do grupo.

Os resultados são baseados na lista anual Global 2000 da Forbes das maiores empresas de capital aberto do mundo, com base em vendas, lucros, ativos e valor de mercado. É significativo que metade das 10 principais empresas da lista tenham sido apresentadas no Blockchain 50 anual da Forbes. A empresa número um na lista é, mais uma vez, o Banco Industrial e Comercial da China, de propriedade do governo chinês, que agora tem 30 aplicativos de blockchain rastreando cobertura de saúde, doações filantrópicas e muito mais.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Embora a Apple (nº 6 da lista) e a Berkshire Hathaway (nº 3) tenham se envolvido publicamente com o blockchain, até agora o envolvimento com a tecnologia parece estar em estágio inicial e defensivo. Eles estão deixando uma revolução tecnológica passar por eles?

A negligência quase total da Apple no blockchain é mais surpreendente. Criou toda a indústria de smartphones e tablets e liderou o caminho para conectar esses dispositivos à economia global com produtos como o Apple Pay (com 500 milhões de usuários de iPhone) e o Apple Card emitido pelo Goldman Sachs (No. 26 no Global 2000). No ano passado, o ex-executivo do Goldman Sachs, Raoul Pal, especulou de maneira desejosa o que significaria se a Apple movesse apenas uma fatia de seu baú de guerra de US$ 200 bilhões para o bitcoin. No ano anterior, a vice-presidente da Apple Pay, Jennifer Bailey, disse que a criptomoeda tem “potencial de longo prazo”.

A única prova sólida do trabalho da Apple em blockchain é uma patente e um depósito na SEC. Em fevereiro de 2016, a Apple entrou com um pedido de patente de blockchain para para “carimbar” documentos digitais, permitindo que seu movimento seja rastreado com mais precisão e potencialmente ajudando a prevenir fraudes. Cinco anos atrás, a patente gerou algumas ondas na mídia, mas agora que a IBM (nº 60), a Xerox e outras registraram patentes semelhantes.

Em 2019, a Apple apresentou um relatório a Securities and Exchange Commission detalhando seu “apoio” ao desenvolvimento de diretrizes de blockchain para a organização sem fins lucrativos Responsible Business Alliance, uma coalizão de cadeias de suprimentos globais que busca eliminar materiais cuja venda é usada para apoiar esforços de guerra. Nos últimos três anos, nada mais foi revelado publicamente sobre o envolvimento da Apple nisso, e a empresa não respondeu a vários pedidos de informações adicionais.

De forma tentadora, a Apple em fevereiro de 2020 contratou o ex-chefe de novas tecnologias do Warner Music Group, Jeff Bronikowski, que ajudou a Warner Music em seu trabalho inicial com tokens não fungíveis (NFT). Bronikowski também estava explorando como os fãs podiam dar gorjetas aos músicos favoritos com criptomoedas. A Apple ignorou vários pedidos para esclarecer se Bronikowski continua com interesses semelhantes na Apple.

Existem algumas possibilidades o motivo da Apple deixar o blockchain passar por ela. Em primeiro lugar, o Apple Pay foi projetado para resolver muitos dos problemas que a criptomoeda resolve, incluindo transações lentas e dificuldade em fazer compras no varejo em todo o mundo. Embora sistemas de pagamentos como PayPal e Square tenham adotado o bitcoin, eles também permitem que os clientes comprem e mantenham o ativo, mais como um veículo de investimento do que um meio de pagamento, algo que a Apple pode estar cautelosa em fazer.

Em segundo lugar, a Apple, para o bem ou para o mal, construiu seu nome em redes fechadas. Enquanto a Microsoft (No. 15) – uma grande líder em blockchain – fez sua fortuna escrevendo um software que podia rodar em qualquer número de provedores de hardware intercambiáveis. Os produtos da Apple são notoriamente difíceis de desmontar e não funcionam bem com os outros, características que não combinam bem com o ethos de código aberto do blockchain.

Se a falta de trabalho em blockchain da Apple é surpreendente, é francamente mais chocante que a Berkshire Hathaway tenha algo a ver com isso. O reverenciado CEO da Berkshire, Warren Buffett, chamou o bitcoin de “veneno de rato ao quadrado” e, em maio, seu braço direito, Charlie Munger, disse que “odeia” o sucesso do bitcoin, chamando-o de “contrário aos interesses da civilização”.

No entanto, em abril de 2018, a subsidiária de joalheria da Berkshire Hathaway, Richline Group, fez um grande estrondo quando a IBM anunciou que se juntaria às gigantes da joalheria Asahi Refining e Helzberg Diamonds para usar blockchain no rastreamento do fluxo de jóias, garantindo que não viessem de minas usadas para financiar conflitos. Desde então, quase nada foi visto da iniciativa e um porta-voz da IBM confirmou que ela não existe mais.

Em dezembro de 2019, a firma de contratos inteligentes com sede em Nova York ShelterZoom anunciou uma parceria com a Berkshire Hathaway HomeServices Professional Realty. Eles pretendiam mover a papelada sobre imóveis da empresa para um livro-razão compartilhado. Os esforços não tiveram sucesso.

Embora a Apple e a Berkshire Hathaway sejam empresas muito diferentes, têm pelo menos uma grande coisa em comum: poder quase hegemônico e controle sobre várias camadas de sua própria cadeia de suprimentos.

O blockchain representa o poder de abrir redes compartilhadas para uso público. Muitas das maiores empresas do mundo adotaram a eficiência de mover fluxos de trabalho para esses livros-razão distribuídos, mas a Apple e a Berkshire Hathaway parecem ser a antítese disso. Eles são tão grandes que criaram e prosperam em seus próprios sistemas solares autossuficientes. Em vez de economizar dinheiro usando redes compartilhadas, esses dois gigantes precisam apenas confiar em sua gravidade absoluta para fazer com que todos em suas órbitas continuem fazendo as coisas da maneira antiga.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).