Banco Central está otimista com crescimento e vigilante com disseminação da inflação, diz Campos Neto

Campos Neto, presidente do Banco Central, disse que a economia parece estar reagindo melhor à segunda onda da pandemia

O BC (Banco Central) está otimista com a reação da economia e vigilante com a inflação, disse hoje (31) o presidente da autarquia, Roberto Campos Neto.

Em intervenção em painel no Fórum de Investimentos Brasil 2021, organizado pelo governo, Campos Neto destacou que os indicadores antecedentes mostram que a economia brasileira teve uma melhora no primeiro trimestre e que o segundo trimestre está “um pouquinho melhor”.

LEIA MAIS: Campos Neto diz que câmbio reagiu a melhora fiscal e reforça que cumprirá meta de inflação

“Acho que a grande dúvida é o segundo semestre, o quanto de recuperação de serviços já veio, quanto vai vir”, disse Campos Neto. “Mas a gente acha que, olhando o tema da vacinação, vai nos proporcionar uma abertura, uma possibilidade de abertura maior no segundo semestre.”

Ele acrescentou que a economia parece estar reagindo melhor à segunda onda da pandemia, mesmo com os índices de hospitalizações e óbitos mais severos do que o visto na primeira onda, no ano passado.

“De uma forma geral estamos otimistas aí com o crescimento da economia, com a forma como a economia está reagindo. Estamos otimistas também com a possibilidade de reabertura no segundo semestre.”

O presidente do BC disse, ainda, que ao promover uma alta de juros acima do esperado pelo mercado, a intenção foi conter a disseminação da inflação. O Copom (Comitê de Política Monetária) promoveu duas altas de 0,75 ponto percentual na taxa Selic desde março, a 3,5% ao ano, e indicou a intenção de promover um terceiro aperto da mesma magnitude em junho.

“O Banco Central está olhando vigilante a inflação, olhando a disseminação“, afirmou Campos Neto.

EMERGENTES X DESENVOLVIDOS

Ao ser questionado sobre como a economia mundial vai emergir da crise da pandemia, Campos Neto chamou atenção para as diferenças do impacto da crise para o mundo desenvolvido e os mercados emergentes.

Ele afirmou que, ainda que o aumento do endividamento tenha sido generalizado, o aumento do fator de risco para os emergentes foi muito maior. O impacto da alta das commodities também pesou mais para a inflação nos países emergentes, onde houve desvalorização das moedas e o peso da inflação de alimentos é proporcionalmente maior. Além disso, o acesso à vacinação tem sido mais lento entre os emergentes, lembrou.

Para ele, o fator mais importante será a constatação de que esse processo inflacionário nos países desenvolvidos é temporário ou, ao contrário, de que os bancos centrais possam estar atrasados no processo de aperto monetário.

“No primeiro caso é um processo benigno para o mundo emergente, no segundo não. Acho que esse é o ponto que a gente precisa observar”, afirmou.

Campos Neto disse, ainda, que o crescimento econômico no Brasil só virá com investimentos privados, o que requer credibilidade – que por sua vez está relacionada à questão fiscal. Nesse sentido, ele reforçou a importância das reformas econômicas, frisando que elas são fundamentais para o crescimento sustentável. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).