Combate chinês a criptomoedas acelera mudança de mineração para Ásia Central e América do Norte

A China responde por mais da metade do suprimento de criptomoedas do mundo.

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Dado Ruvic/Ilustração
REUTERS/Dado Ruvic/Ilustração

A China responde por mais da metade do suprimento de criptomoedas do mundo

Acessibilidade


Uma repressão de Pequim está acelerando rapidamente uma mudança de foco por fabricantes de máquinas que mineram criptomoedas como bitcoin da China para a América do Norte e Ásia Central, enquanto os clientes chineses enfrentam um futuro incerto.

O governo central da China prometeu reprimir as negociações e a mineração de bitcoin na última sexta-feira (21), fazendo com que algumas mineradoras parassem todas ou parte de suas operações em um país que responde por mais da metade do suprimento de criptomoedas do mundo.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Os fabricantes dos equipamentos usados pelas mineradoras, muitos deles chineses, dizem que agora estão buscando crescimento em outro lugar.

Com sede em Hangzhou, a Ebang Internacional disse que suas “máquinas de mineração ainda vão estar em falta” no exterior, mesmo se as vendas internas desaparecem. O impacto será ainda mais amenizado pelo fato de que “os clientes domésticos irão para o exterior para minerar”, acrescentou a empresa em um comunicado enviado à Reuters.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Ilustrando a tendência, a BIT Mining Ltd sediada em Shenzhen, disse em um comunicado ontem (25) que havia firmado um acordo com uma empresa sediada no Cazaquistão para investir em um data center de criptomoedas de mineração no país.

Os mineiros de bitcoins usam equipamentos de informática especialmente projetados e cada vez mais poderosos, conhecidos como “rigs”, para verificar as transações de bitcoins em um processo que produz a moeda digital recém-cunhada.

O negócio que consome bastante energia é grande na China, embora a participação de mercado do país tenha diminuído há anos devido à incerteza regulatória.

Se a China perder rapidamente seu poder de cripto computação, os mineiros estrangeiros se beneficiarão, disse Alex Ao, vice-presidente da Innosilicon Technology, projetista de chips e fabricante de plataformas de mineração.

“Lugares como a América do Norte e a Ásia Central têm vantagens em termos de fornecimento de energia e apoio político”, disse Ao, acrescentando que mais mineradores chineses se mudarão para o exterior.

Edward Lu, vice-presidente sênior da Canaan Inc, outra fabricante chinesa de máquinas de mineração, disse estar olhando para mercados semelhantes. “A estratégia deve ser desenvolver vigorosamente mercados como Cazaquistão, Canadá e norte da Europa, onde os recursos energéticos são abundantes e baratos, enquanto as regulamentações são claras e previsíveis”, disse Lu à Reuters. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: