Diretor do Fed diz que "vários meses" de dados são necessários para mudanças na política monetária

Christopher Waller acredita que "a economia dos EUA está pisando no acelerador e continuando a ter uma recuperação muito forte".

Redação
Compartilhe esta publicação:
Tom Williams/Getty
Tom Williams/Getty

“A economia dos EUA está pisando no acelerador e continuando a ter uma recuperação muito forte”, disse Christopher Waller, diretor do Federal Reserve

Acessibilidade


O Fed (Federal Reserve) precisa de “mais vários meses de dados” antes de considerar mudanças em sua política monetária, para garantir que o recente crescimento fraco de empregos e a inflação alta sejam temporários, disse o diretor do banco central norte-americano, Christopher Waller, hoje (13).

Waller afirmou que uma economia “pronta para arrancar” acabará por superar o que ele considera como um “descompasso” temporário entre a demanda crescente de empresas por trabalhadores e a disposição das pessoas de aceitar empregos enquanto a pandemia prossegue e os benefícios ao desemprego estão disponíveis para pagar as contas.

LEIA TAMBÉM: Global 2000: as maiores empresas de capital aberto do mundo em 2021

O avanço de 4,2% nos preços ao consumidor no acumulado de 12 meses até abril, acima do esperado, entretanto, será temporário à medida que os gargalos de oferta diminuam e os consumidores gastem um excedente de poupança acumulado do fluxo de recursos disponibilizados pelo governo durante a pandemia, disse Waller.

“A economia dos EUA está pisando no acelerador e continuando a ter uma recuperação muito forte”, disse Waller.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Ainda assim, a inflação de abril e os resultados do emprego foram uma surpresa que levou “todas as projeções a ficarem de queixo caído”, disse Waller, e confirmou a necessidade de o Fed basear as mudanças de sua política monetária em resultados, não em previsões que, particularmente, podem estar erradas na saída de uma pandemia.

O Fed tem dito que não alterará suas compras mensais de títulos em US$ 120 bilhões até que haja “progresso adicional substancial” em colocar pessoas de volta ao trabalho, com um aumento na atual meta de taxa de juros, próxima de zero, ainda mais adiante.

O banco central também quer levar a inflação para mais de 2% por algum tempo para compensar a inflação fraca anterioriormente, e comprometeu-se a não exagerar na reação aos aumentos de curto prazo nos preços que podem estar ocorrendo agora.

Os relatórios de criação de postos de trabalho dos meses de maio e junho “podem revelar que abril foi um caso atípico, mas precisamos ver isso antes de começarmos a pensar em ajustar nossa postura”, disse Waller. “Agora é a hora de sermos banqueiros centrais pacientes e obstinados, e não sermos enganados por surpresas temporárias de dados.” (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: