É muito cedo para BCE reduzir as compras de títulos de emergência, diz Panetta

Com a recuperação, aumenta a pressão sobre o BCE para reduzir suas medidas de emergência.

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Remo Casilli
REUTERS/Remo Casilli

Membro do conselho do BCE junta-se a um coro crescente de autoridades que pedem por um estímulo contínuo

Acessibilidade


O BCE (Banco Central Europeu) não deve reduzir o ritmo das compras de títulos a partir do mês que vem, disse hoje (26) Fabio Panetta, membro do conselho do BCE, juntando-se a um coro crescente de autoridades que pedem por um estímulo contínuo.

Com a recuperação agora bem encaminhada, aumenta a pressão sobre o BCE para reduzir suas medidas de emergência. Mas várias autoridades vêm sugerindo que qualquer redução na compra de ativos após a reunião de 10 de junho é altamente improvável.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“As condições que vemos hoje não justificam a redução do ritmo das compras, e uma discussão sobre a eliminação gradual do PEPP (Programa de Compras Emergenciais da Pandemia) ainda é claramente prematura”, disse Panetta ao Nikkei em uma entrevista.

“Na verdade, estamos vendo agora um novo aumento indesejável nos rendimentos depois da alta que observamos neste ano”, acrescentou, avisando que os rendimentos mais elevados e a apreciação do euro associada enfraquecem a inflação, contrariando os objetivos do BCE.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O presidente do banco central grego, Yannis Stournaras, fez um apelo semelhante ontem (25), enquanto a presidente do BCE, Christine Lagarde, disse na semana passada que qualquer conversa sobre a redução do estímulo era prematura. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: