Forbes Radar: Banco Inter, JFL Living, BB, CVC e outros destaques corporativos

Últimas notícias sobre: Petrobras, Azul, Banco Pan, Uber, Locaweb, Magazine Luiza, Hidrovias, Cemig, MPM Corpóreos, Marisa e Vale.

Artur Nicoceli
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


No Forbes Radar de hoje (25), as instituições financeiras estão a todo vapor. Enquanto o Banco Pan junto ao Guiabolso lançam um projeto que antecipará a próxima fase do open banking, o Banco Inter comunicou que está próximo da conclusão de estudos para migrar sua base acionária ao Inter Platform, cujas ações serão listadas na Nasdaq, com lastro em BDRs na B3.

Ao mesmo tempo, a Marisa Lojas informou que foi iniciado o processo de reestruturação da sua área de produtos e serviços financeiros, logo após a aprovação expedida pelo Banco Central para a alteração do nome de sua instituição de pagamentos de ‘Sax’ para ‘M Pagamentos’.

Veja estes e outros destaques corporativos do dia:

Petrobras (PETR4)

A Petrobras anunciou ontem (24) o lançamento de um programa que prevê investimentos de US$ 300 milhões até 2025 para aumentar a eficiência e desempenho de refinarias que não estão no plano de desinvestimentos da companhia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A estatal disse que tem o “objetivo de estar entre as melhores companhias refinadoras de petróleo no mundo” com o plano chamado “RefTop-refino de classe mundial”.

A Petrobras afirmou que as unidades que receberão os aportes serão as refinarias Presidente Bernardes, Duque de Caxias, Capuava, Paulínia e Henrique Lage.

Os investimentos do programa já estão incluídos nos US$ 3,7 bilhões que a empresa prevê para a área de refino no Plano Estratégico 2021-2025.

Banco Pan (BPAN4)

Banco Pan junto ao Guiabolso lançaram um projeto que antecipará a próxima fase do open banking. O projeto dá a oportunidade de clientes compartilharem suas informações em outras instituições para que os bancos conheçam melhor seus perfis e autorize o acesso ao crédito.

Azul (AZUL4)

A Latam Brasil anunciou o fim da parceria de compartilhamento de voos com a Azul nos próximos 90 dias. “Este acordo foi uma alternativa identificada pelas duas empresas para enfrentar a queda de vendas e redução de malha aérea durante o auge da pandemia. Com a perspectiva de melhoria, não há mais sentido”, afirmou Jerome Cadier, presidente da Latam Brasil, ao Valor Investe.

“O codeshare com a LATAM foi uma alternativa em nossa resposta à pandemia. Também percebemos que a consolidação da indústria seria importante para a recuperação pós-pandemia e a Azul é parte fundamental em iniciativas desse tipo. No fim do primeiro trimestre desse ano, contratamos consultores financeiros e estamos estudando ativamente oportunidades de consolidação. Acreditamos que o encerramento do codeshare pela Latam seja uma reação ao processo de consolidação”. diz John Rodgerson, CEO da Azul. “A Azul está emergindo desta crise em uma posição de liderança em termos de liquidez, recuperação de malha e vantagens competitivas. Nossos planos não mudaram e estou confiante de que estamos na melhor posição para buscar alternativas estratégicas neste momento.”

Banco Inter (BIDI11)

O Banco Inter comunicou ontem (24) que está próximo da conclusão de estudos visando a implementação de uma reorganização societária para migrar sua base acionária para a Inter Platform, cujas ações pretende listar na Nasdaq, com lastro em BDRs listados na B3.

De acordo com o fato relevante à CVM (Comissão de Valores Mobiliários), a Inter Platform seria uma sociedade constituída de acordo com as leis da jurisdição de Cayman a ser registrada na SEC (Comissão de Valores Imobiliários dos Estados Unidos, na sigla em inglês).

O Inter também anunciou nesta segunda-feira um acordo com a StoneCo, por meio do qual a empresa processadora de cartões se comprometeu a subscrever ações ordinárias e/ou units correspondentes a até 4,99% do capital social do banco digital, com investimento limitado a R$ 2,5 bilhões.

De acordo com fato relevante do Inter à CVM, a aquisição dos papéis se dará no âmbito de oferta pública de ações do Inter, no valor fixado, já considerando o desdobramento em curso, de R$ 19,28 por ação ordinária e preferencial e R$ 57,84 por unit.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Uber (U1BE34)

A Uber lançou ontem (24) programas de vacinação contra Covid-19 em parceria com o governo dos Estados Unidos, oferecendo viagens gratuitas ou descontos em viagens de ida e volta para um local de vacinação.

Quem agendar para tomar vacina pode pedir um carro por meio do aplicativo Uber e não pagar nada se a viagem custar até US$ 25 ou receber um desconto de US$ 25, disse a empresa.

O presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou há duas semanas a parceria com Uber é um esforço para aumentar as taxas de vacinação, no momento em que a demanda por vacinas no país diminui.

Locaweb (LWSA3)

a Superintendência-Geral do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovou a aquisição da Pagcerto por parte da Locaweb. Em abril, a companhia havia comprado o sistema de gestão on-line Bling por R$ 524,3 milhões e anunciado o contrato de compra da empresa Pagcerto. O valor da transação não foi informado.

CVC (CVCB3)

Em entrevista ao Valor, o presidente da CVC, Leonel Andrade, anunciou que a companhia está lançando o Reprograma, programa de sustentabilidade da companhia, que pode nvestir neste ano R$ 3 milhões, mas pode chegar a R$ 30 milhões ao ano até 2030. Uma das iniciativas é “adotar” dois blocos turísticos – uma cidade ou uma praia, por exemplo- para ajudar na sua regeneração e preservação.

BR Properties (BRPR3)

A BR Properties celebrou o contrato de alienação de cinco imóveis no valor total de R$ 485 milhões, com o BR Properties Fundo de Investimento Imobiliário, administrado pelo BRL Trust.

A efetivação da transação prevista no contrato está sujeita a distribuição pública de cotas da 1ª emissão e, uma vez realizada, a companhia terá o Fundo como seu co-proprietário nos imóveis.

Segundo a BR, “A potencial alienação dos Imóveis ao Fundo, no âmbito da emissão, segue a estratégia da companhia, buscando de forma recorrente reciclar parte de seu portfólio, com retornos atraentes, criando oportunidades para novos investimentos, além de manter continuamente o processo de otimização de sua estrutura de capital.”

JFL Living (JFLL11)

A JFL Living informou que até o final de 2022, a gestora de ativos imobiliários lançará mais três empreendimentos, totalizando mais de R$ 800 milhões investidos no desenvolvimento de residenciais para locação. Parte dos investimentos das construções foi gerada a partir do IPO que ocorreu no final do ano passado.

Magazine Luiza (MGLU3)

O Boston Consulting Group divulgou o “The 2021 Value Creators Rankings”, em que classifica as empresas pelo mundo que mais geram retorno total para o acionista. O Magazine Luiza despontou em primeira posição no ranking global, por indústria, como a companhia cujas ações são as melhores do mundo. A varejista gerou, nos últimos quatro anos, um retorno total de 226% de ganhos em valorização de mercado e dividendos, por ano.

Hidrovias do Brasil (HBSA3)

A Hidrovias do Brasil recebeu uma notificação da Patria Infraestrutura IV Fundos de Investimentos informando que adiquiriu 78 milhões de ações emitidas pela companhia, correspondente a 10,3% do total dos ativos em mercado. O acionista ainds declarou que ” a aquisição tem como objetivo investimento na companhia e não objetiva alterar a composição do controle e a estrutura administrativa.”

Cemig (CMIG4)

A Cemig SIM, empresa de soluções em energia do Grupo Cemig, receberá aportes de aproximadamente R$ 1 bilhão até 2025. Os recursos serão destinados ao desenvolvimento de novos projetos de fazendas solares – aproveitando as capacidades de engenharia já existentes – e às oportunidades de aquisição de ativos que alavanquem a oferta.

Dessa forma, a corporação ampliará sua atuação no mercado de forma significativa, alcançando uma posição ainda mais relevante na modalidade geração distribuída, em Minas Gerais. A perspectiva é de atingir um market share em torno dos 30%, com LAJIDA (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) anual em R$ 170 milhões.

MPM Corpóreos ou Espaçolaser (ESPA3)

A EspaçoLaser informou que sua subsidiária Corpóreos Serviços Terapêuticos adquiriu um grupo franqueado responsável pela operação de nove lojas da marca “Espaçolaser” nos estados de Rio de Janeiro, Minas Gerais, Tocantins e Santa Catarina (Grupo Miarelli), mediante pagamento do valor total de R$ 20,2 milhões.

Banco do Brasil (BBAS3)

O Banco do Brasil informou que conselho de administração elegeu Antônio José Barreto de Araújo Júnior como vice-presidente de governo e sustentabilidade empresarial e Renato Luiz Bellinetti Naegele como vice-presidente de agronegócios.

O conselho elegeu ainda Adelar Valentim Dias como diretor de controles internos, Éder Luiz Menezes de Faria como diretor de suprimentos, infraestrutura e patrimônio e Paulo Augusto Ferreira Bouças como diretor de governo.

Marisa (AMAR3)

A Marisa Lojas comunicou que foi dado início ao processo de reestruturação da sua área de produtos e serviços financeiros, logo após a aprovação expedida pelo Banco Central para a alteração do nome de sua instituição de pagamentos de ‘Sax’ para ‘M Pagamentos’.

Tal processo, além da simplificação da estrutura societária e operacional das unidades responsáveis pela operação dos produtos financeiros da Marisa, também resultará na criação de uma nova identidade visual e denominação para a área, a qual passará a se chamar MBank Marisa.

Vale (VALE3)

A mineradora Vale fechou acordo para que um complexo de geração solar da companhia em Minas Gerais seja equipado com rastreadores que permitirão que seus painéis fotovoltaicos sigam o movimento do sol durante o dia, elevando a produtividade.

O negócio foi selado junto à Nextracker, fornecedora norte-americana, que deverá produzir de 50% a 60% dos componentes dos produtos no Brasil e importar o restante, disse à Reuters um representante da fabricante.

A aposta da Vale no projeto solar “Sol do Cerrado” foi divulgada no início de dezembro passado, quando a companhia estimou investimentos de cerca de US$ 500 milhões para implementação do empreendimento, com operação prevista para o último trimestre de 2022.

O acordo com a Nextracker envolve o fornecimento de rastreadores, também conhecidos como “trackers”, suficientes para atender os 766 megawatts de capacidade das usinas, que ficarão na região mineira de Jaíba.

A Vale também destacou que o investimento é alinhado com sua agenda de ações ligadas ao ESG e faz parte de um total de US$ 2 bilhões que a companhia pretende destinar a medidas para redução de suas emissões de carbono.

Entre as metas da mineradora estão reduzir emissões absolutas de carbono em 33% até 2030 e se transformar em uma empresa com emissão líquida zero até 2050.

(Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: