Forbes Radar: Ultrapar, TIM, GPA, Totvs, Ambev e outros destaques corporativos

No Forbes Radar de hoje (6), os balanços financeiros estão à todo vapor. A Ultrapar informou lucro líquido de R$ 137,4 milhões no 1º trimestre, queda de 18,7% ante o mesmo período de 2020. Enquanto a Braskem teve lucro líquido de R$ 2,5 bilhões entre janeiro e março de 2021, revertendo prejuízo bilionário de um ano antes e a TIM divulgou lucro líquido ajustado de R$ 277 milhões para o primeiro trimestre, um crescimento de 57,9%.

A Copel também registrou lucro líquido de R$ 759,2 milhões no primeiro trimestre e a Ambev apontou lucro líquido de R$ 2,73 bilhões no primeiro trimestre de 2021, alta de 125,7%.

Veja estes e outros destaques corporativos do dia:

Engie Brasil (EGIE3)

A Engie Brasil Energia registrou lucro líquido de R$ 529 milhões no primeiro trimestre, alta de 3,3% ante o mesmo período de 2020. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) no período foi de R$ 1,7 bilhão, alta de 30,5% na mesma comparação. A receita operacional líquida avançou 25,3% no primeiro trimestre ante o mesmo período do ano passado, para R$ 3,25 bilhões.

As variações positivas, segundo a empresa, “refletem substancialmente a ampliação da contribuição da rede de gasodutos TAG e do segmento de transmissão”. A companhia também citou ainda como pontos positivos a redução no volume de compras de energia e o aumento no preço de venda de energia.

Braskem (BRKM5)

A Braskem teve lucro líquido de R$ 2,5 bilhões no primeiro trimestre de 2021, revertendo prejuízo bilionário de um ano antes, impulsionada por forte aumento na receita e queda no resultado financeiro negativo.

A companhia afirmou que o “resultado operacional recorrente”, que exclui despesas como pagamentos relacionados ao fenômeno de afundamento de solo em Maceió, somou R$ 6,94 bilhões, crescimento ante o R$ 1,28 bilhão registrado no primeiro trimestre de 2020.

Segundo a empresa, o salto no resultado operacional foi apoiado em uma depreciação de 23% do real contra o dólar no período. A empresa também teve monetização de créditos de PIS/Cofins de cerca de R$ 761 milhões.

Enquanto isso, o resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 3,46 bilhões, ante R$ 6,25 bilhões negativos um ano antes.

A petroquímica teve receita líquida de vendas de R$ 22,7 bilhões de janeiro ao fim de março, avanço de 80% sobre o faturado um ano antes e de 21% ante o quarto trimestre.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

TIM (TIMS3)

A TIM divulgou lucro líquido ajustado de R$ 277 milhões para o primeiro trimestre, um crescimento de 57,9% ante mesmo período do ano passado.

A empresa, que anunciou mais cedo acordo para vender à IHS controle da futura empresa de fibra ótica FiberCo, teve geração de caixa medida pelo Ebitda ajustado de R$ 2 bilhões, alta de 4,5% sobre o desempenho de um ano antes.

A receita líquida subiu 3%, a R$ 4,3 bilhões, enquanto os custos da operação avançaram 1,7%, para R$ 2,3 bilhões.

Segundo o balanço, o grupo teve um crescimento no lucro operacional ajustado de 12,8% no período, que aliado a uma melhora de 10,4% no resultado financeiro e a uma redução de 8,4% na linha de impostos ajudaram a elevar o lucro líquido.

A TIM terminou o primeiro trimestre com 43,97 milhões de clientes de telefonia 4G, crescimento anual de 12,6%. A base de clientes de banda larga fixa subiu 13,3%, para 662 mil.

O acordo com a IHS para venda de participação de 51% na empresa operadora de redes de fibra ótica FiberCo, montada pela operadora de telecomunicações para expandir no Brasil infraestrutura de banda larga estabelece um valor de R$ 2,6 bilhões. Segundo fato relevante, R$ 609 milhões irão para o caixa da FiberCo e cerca de R$ 1 bilhão será pago à TIM.

O restante da participação da FiberCo ficará com a TIM, que será a cliente âncora da companhia, com prerrogativa de seis meses de exclusividade após a entrada da empresa em novas áreas.

“A expectativa é que o negócio possibilitará à companhia (TIM) desconsolidar uma parte relevante do seu investimento, provocando um efeito positivo em seu fluxo de caixa”, afirmou a operadora no fato relevante. “Em paralelo, a TIM espera utilizar os proventos dessa transação para auxiliar no cumprimento de suas obrigações de investimento como, por exemplo, na aquisição dos ativos da Oi Móvel”, acrescentou a companhia.

Por fim, a companhia encerrou na tarde de ontem (5), o programa de recompra de ações. Segundo a TIM, ” foram adquiridas 397 mil ativos a um preço médio de R$12,11, para fazer frente às obrigações decorrentes do plano de incentivo de longo prazo baseado em ações e dirigido aos executivos da companhia.”

O próximo programa terá início a partir da data da deliberação do conselho de administração, permanecendo em vigor até 5 de novembro de 2022. serão utilizados os recursos dos saldos das reservas de capital e de lucros, que totalizam R$6,8 bilhões.

Ultrapar (UGPA3)

A Ultrapar informou que seu lucro de janeiro a março somou R$ 137,4 milhões, queda de 18,7% ante o mesmo período de 2020. Por outro lado, a receita líquida do grupo cresceu 12% no comparativo anual, para R$ 23,95 bilhões.

O resultado do Ebitda no trimestre foi de R$ 996 milhões.

Copel (CPLE6)

A Copel registrou lucro líquido de R$ 759,2 milhões no primeiro trimestre, montante 50,5% superior ao visto no mesmo período de 2020 (R$ 510 milhões). O Ebitda atingiu R$ 1,3 bilhão, 18,8% maior na mesma comparação.

“Esse resultado é reflexo, basicamente, do crescimento de 31,4% na linha ‘suprimento de energia elétrica’, decorrente, principalmente, da comercialização dos 687 GWh de energia produzida pela UTE Araucária (termelétrica)”, disse a Copel.

O crescimento, segundo a empresa, reflete a maior receita operacional líquida que ficou e R$ 4,985 bilhões, alta de 22,6% sobre o mesmo período do ano passado, a equivalência patrimonial e o acréscimo do resultado financeiro.

De acordo com a Copel, essa diferença demonstra uma recuperação nos níveis dos reservatórios em relação a 2020, quando um longo período de estiagem atingiu a região Sul do País.

AES Tietê (TIET3)

A empresa de energia AES Tietê encerrou o primeiro trimestre com lucro de R$ 92,9 milhões, o que representa uma alta de 23,5% ante o registrado um ano antes. O aumento foi atribuído pela companhia a alguns fatores, como a melhora da margem hídrica, o desempenho dos ativos eólicos e a redução na despesa financeira líquida.

O Ebitda, na sigla em inglês foi de R$ 349 milhões, alta de 11,6% na comparação trimestral.

Segundo o Valor Econômico, após um processo de reestruturação societária, as ações da AES Tietê foram incorporadas pela AES Brasil. No entanto, como a incorporação ocorreu no fim do primeiro trimestre, a AES Brasil decidiu apresentar apeapenas o balanço patrimonial do primeiro trimestre com valores consolidados.

GPA (PCAR3)

O GPA teve lucro líquido de R$ 127 milhões no primeiro trimestre, ante prejuízo de R$ 119 milhões um ano antes, favorecido por aumento das vendas e redução das despesas.

O grupo controlado pelo francês Casino e que no mês passado concluiu a cisão do braço de atacarejo Assaí, viu sua receita líquida de janeiro a março somar R$ 12,45 bilhões, aumento de 4,9% em 12 meses.

Já o Ebitda ajustado somou R$ 935 milhões, alta de 36% ano a ano, beneficado por eficiências comerciais e controle das despesas no Brasil. A margem Ebitda subiu 1,7 ponto percentual, para 7,5%.

As vendas mesmas lojas caíram 0,7%, pressionadas por impactos da pandemia nas operações do grupo Êxito na Colômbia e Uruguai. No Brasil, as vendas mesmas lojas subiram 1,1% no primeiro trimestre.

Sem o impacto da Covid-19, o GPA afirma que as vendas mesmas lojas teriam subido 4,8% no nível consolidado e 5% no Brasil.

“O cenário de vendas permanece em crescimento no trimestre, mesmo impactado por desafios relacionados principalmente ao contexto macroeconômico e pandemia, com severas medidas restritivas envolvendo fechamento de lojas aos finais de semana, horário de abertura reduzidos e proibição da venda de algumas categorias”, afirmou o GPA no relatório.

Na linha outras despesas operacionais, o resultado negativo foi 71,9% menor na comparação anual, para um déficit de R$ 60 milhões.

Totvs (TOTS3)

A Totvs informou lucro líquido de R$ 80,65 milhões no 1º trimestre, 31% acima dos R$ 61,1 milhões de 2020.

O Ebitda ajustado disparou 49%, para R$ 189,2 milhões, ante o primeiro trimestre do ano passado. A margem evoluiu de 21,1% para 26,3%.

A companhia afirmou que a receita recorrente da área de tecnologia cresceu 14,6% no período e atingiu recorde histórico de corresponder a 81% do faturamento líquido da divisão.

“Os principais segmentos que contribuíram para este crescimento foram manufatura, distribuição, agroindústria e o varejo (em especial o subsegmento de supermercados)”, afirmou a empresa no balanço.

BR Properties (BRPR3)

A BR Properties anunciou lucro líquido no primeiro trimestre de R$ 13,4 milhões. Desconsiderando os efeitos não caixa e não recorrentes do trimestre, a companhia apresentou um lucro líquido ajustadono no 1º trimestre de R$ 43,5 milhões, correspondendo a uma redução de 6% quando comparado com 2020.

A BR Properties registrou receita líquida de R$ 82,3 milhões no primeiro trimestre, representando um aumento de 8% quando comparado a primeiro trimestre do ano passado. A empresa apresentou Ebitda ajustado de R$ 61,1 milhões, representando um aumento de 14% quando comparado com os três primeiros meses de 2020.

A BR Properties encerrou o trimestre com uma dívida líquida de R$ 1 bilhão e uma posição de caixa de R$ 962,8 milhões.

Ambev (ABEV3)

A indústria de bebidas Ambev informou lucro líquido de R$ 2,73 bilhões no primeiro trimestre de 2021, alta de 125,7% sobre RS 1,21 bilhão de 2020. Já O Ebitda ajustado do 1º trimestre alcançou R$ 5,32 bilhões, alta de 25,9% contra R$ 4,23 bilhões do ano passado.

A receita líquida da empresa no primeiro trimestre de 2021 alcançou R$ 16,6 bilhões, em alta de 32% sobre o resultado de um ano antes.

O lucro operacional da empresa cresceu 32,9% no primeiro trimestre deste ano, para R$ 4,06 bilhões, ante R$ 3,05 bilhões no primeiro trimestre do ano passado.

Lojas Quero-Quero (LQJJ3)

A Lojas Quero-Quero registrou lucro líquido de R$ 11,6 milhões no primeiro trimestre deste ano, revertendo prejuízo de R$ 1,5 milhão no mesmo período de 2020. A receita líquida cresceu 38,3% no comparativo trimestral, para R$ 435,4 milhões.

O Ebitda foi de R$ 54,2 milhões entre janeiro e março, o que representa avanço de 92,6% em relação ao mesmo período de 2020.

Uber (U1BE34)

A Uber registrou prejuízo líquido de US$ 108 milhões no primeiro trimestre deste ano, queda de 96% em relação ao prejuízo de US$ 2,936 bilhões no mesmo período do ano passado.

O Ebitda ajustado ficou negativo em US$ 359 milhões, 41% abaixo dos US$ 612 milhões negativos do primeiro trimestre de 2020.

A receita líquida da companhia cresceu 8%, para US$ 3,5 bilhões, impulsionada pelo serviço de delivery. O indicador desconsidera um montante de US$ 600 milhões relacionado a reivindicações de motoristas no Reino Unido.

Na América Latina, as entregas cresceram 144% no comparativo anual, enquanto nos Estados Unidos e Canadá o avanço do serviço foi de 179%. O número de consumidores ativos na plataforma caiu 5%, para 98 milhões.

Taesa (TAEE11)

A transmissora de energia elétrica Taesa registrou lucro líquido de R$ 555,9 milhões No primeiro trimestre de 2021, um avanço de 42,1% na comparação anual, informou em balanço financeiro.

A empresa, controlada pela estatal mineira Cemig e pela colombiana ISA, reportou Ebitda regulatório de R$ 316,7 milhões de janeiro a março, alta de 1,3% ano a ano, com margem de 82%, contra 83,9% no mesmo intervalo de 2020.

A Taesa disse em comunicado que o avanço no lucro líquido se deve principalmente aos maiores índices macroeconômicos registrados nos períodos comparados, com efeito do IGP-M que acumulou 6,2% neste primeiro trimestre.

A companhia destacou também a consolidação das aquisições de São João, São Pedro e Lagoa Nova, e a entrada em operação da concessão de Mariana em 2020. Além disso, houve aumento de 17,9% na equivalência patrimonial, resultado também dos maiores índices macroeconômicos, que impactaram positivamente a receita de correção monetária das participações.

Mercado Livre (MELI34)

O Mercado Livre relatou receita líquida de US$ 1,4 bilhão no período, aumento ano a ano de 111,4% em dólares e de 158,4% em moeda constante. O Brasil, que representa 56% do total, teve expansão de 93% em dólar e 139% em reais.

O prejuízo líquido no trimestre somou US$ 34 milhões, ante US$ 21,1 milhões em igual etapa de 2020, com o Mercado Livre mantendo foco na expansão de estrutura logística e tecnológica, enquanto se depara com a concorrência crescente de rivais como a gigante norte-americana Amazon e no Brasil, incluindo Magazine Luiza, Via Varejo e B2W.

PayPal (PYPL34)

O PayPal teve lucro líquido de US$ 1,22 por ação, superando expectativa média de analistas de US$ 1,01 por papel. A receita também superou as expectativas, subindo 31%.

A empresa teve teve resultado recorde de primeiro trimestre e superou as expectativas do mercado, impulsionada pelo movimento de alta do comércio eletrônico diante das medidas de isolamento social ao redor do mundo.

Klabin (KLBN4)

A Klabin anunciou que vai instalar uma máquina de papel cartão na segunda fase de construção de sua fábrica no Paraná. A mudança dos planos, que antes previam a produção de papel kraft, exigirá investimento adicional de R$ 2,6 bilhões no projeto.

A companhia afirmou em fato relevante que as obras para a instalação da máquina de papel cartão terão início imediato. A previsão de início de produção é o segundo trimestre de 2023.

Com a mudança de ideia para a segunda fase, o investimento total do projeto Puma II, como é chamada a fábrica integrada da companhia no Paraná, será de R$ 12,9 bilhões, dos quais R$ 5,8 bilhões já foram desembolsados até o fim do mês passado.

A Klabin disse que o investimento será financiado com resultados próprios, recursos disponíveis em caixa, o que poderá ser complementado com saques de empréstimos contratados.

Assaí (ASAI3)

A rede de atacarejo Assaí avalia que boa parte dos clientes que começaram a comprar na empresa durante a pandemia deve continuar fazendo isso e que a margem bruta do grupo deve se manter estável neste ano, apesar de um forte ritmo de abertura de lojas.

A companhia também trabalha com cenário de que sua alavancagem medida pela relação dívida líquida sobre Ebitda vai cair abaixo de uma vez até o fim de 2023, apoiada por forte geração de caixa, disseram executivos durante teleconferência nesta quarta-feira sobre os resultados no primeiro trimestre.

“Esperamos algo muito forte em termos de (recuperação de compras de clientes de setores) como vida noturna, escolas e uma serie de setores que hoje estão parados…Isso deve ter impacto benéfico em vendas”, afirmou o presidente-executivo do Assaí, Belmiro Gomes. Ele se referiu à campanha de vacinação contra Covid-19 e à retirada de medidas de isolamento social pelo país.

No primeiro trimestre, das 184 lojas da rede, 100 foram afetadas por algum tipo de restrição, disse Gomes. “No geral todas as lojas foram impactadas, não no mesmo momento”, afirmou.

Mesmo assim, o Assaí divulgou que seu lucro no trimestre mais que dobrou sobre o mesmo período de 2020, para R$ 240 milhões, e a margem bruta subiu de 15,6% para 16%. As vendas mesmas lojas saltaram 11,4%.

Petrobras (PETR4)

A Petrobras reabriu a licitação para a venda de seu polo marítimo de petróleo Golfinho, disseram duas fontes à Reuters nesta semana, após um aumento dos preços do petróleo nos últimos meses.

Golfinho é um dos vários ativos de produção que a petroleira estatal colocou à venda para reduzir a dívida e concentrar seu foco em campos marítimos em águas ultraprofundas, com grande rentabilidade, essencialmente no pré-sal.

O novo presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, indicou que planeja seguir aspectos da estratégia atual de desinvestimentos da empresa, em seu discurso de posse, mas revelou pouco sobre seus próprios planos e sobre a possibilidade de mudanças.

Ainda assim, não há ainda relatos públicos sobre possíveis atrasos nas vendas de ativos.

Gerdau (GGBR4)

A Gerdau espera uma continuação na forte demanda por aço no Brasil e nos Estados Unidos no segundo trimestre, apesar das diferentes etapas das campanhas de vacinação contra Covid-19 vividas por cada país, afirmou o presidente-executivo da companhia, Gustavo Werneck, na tarde de ontem (5).

A siderúrgica “certamente enxerga possibilidade” de ampliação de resultados no segundo trimestre em relação aos três primeiros meses do ano, quando a empresa viu o lucro líquido disparar para cerca de R$ 2,5 bilhões, acrescentou.

Werneck inclui nessa conta, além do avanço da vacinação, uma eventual contínua melhora nas entregas de veículos por montadoras, atividade aquecida de setores ligados à construção e mesmo a mudança na postura da China de reduzir incentivos às exportações de aço do país.

Questionado durante teleconferência com analistas sobre a perpetuidade do nível de margem obtida no primeiro trimestre, Werneck foi categórico em dizer que “enxergamos condição estrutural, sim, pelos próximos trimestres das margens se manterem”. Ele comentou também que o nível de utilização de capacidade de produção de aço da Gerdau no Brasil está em cerca de 75% e nos Estados Unidos próxima de 91%.

Bradesco (BBDC4)

O Bradesco anunciou a meta de direcionar R$ 250 bilhões a setores e ativos de impacto socioambiental positivo por meio dos seus negócios até 2025.

O objetivo, de acordo com o segundo maior banco privado do país, considera a concessão de crédito para atividades classificadas como de contribuição positiva, produtos e serviços financeiros com foco socioambiental para pessoas físicas e jurídicas.

Ainda segundo o comunicado à CVM (Comissão de Valores Mobiliários), a projeção contempla assessoria na estruturação de soluções de crédito e dívida atreladas a critérios ambientais, sociais e de governança.

Banco do Brasil (BBAS3)

O Conselho de Administração do Banco do Brasil elegeu Iêda Aparecida de Moura Cagni e Walter Eustáquio Ribeiro para os cargos de presidente e vice-presidente do conselho, respectivamente, para cumprir o mandato entre 2021 e 2023.

Sabesp (SBSP3)

A Sabesp informou que após analisar os termos finais do leilão da concessão do Bloco 2 da CEDAE (companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro), decidiu não exercer a opção de adquirir uma participação no capital social da SPE (Sociedade de Propósito Específico) que será criada para explorar a concessão.

(Com Reuters)

Calendário de divulgação dos próximos resultados:

  • B3 (B3SA3) – 06 de maio
  • Banco do Brasil (BBAS3) – 06 de maio
  • Unicasa (UCAS3) – 06 de maio
  • Banco BMG (BMGB4) – 06 de maio
  • Alper (APER3) – 06 de maio
  • CSU Cardsyst (CARD3)- 06 de maio
  • Ouro Fino (OFSA3)- 06 de maio
  • Sao Carlos (SCAR3)- 06 de maio
  • Burger King (BKBR3) – 06 de maio
  • Sequoia (SEQL3) – 06 de maio
  • Camil (CAML3)- 06 de maio
  • JHSF Part (JHSF3)- 06 de maio
  • Simpar (SIMH3) – 06 de maio
  • Neoenergia (NEOE3)- 06 de maio
  • Azul (AZUL4)- 06 de maio
  • B2W Digital (BTOW3) – 06 de maio
  • Lojas Americanas (LAME4) – 06 de maio

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).