Global 2000: Nestlé ocupa topo no setor de alimentos e PepsiCo é a maior em bebidas com a ajuda de lanches

Multinacional suíça é a 39ª maior empresa no ranking geral, enquanto a norte-americana aparece na 70ª posição.

John Dobosz
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

A competição mais próxima da Nestlé pelo tamanho total no ramo de alimentos processados vem da norte-americana Mondelez International

Acessibilidade


Com os restaurantes fechados pelo menos parcialmente durante a pandemia e as pessoas comendo mais em casa, a Covid-19 foi uma força positiva para as vendas de bebidas e alimentos processados. Com US$ 89,9 bilhões em vendas anuais e US$ 13 bilhões em lucros, a Nestlé, com sede na Suíça, é a 39ª maior empresa no Global 2000 e continua a ser a maior empresa de alimentos e bebidas de capital aberto do mundo, com participação de mercado significativa em categorias como café, chá, água, bebidas em pó, alimentos para animais de estimação, laticínios e sorvetes. Ela também tem uma participação ligeiramente superior a 23% nas ações da empresa francesa de cosméticos L’Oreal. A Nestlé teve um crescimento orgânico de 3,6% em seus negócios no ano passado e gerou 31% da receita nos Estados Unidos.

A competição mais próxima da Nestlé pelo tamanho total no negócio de alimentos processados vem da norte-americana Mondelez International (nº 176) e, mais remotamente, da francesa Danone (nº 238) e da Archer-Daniels Midland – sediada em Illinois (Nº 247). A concorrente do agronegócio da ADM, a Bunge, fez o maior movimento de alta no Global 2000 na categoria de alimentos e bebidas, saltando de 1231 para a posição 621 no ano passado.

LEIA TAMBÉM: Com fortuna de US$ 146 bilhões, Elon Musk perde segunda posição em ranking de bilionários da Forbes

A PepsiCo, com sede em Nova York, é a segunda maior empresa de alimentos e bebidas e ocupa a 70ª posição no Global 2000 deste ano, ante a 87ª em 2020. A receita no ano passado aumentou 4,8%, em parte graças à divisão da Frito-Lay North America respondendo por 26% das vendas totais.

Sem uma parte significativa das vendas fora de refrigerantes, o maior rival da Pepsi não se saiu tão bem. A receita da Coca-Cola, a quarta maior empresa na categoria, caiu 11,4%, e a companhia caiu seis lugares no geral, de 96º para 102º no Global 2000 deste ano. Fechamentos de restaurantes e cancelamento de jogos esportivos e shows impactaram negativamente o negócio de concentrado de xaropes da Coca, que responde por mais da metade (56%) da receita total.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As empresas de bebidas atrás da PepsiCo e da Coca-Cola são a chinesa Kweichow Moutai (Nº 264), a empresa global de bebidas alcoólicas Diageo (Nº 283), Keurig Dr Pepper (Nº 370) e Anheuser-Busch InBev (Nº 377).
O tabaco tem, tradicionalmente, sido um componente da categoria de alimentos e bebidas, e sua venda – que vem caindo há muitos anos – interrompeu essa tendência de baixa pelo menos temporariamente durante a pandemia. A British American Tobacco, o terceiro maior negócio do setor, ocupa a 91ª posição geral, enquanto a Philip Morris International, que vende Marlboro e outras marcas fora dos EUA, ocupa a quinta posição na categoria e a nº 174 no ranking geral. O Altria Group (216º), que vende as marcas Philip Morris nos EUA, ocupa o sétimo lugar na categoria de alimentos, bebidas e tabaco. Todas as três empresas de tabaco subiram na classificação geral do Global 2000.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: