Parlamentares dos EUA devem pressionar Powell sobre postura mais dura com a inflação do Fed

Kevin Lamarque/Reuters
Kevin Lamarque/Reuters

Presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, participa de audiência em Washington

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, participa hoje (22) de uma audiência pública no Congresso que deve se concentrar em como o banco central dos EUA está equilibrando os crescentes riscos de inflação com sua promessa de garantir que a economia recupere todos os empregos perdidos após o início da pandemia de coronavírus.

Até recentemente, havia pouco conflito percebido entre os objetivos gêmeos do banco central dos EUA de restaurar o pleno emprego, garantindo que os preços aumentassem apenas em um ritmo modesto.

LEIA TAMBÉM: Powell vê “melhora sustentada” na economia, aumento notável na inflação

Mas desde que Powell compareceu pela última vez ao subcomitê para a Crise do Coronavírus da Câmara dos Representantes dos EUA, as perspectivas do banco central para a inflação dobraram. As projeções divulgadas pelo Fed na semana passada mostraram que os preços em 2021 devem aumentar a uma taxa de 3,4%, ante 1,7% projetado em setembro último.

O crescimento recente do emprego, entretanto, tem sido mais lento do que o esperado, com alguns dos colegas de Powell agora sugerindo abertamente que a pandemia levou tantas pessoas a se aposentarem que pode ser irreal pensar que a economia pode retornar ao nível de emprego pré-crise antes que o Fed precise apertar a política monetária.

Essa é uma postura contrária ao próprio foco de Powell em retornar a economia às condições do início de 2020 e ao do influente presidente democrata do subcomitê, o deputado James Clyburn, da Carolina do Sul.

Em depoimento preparado para ser entregue na audiência, Powell reafirmou sua preocupação de que o alto índice de desemprego contínuo está afetando mais duramente os trabalhadores com salários mais baixos, negros e hispânicos. Esperava-se que a alta inflação recente fosse temporária, disse ele, e o Fed “fará tudo o que pudermos para apoiar a economia pelo tempo que for necessário para completar a recuperação”.

Clyburn, que tem laços estreitos com o presidente Joe Biden, pressionou Powell em uma audiência semelhante há nove meses para garantir uma recuperação de empregos “justa e equitativa” e disse que sentia que os programas do Fed haviam “priorizado as grandes empresas em relação às pequenas. que estão em maior risco … e não conseguiu proteger os trabalhadores americanos”.

VEJA MAIS: Autoridades do Fed veem em redução de compras alternativa para não subir juros nos EUA

O cenário econômico mudou drasticamente desde então, e em uma reunião de política monetária na semana passada, autoridades do Fed responderam. Eles projetaram que podem aumentar as taxas de juros em 2023, talvez um ano antes do previsto, e Powell disse durante uma entrevista coletiva que o banco central estava começando a falar sobre quando reduzir seus US$ 120 bilhões em compras mensais de títulos do governo e títulos usados para apoiar a recuperação. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).