Criação de vagas de emprego nos EUA deve ter desacelerado em agosto por variante Delta

O aumento dos casos de Covid-19 reduziu a demanda por viagens e entretenimento, mas o ritmo foi necessário para sustentar a expansão econômica.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Eduardo Munoz/Reuters
Eduardo Munoz/Reuters

Anúncio de contratação em Nova York

Acessibilidade


A criação de vagas de emprego nos Estados Unidos provavelmente desacelerou em agosto de abertura de quase 2 milhões de postos de trabalho nos últimos dois meses, uma vez que o aumento dos casos de Covid-19 reduziu a demanda por viagens e entretenimento, mas o ritmo foi necessário para sustentar a expansão econômica.

O relatório de emprego do Departamento do Trabalho será divulgado hoje (3) no momento em que os economistas vêm reduzindo suas estimativas para o Produto Interno Bruto do terceiro trimestre. Entre os motivos citados estão o ressurgimento das infecções por conta da variante Delta do coronavírus e escassez de matérias-primas.

LEIA TAMBÉM: Bilionário Bernard Arnault vende participação no Carrefour após 14 anos

Os casos novos de Covid-19 podem também ter feito com que as pessoas desempregadas ficassem em casa, frustrando os esforços dos empregadores de aumentar as contratações.

Segundo pesquisa da “Reuters”, provavelmente foram elevados 750 mil vagas de emprego no mês passado. A economia criou 1.881 milhão de postos em junho e julho.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Se o resultado de agosto atender às expectativas, deixará o nível de emprego cerca de 5 milhões abaixo do pico de fevereiro de 2020.

Mas a previsão é altamente incerta, com indicação variando de 375 mil a 1.027 milhão. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: