A Tesla tinha 5 fundadores. Por que apenas dois se tornaram bilionários?

Além de Elon Musk e JB Straube, havia outras três pessoas envolvidas. Há uma história que conta por que elas não ficaram bilionárias.

Alab Ohnsman
Compartilhe esta publicação:
Matthew Childs/Reuters
Matthew Childs/Reuters

Neste mês, a Tesla se tornou a primeira montadora a atingir a avaliação de US$ 1 trilhão, mas o CEO que apresentou a empresa à imprensa não se tornou sinônimo da marca

Acessibilidade


Em uma tarde de julho de 2006, a recém-fundada fabricante de carros elétricos Tesla reuniu repórteres em um hangar do Aeroporto de Santa Monica para revelar o lançamento de seu modelo roadster: um audacioso veículo de dois lugares movido a bateria que custaria US$ 100.000 e para o qual poucos especialistas automotivos viram esperanças de sucesso.

O ousado CEO da empresa, Martin Eberhard, declarou que a engenhosidade do Vale do Silício ensinaria os gigantes automotivos de Detroit a fazer carros atraentes com emissão de zero carbono.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O primeiro lançamento de Tesla, que tinha um chassi Lotus Elise modificado com sete mil minúsculas células de íon-lítio, foi um conceito sofisticado que logo seria seguido por um Sedan familiar de baixo custo, disse o executivo-chefe. A visão que ele apresentou naquele dia se tornaria realidade mais tarde, mas não com ele no comando.

Neste mês, a Tesla se tornou a primeira montadora a atingir a surpreendente avaliação de US$ 1 trilhão, mas o CEO que apresentou a empresa à imprensa, 15 anos atrás, não se tornou sinônimo da marca. E ele certamente não acabou como a pessoa mais rica da história.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Esse posto é de Elon Musk, é claro, o primeiro investidor da Tesla e o atual CEO da companhia. Musk também esteve presente na estreia de Tesla em 2006, mas assumiu uma postura mais reservada naquele dia, apenas argumentando a favor da necessidade de acabar com os carros da gasolina o mais rápido possível.

O CEO original da Tesla, Eberhard, e um outro executivo chamado Marc Tarpenning, que em 2003 teve a ideia de nomear os veículos da empresa em homenagem ao inventor Nikola Tesla, são os acionistas originais da companhia – os primeiros homens a reivindicar a propriedade da nova marca que iria sacudir o establishment de Detroit.

Mas nenhum deles reteve ações suficientes da Tesla para atingir o status de bilionário, muito menos o atual patrimônio líquido de Musk, que a Forbes estima em US$ 271 bilhões, segundo o fechamento dos mercados de ontem (9).

Foi o capital inicial de Musk – resultado de um investimento nos primeiros anos do PayPal – que transformou a visão de Eberhard e Tarpenning em realidade.

Em última análise, também colocou Musk no caminho para assumir o controle total da Tesla, aumentando constantemente sua participação acionária em uma série de nove rodadas de financiamento antes do IPO da empresa em 2010, cada uma diluindo ainda mais as participações da Eberhard e Tarpenning.

Mesmo hoje, a participação de Musk cresce à medida que ele continua a ser pago em ações, que valem bilhões de dólares, no lugar de salários.

LEIA MAIS: Fortuna de Elon Musk despenca R$ 181 bi com queda das ações da Tesla após votação no Twitter

Em uma entrevista, Eberhard disse à Forbes que mantém uma participação “relativamente pequena” na montadora, e se recusa a dar mais detalhes. “Vendi uma boa parte das minhas ações há muito tempo”, diz ele, com 61 anos, de sua casa nas ilhas San Juan, no estado de Washington. “As pessoas têm essa ideia de que eu era um zilionário quando comecei a Tesla. Eu não era.”

Se Eberhard tivesse ficado mais rico com a venda do Rocket eBook, um dos primeiros e-readers portáteis do mercado que ele e Tarpenning criaram no final da década de 1990, os investimentos de Musk não teriam sido necessários, diz ele.

Musk costuma dizer que não se importa com a riqueza. Ele vendeu suas mansões em Los Angeles no ano passado para viver em uma casa modesta pré-fabricada próxima à sede da SpaceX em Boca Chica, no Texas.

Mesmo assim, ele continua acumulando fortunas em um ritmo notável. Isso se deve a uma participação acionária inicial de quase 20% na empresa e um plano de bônus de longo prazo anunciado em 2018 que o recompensa com bilhões de dólares em ações da Tesla toda vez que ele atinge as metas de desempenho trimestrais, que são baseadas em métricas financeiras e no valor de mercado da companhia.

Ele também está se preparando para vender 10% de sua participação, o que vale cerca de US$ 15 bilhões, a partir de 9 de novembro, para evitar ter de pagar um valor alto de impostos por causa do vencimento de algumas opções de longo prazo que detém.

Eberhard, por sua vez, vendeu grande parte de suas ações após ser expulso da Tesla em 2007, antes do lançamento do Roadster. Ele processou Musk em 2009 por sua saída e por calúnia, mas depois fechou um acordo extrajudicial com o atual CEO e encerrou a ação.

Os termos determinaram que ele abandonasse a oposição a Musk, ao ex-diretor de tecnologia da Tesla, JB Straubel, e a Ian Wright, um dos primeiros engenheiros da empresa – todos também co-fundadores, além do próprio Eberhard e de Tarpenning.

“Quando fui expulso da Tesla, não tinha dinheiro – quero dizer, realmente não tinha dinheiro nenhum”, diz ele. “Pior do que isso, não pude trabalhar por cerca de um ano” por causa de um acordo de propriedade intelectual com a Tesla, diz ele. “Não participei de nenhuma rodada de investimento depois que saí.”

VEJA TAMBÉM: Publicação de Elon Musk se torna viral em meio a confronto com Programa Mundial de Alimentos

Eberhard não fornece detalhes de sua participação na Tesla, mas ele confirma que não é um bilionário. Tarpenning, hoje sócio da Spero Ventures, uma empresa de capital de risco do Vale do Silício, disse que também ainda possui ações da Tesla, mas não está listado entre seus principais acionistas. Ele não respondeu às perguntas da Forbes.

Dos cinco co-fundadores oficiais, apenas Straubel, que deixou a Tesla em 2019, tem chances de ter se tornado um bilionário por causa de suas ações da empresa. Sua participação pode valer cerca de US$ 1,3 bilhão, supondo que ele ainda tenha uma parte significativa dos papéis que eram seus antes de sua saída.

Straubel, atualmente CEO e cofundador da Redwood Materials, uma startup de reciclagem de baterias, não quis comentar o assunto. O engenheiro Wright, que se juntou a Eberhard e Tarpenning alguns meses depois de eles criarem a Tesla, saiu em 2004 para abrir outra empresa de veículos elétricos. Ele vendeu sua participação há anos.

“Não tenho ações da Tesla agora”, diz Wright à Forbes. “É claro que eu não poderia ter imaginado que a companhia chegaria a uma avaliação de US$ 1 trilhão!”

Além de tornar Musk a pessoa mais rica do mundo, a empresa que se tornou sinônimo de uma revolução automotiva global também enriqueceu investidores e membros do conselho, incluindo o investidor de capital de risco Ira Ehrenpreis, e Larry Ellison, da Oracle, bem como o irmão mais novo de Musk, Kimbal, e inúmeros outros que viram o potencial para um futuro de energia limpa.

Apesar de todo o sucesso da empresa e sua recém-descoberta estabilidade financeira, bem como a atenção ininterrupta que Musk busca e gera, os primeiros dias da Tesla foram marcados por fortes turbulências na liderança que deixaram um único cofundador no controle.

Outros gigantes voltados para a tecnologia que alcançaram avaliações de trilhões de dólares, como a Microsoft e a Alphabet, criaram vários bilionários entre seus cofundadores, embora os ganhos financeiros individuais de Musk não sejam tão incomuns.

“Embora seja verdade que outras notáveis ​​empresas de tecnologia geraram várias fortunas, uma dinâmica bastante semelhante à da Tesla ocorreu na Apple”, diz David Hsu, professor de administração da Wharton School da Universidade da Pensilvânia.

A participação do co-fundador Steve Jobs na Apple valia cerca de US$ 2 bilhões na época de sua morte, em 2011, e a fortuna de Steve Wozniak é de cerca de US$ 100 milhões. Ronald Wayne, o pouco conhecido terceiro co-fundador da Apple, vendeu sua participação no início da companhia por apenas US$ 800,00, diz Hsu. As recompensas que Musk colhe hoje são o resultado de uma aposta arriscada que se mostrou certeira.

“Não se trata apenas de participações de cofundadores; também poderíamos apontar casos de perda de investidores, incluindo investidores anjo e de capital de risco ”, disse Hsu. “Na época em que Musk aportou na rodada de Série A, e por um período considerável de tempo depois, havia muita incerteza sobre a capacidade da empresa de executar sua visão ousada. Alguns diriam que esse sentimento ainda é verdadeiro hoje.”

Citando uma cláusula de “veto a injúrias” que fazia parte do acordo de 2009, Eberhard se recusou a dar detalhes sobre suas opiniões atuais sobre Musk. Em contraste, o próprio Musk mostrou muito menos comedimento. Ele descreveu Eberhard como “literalmente a pior pessoa com quem já trabalhei” em uma entrevista de janeiro de 2020 para o podcast Third Row Tesla, apresentado por fãs do bilionário.

Ainda assim, o primeiro CEO da empresa, que possuía “um pouco menos” de 5% das ações quando saiu da Tesla, diz que não está infeliz atualmente, apesar de não lucrar mais com a valorização dos papéis da companhia.

“A avaliação do valor de mercado da Tesla é o que é. Estou feliz com o sucesso da empresa. É crucial que abandonemos os combustíveis fósseis e a Tesla tem sido o principal impulsionador disso, que é o que esperávamos desde o início ”, diz Eberhard.

“Seja qual for a minha opinião sobre Musk, ainda estou muito feliz em ver a revolução do carro elétrico – que, no final das contas, foi iniciada por nós.”

Compartilhe esta publicação: